sábado, 30 de julho de 2016

Comando manda prender bombeira após fotos sensuais.

Foto: Reprodução / Facebook

A bombeira Lilian Vilas Boas, de Curitiba, foi punida com oito dias de prisão por ter feito um ensaio fotográfico com parte dos seios à mostra.

A determinação dos superiores — ainda não cumprida porque Lilian recorre na Justiça Militar — foi dada porque ela teria violado regulamentos do Exército e da Polícia Militar (PM) do Paraná.

As imagens foram feitas em abril para o Projeto Velvet, que, segundo o idealizador, busca a valorização feminina. “A ideia é fortalecer a beleza natural da mulher e a liberdade de poder se mostrar”, diz o fotógrafo Arnaldo Belotto.

Poucos dias após o ensaio ser publicado, as fotos circularam pelo WhatsApp e chegaram a um grupo de agentes de segurança dos Jogos Olímpicos do Rio. Lá o material foi visto por policiais que levaram o caso à corporação. Belotto diz ter sido chamado duas vezes a depor. “Questionaram como tinha acontecido, se ela tinha pago, se sabia que as fotos iam pro ar. Acabamos expondo inclusive essa hipocrisia na questão dos mamilos: bombeiros homens tiram fotos sem camisa e não são punidos”, diz Belotto.

O fotógrafo conta que outra participante, da Polícia Civil do Paraná, também fez um ensaio para o site, e pediu a retirada das fotos dias depois com medo da repercussão.

A nota de punição da bombeira, que tem 32 anos de idade e quase três na corporação, foi assinada pela tenente Gisele Machado. De acordo com a comandante do subgrupamento onde a soldado está lotada, Lilian infringiu artigos do Regulamento de Ética da Polícia Militar, o Regime Disciplinar do Exército e o Código da PM. Segundo a punição, ela transgrediu incisos do regulamento da PM que falam em “nunca denegrir ou desgastar sua imagem”, “proceder sempre de maneira ilibada na vida pública e particular” e “evitar publicidade visando a própria promoção pessoal”.

Segundo a tenente Gisele Machado, embora as imagens não façam qualquer alusão à Corporação, a militar teria cometido uma transgressão considerada média. “No nosso regulamento, vai de transgressão leve a grave, chegando a exclusão”, diz.

Procurados, a PM e o Corpo de Bombeiros informaram que “farão a reavaliação [do caso] sob todas as óticas”, caso o recurso de Lilian chegue ao comando, que não pode “emitir juízo de valor prévio” antes disso. A prisão foi ordenada pelo 7° Grupamento de Bombeiros, que abrange 30 bairros da região norte de Curitiba e 13 municípios da região metropolitana.

Pastor é preso por estuprar filha e transmitir HIV.


Um homem de 53 anos, portador de HIV, foi preso suspeito de estuprar a filha de 16 anos de idade. O pai ,que também seria pastor de uma igreja evangélica, abusava da garota desde os 7 anos de idade. O caso aconteceu em Brasília (DF).

De acordo com a Polícia Civil, todas as vezes que a mãe saía para trabalhar, a adolescente era violentada. A garota tinha medo e vergonha de contar o que acontecia, mas há dois meses confessou para uma amiga que incentivou a contar para família o que estava acontecendo.

A mãe levou a adolescente para registrar o caso na polícia, e após exame de corpo de delito foi constatado que ela contraiu o vírus HIV. Ainda segundo a PC, o suspeito já sabia que era portador do vírus há 10 anos, a mãe também adquiriu nesse meio tempo.

O suspeito vai responder por estupro de vulnerável e lesão corporal devido a transmissão de HIV.

‘Fora Temer’ interno gera exonerações no governo.



O presidente em exercício Michel Temer determinou que o processo de exonerações fosse acelerado na última semana após informações de que está sendo chamado de “golpista” dentro de alguns ministérios. Segundo interlocutores do presidente, além de desconfiar de “sabotagem”, Temer considerou “inaceitável” a existência de relatos de que integrantes de algumas pastas usavam salas de reunião oficiais para criticá-lo.

A ordem de Temer foi para que ocupantes de cargos de confiança, acima de DAS 3 (Direção e Assessoramento Superior), sem vínculo, nomeados anteriormente a sua posse, fossem desligados.

Uma das primeiras medidas anunciadas por Temer quando assumiu o poder com o afastamento da presidente Dilma Rousseff foi justamente a previsão de eliminar 4.307 cargos em comissão, funções e gratificações e a transformação de outros 10.462 cargos comissionados de Direção e Assessoramento Superior (DAS) para servidores concursados.

