segunda-feira, 21 de julho de 2014

Aeroporto na fazenda da família complica campanha do candidato Aécio.


No fim de semana (domingo), a denúncia da Folha de S.Paulo – exposta hoje por todos os demais jornalões – de que o candidato tucano ao Planalto, senador Aécio Neves (PSDB-MG) construiu quando governador de Minas, com R$ 14 milhões de dinheiro público, um aeroporto em Cláudio (MG), na fazenda de um tio-avô para uso particular de sua família, expõe bem o que é a falácia de seu governo no Estado (2003-2010).

Demonstra muito bem o que é o seu tão famoso choque de gestão que ele tanto explora na campanha como se fosse a 7ª maravilha do mundo quando, na verdade, o choque de gestão só esconde sua política neoliberal. Tão neoliberal que o senador-candidato não conseguiu até hoje – pelo contrário, foge do assunto – explicar as medidas impopulares que prometeu, em almoços e jantares reservados com empresários, implantar no país, caso se elegesse.

O aeroporto na fazenda da família do candidato é um escândalo, caso para a adoção de medidas legais e judiciais (como estuda adotar o comitê da presidenta Dilma Rousseff), quem sabe até de CPI na Assembleia Legislativa de Minas. Termina sendo marca maior dos dois governos de Aécio em Minas, do seu jeito de governar, do que o tal choque de gestão.