domingo, 6 de julho de 2014

Datafolha traz melhores notícias para Dilma do que parecia à 1ª vista.


A candidatura à reeleição da presidenta Dilma Roussef cresceu em 18 dos 21 segmentos sociais/eleitorado brasileiro acompanhados na realização de pesquisas pelo Instituto da Folha de S.Paulo. E mais: para o diretor-geral do instituto, Mauro Paulino, esta é a prova mais evidente de que é ‘consistente’ o crescimento da candidata petista a continuar mais quatro anos à frente do governo.

Em assim sendo, sem comentários, então, o sonho e previsões da oposição, de que a subida da presidenta na pesquisa – 4 pontos em relação ao Datafolha anterior – decorre apenas da Copa do Mundo no Brasil e que este efeito é passageiro. Os dois principais candidatos da oposição, o dos tucanos, senador Aécio Neves (PSDB-MG), e o do PSB, ex-governador Eduardo Campos divulgaram notas oficiais nessa linha.

Aécio, feliz por considerar que a pesquisa mostra que o 2º turno está assegurado; Campos, sem esquecer de incluir na nota o nome da ex-senadora Marina Silva, sua companheira de chapa candidata a vice-presidente, para a associação ao nome dela tornar mais conhecido o nome dele.

Crescimento consistente

Neste Datafolha divulgado ontem, a presidenta Dilma foi de 34% para 38%, o senador Aécio crava 20% das intenções de voto e o ex-governador Campos, 9%. Hoje o Datafolha esclarece que na comparação com sua última pesquisa anterior, nesta as intenções de voto na presidenta Dilma variaram negativamente em apenas um dos 21 estratos sociais apurados regularmente pelo Instituto.

“Foi entre os eleitores que vivem em famílias com renda mensal entre 5 e 10 salários mínimos. Nesse segmento de classe média, a petista oscilou de 28% para 26% – uma diferença dentro da margem de erro, de seis pontos neste subgrupo específico. Às vezes dentro da margem de erro, às vezes um pouco acima dela, Dilma tem mais pontos agora do que na pesquisa anterior em 18 estratos: entre homens e mulheres; em todos os grupos etários; em quatro das cinco regiões do pais; nos municípios interioranos; entre eleitores com diferentes graus de escolaridade; e nas outras quatro faixas de renda (…)”, detalha hoje a reportagem da Folha de S.Paulo.

“Esse conjunto de dados mostra que o crescimento de Dilma foi consistente”, explica o diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino. “É fruto de algo que atingiu todas as camadas sociais. Reforça a ideia de que foi uma mudança geral de humor influenciada pelo clima da Copa”, completa. A pesquisa mostra que o “orgulho de ser brasileiro” passou de 77% para 85% desde maio e a avaliação de que o Brasil é um lugar bom ou ótimo para se viver subiu de 64% para 72%.

O orgulho dos brasileiros pelo fato de o país sediar a Copa, por sua vez, é compartilhado por nada menos que 60% da população – e isso a considerar todo aquele bombardeio contra a realização do evento aqui, que antecedeu o início do Mundial. Agora, essa opinião favorável a respeito da realização do Mundial no Brasil é crescente. Para o Instituto todo e esse conjunto de sensações levou à mudança de humor no país e a população a ficar mais otimista em suas avaliações econômicas, como por exemplo, em relação às expectativas quanto a inflação, emprego e renda.