A medida, que tinha como objetivo mostrar austeridade econômica, estava andando a passos lentos, mas, com a ordem de Temer, segundo uma fonte do Ministério do Planejamento, uma “grande fila já está pronta para sair e vai sair rápido”.

Na Casa Civil, comandada por Eliseu Padilha, segundo uma fonte, a estimativa é de que cerca de 100 cargos sejam extintos nos próximos dias. Na última semana foi publicada edição extra do Diário Oficial dando poderes a Padilha para promover mudanças nas pastas.

O desabafo de Dilma Rousseff: “Queria deixar um legado mais positivo para as mulheres”.

Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada (Foto: Bob Wolfenson)

Primeira mulher a ocupar o cargo, recebeu Marie Claire no Palácio da Alvorada para uma entrevista em que admitiu ter cometido erros políticos, inclusive na falta de medidas feministas. Falou também sobre suas maiores dores pessoais: a morte do pai, a tortura, o câncer. Disse que tem dificuldade de chorar em momentos extremos e quer deixar, como contribuição para a história, a força da resistência feminina.


O Brasil será um país diferente no fim deste mês, depois que o Senado decidir se Dilma Rousseff deve, ou não, deixar definitivamente a Presidência da República.

Marie Claire foi a primeira revista feminina a falar com a primeira presidente mulher do Brasil. O ano era 2009 e Dilma, então ministra da Casa Civil do governo Lula, despontava como a provável sucessora do presidente da República. Sua candidatura não tinha sido anunciada e, naquela conversa, ela se apresentou como uma defensora da legalização do aborto, dizia que sentia culpa de sair para trabalhar e deixar a filha, Paula, em casa quando a menina era pequena e se enchia de orgulho ao detalhar sua atuação contra a ditadura militar. Sete anos, dois mandatos presidenciais e um processo de impeachment depois, Marie Claire voltou a falar com a presidente (afastada) da República.

Dilma recebeu nossa equipe no fim do mês de junho, no Palácio da Alvorada. Na garagem, duas bicicletas remetiam à moradora. Ao entrar em uma ampla sala de conferências onde a aguardávamos, a mineira de 68 anos vestia preto, meias finas, sapato de salto baixo, trazia um olho grego no pulso esquerdo, bijuterias douradas, e agiu como de hábito.

Foi dura com um funcionário que interrompeu a entrevista. “Presidenta, ganhamos em Porto Alegre”, disse ele na porta da sala, com relação à medida que devolvia a Dilma o direito de usar, ainda que com restrições, um avião das Forças Armadas do Brasil para se locomover pelo país. “E o que é que você quer que eu faça com essa informação?”, respondeu. “É que é uma boa notícia, presidenta”, justificou-se o assessor. “Ocê sabe que eu não ligo muito para essa coisa”, rebateu ela.

Durante a conversa, Dilma estava relaxada e bem-humorada. Falou sobre política mas esquivou-se de responder às dúvidas que rondam sua campanha na operação Lava Jato. Admitiu que cometeu erros políticos – da aliança com Michel Temer à demora em agir diante da resistência de parlamentares, então aliados, no Congresso. Indagada sobre aborto e equiparação salarial entre gêneros, fez um mea-culpa.

Da vida pessoal, lembrou a morte do pai (o advogado búlgaro Pedro Rousseff, falecido em 1962), a maior dor de sua vida. Riu das puladas de cerca do ex-marido, Carlos Araujo, seu amigo até hoje e com quem foi casada por 30 anos, e disse que, afastada do governo, pôde ficar mais perto da filha, Paula, 37 anos, e dos netos, Gabriel, 5 anos, e Guilherme, 6 meses, que vivem em Porto Alegre. A seguir, os melhores trechos da conversa.

Marie Claire - A senhora foi a primeira presidente mulher do país e ficou no poder cinco anos e meio. Por que não trouxe para o debate a questão da equiparação salarial e do aborto?

Dilma Rousseff - Cumprimos a legislação e levamos o SUS a fazer o aborto previsto em lei: quando a gravidez coloca em risco a vida da mãe, em caso de estupro e por anencefalia, o que já é dificílimo no Brasil. Não é papel do Estado brasileiro discutir a lei. Quem tem que colocar essa matéria em discussão é o movimento feminino. A grande questão nesse período foi a violência contra mulher, de estupro a assassinato. Ganhamos a Lei Maria da Penha novamente, que havíamos perdido, fizemos a Lei do Feminicídio – que tornou crime hediondo e inafiançável o assassinato da mulher pelo fato de ser mulher – e as Casas da Mulher Brasileira, que são centros de assistência e acolhimento a vítimas de violência. Além disso, quem recebe o Bolsa Família é a mulher, quem é dono do imóvel no Minha Casa Minha Vida, prioritariamente, é a mulher. É uma segurança e uma riqueza. Agora, vocês têm razão, a discussão do trabalho igual para salário igual cabe sim. É algo que tem que ser feito. Nesse sentido, atuamos na PEC das Domésticas. Nós regulamentamos a maior profissão feminina que existe hoje no Brasil e demos a ela o direito de receber contribuição.

MC - A presidente do Chile, Michele Bachelet, em seu primeiro mandato (2006-2010), criou uma lei que dava estímulo fiscal para empresas que pagavam salários iguais para homens e mulheres. Isso poderia ser feito no Brasil?

DR - Acho que sim. Essa hipótese é muito interessante. Tem de ver qual é o custo dela. A questão feminina e da diversidade já é e será uma das que vão mobilizar as pessoas para uma atuação pública. Não é trivial, é tão importante quanto o clima.

MC - Em entrevista à Marie Claire em 2009, a senhora disse que o aborto deveria ser legalizado por ser uma questão de saúde pública. No ano seguinte, em campanha contra o então candidato José Serra, mudou o discurso. Afinal, o que pensa?

DR - Como presidente não posso falar sobre isso. O dia em que sair, dou minha opinião pessoal. Agora, nessa questão, nas condições do Brasil hoje, não cabe ao Estado interferir na lei.

MC - Mas o Estado interfere na medida em que proíbe a mulher de arbitrar sobre o próprio corpo.

DR - O espaço de debate é o Parlamento ou o Judiciário. No Brasil, há uma visão do Estado de que é algo que você acorda de manhã e fala: vou mudar isso. Na democracia não é assim.

MC - A sua chegada à Presidência e o fato de ter nomeado nove ministras foram considerados avanços para o movimento feminista. A sua saída representa um retrocesso?

DR - Não. Tenho tido o cuidado de mostrar que, mesmo quando nos atacam, temos coragem para resistir. O que vivi foi reflexo de uma grande misoginia. Ou eu era muito dura e por isso não me abatia, ou vivia no mundo da lua. A mulher é sempre histérica ou descontrolada. Se você não é nenhuma dessas coisas, é um trator, não uma mulher. Isso é machismo. A mensagem por trás disso tudo é a de que a mulher é frágil. Se fosse um homem, diriam: “Ele é firme”. Tenho de mostrar que coragem não nos falta. Acho que minha missão [de vida], além de lutar pela democracia, é deixar claro que a mulher, nas piores condições, não se curva nem se entrega. Não tenho dúvidas de que queria deixar um legado mais positivo. Mas deixo o legado da resistência feminina. Vou resistir até o último momento. Não pensem que me atemorizam. Não estou embaixo da cama nem morrendo de tristeza, como gostariam. Morro é de injustiça.

MC - Como esse “morrer de injustiça” se manifesta em sua vida?

DR - Ao contrário do que possa parecer, isso me dá mais ânimo. Até por velhice [risos], estou com 68 anos. Não acredito que a vida, na real, seja um lago tranquilo. Enfrentei dois golpes no Brasil e em ambos tive uma participação efetiva. No primeiro, lutei e fui presa por três anos. Agora, estou resistindo. Também tive um câncer [linfático]. Sempre achei que a boa vida é feita de lutas que valem a pena. Claro que todo mundo fantasia: vai chegar uma hora que vai ser mais fácil, mas não é.

MC - Dá para dizer que algumas dessas situações que a senhora enumerou são piores que outras?

DR - [Faz uma pausa e pensa]. A ditadura. A tortura e a prisão daquela forma tiram a dignidade. [Os torturadores] te impõem dor para arrebentar sua dignidade. A doença, de certa forma, também faz isso, mas dentro da sua humanidade, não tentando te tirar a dignidade.

MC - Quando foi que a senhora percebeu que o presidente interino, Michel Temer, deixou de ser seu aliado?

DR - Quando ele começou a se manifestar, a fazer suas cartas e declarações. Era tudo muito óbvio. Lamento muito que ele tenha usado a estrutura da vice-presidência para percorrer o Brasil inteiro articulando uma conspiração. Fazendo um paralelo com a situação atual: sou presidente eleita, tenho todo o direito de usar o avião [das Forças Armadas do Brasil]. Quem não tinha o direito de usar o avião para ir a todos os estados conspirando contra mim era ele.

Leias mais em: http://revistamarieclaire.globo.com/Mulheres-do-Mundo/noticia/2016/07/o-desabafo-de-dilma-rousseff-queria-deixar-um-legado-mais-positivo-para-mulheres.html

Justiça condena revista 'Isto É': direito de resposta a Dilma.


Publicação terá de ceder mesmos espaços e destaques com que ofendeu a presidenta afastada e sua família. Advogados de Dilma pretendem mover outras ações contra a revista por outras publicações consideradas ofensivas.

A presidenta Dilma Rousseff ganhou o direito de resposta na Justiça Cível de Brasília, em ação movida pela Advocacia-Geral da União, contra a revista Isto É. Trata-se da primeira vitória da presidenta Dilma contra a revista, que em 1º de abril deste ano deu capa para a reportagem “Uma presidente fora de si”, assinada por Débora Bergamasco e Sérgio Pardellas. O processo corre no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios.

A revista ainda publicou, na mesma edição, o editorial “Hora da xepa no Planalto”, em que consta que a presidenta teria transformado o Planalto “numa casa de tolerância”, e que “a mandatária já havia transferido informalmente suas funções ao padrinho investigado Lula”. A revista terá de conceder o mesmo destaque, espaço, diagramação e publicidade, conforme o dispositivo da Lei 13.188/15.

“Sem prejuízo do direito inalienável à opinião e à crítica, quando a imprensa divulga, em seu espaço destinado a notícias, informações fidedignas e previamente verificadas, presta um serviço fundamental à democracia e à cidadania. No entanto, quando distorce ou inventa fatos e ofende pessoalmente aqueles que acusa, incorre em crime contra a honra e, no limite, contra o Estado Democrático de Direito”, afirma a presidenta Dilma Rousseff eu seu site.

“É o que julgo ter acontecido com a ‘reportagem’ veiculada pela revista IstoÉ, em sua edição que veio a público no dia 1º de abril de 2016. Utilizo aspas na palavra reportagem porque entendo que aquilo que foi publicado é menos do que isso. O texto, a edição e a escolha das fotos revelam uma estória falsa, eivada de agressões misóginas e machistas”, critica a presidenta.

“A ‘reportagem’ de capa desta revista me ofende, sem dúvida, por me atribuir comportamento que não condiz com minha atitude pessoal e meu temperamento. Insulta a figura institucional da Presidência da República. Estende a agressão a todas as mulheres brasileiras, guerreiras que, no seu dia a dia, enfrentam duras batalhas, muitas vezes em jornadas de trabalho duplicadas pela necessidade de cuidar da família e dos filhos, em busca de sua autonomia e de seu justo espaço na sociedade”, afirma Dilma Rousseff.

A juíza Tatiana Dias da Silva, da 18ª Vara Cível de Brasília, deu ganho de causa à presidenta Dilma Rousseff, reconhecendo o direito de resposta que a revista será obrigada a conceder. “O direito de resposta é garantido constitucionalmente no art. 5º, V: ‘é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem’”, destaca a juíza.

Na sentença, a juíza Tatiana Dias da Silva destaca que embora o alvo de IstoÉ seja a presidenta da República, isso “não autoriza qualquer meio de comunicação a divulgar deliberadamente quaisquer informações escondendo-se sob o manto do direito de informação, uma vez que tal direito tem que ser guiado pela veracidade do conteúdo publicado”. Segundo a juíza, “o direito de resposta é pautado tanto pela ampla defesa quanto pelo direito público à informação verídica”.

Os advogados da presidenta pretendem mover outras ações contra a revista IstoÉ, por novas publicações consideradas ofensivas contra a honra de Dilma e da família Rousseff, que foram alvo de duas outras reportagens publicadas em julho sobre supostas mordomias. Segundo a revista, a família de Dilma Rousseff teria recebido ilegalmente segurança e carros, no que consistira um abuso.

Na realidade, o dispositivo de segurança extensivo à família da presidenta e do vice-presidente da República é uma exigência da lei. Por conta dessas duas últimas reportagens, Isto É será processada cível e criminalmente por ofensa, infâmia e calúnia, infâmia, ofensa e calúnia.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

Justiça manda Arthur Neto retirar propaganda ilegal do Facebook.



A juíza Coordenadora da Propaganda Eleitoral, Lídia Carvalho Frota, concedeu liminar considerando irregular as postagens do pré-candidato à reeleição, Arthur Neto, visitando obras e publicando informações institucionais na página oficial na rede social Facebook. A magistrada considerou propaganda eleitoral antecipada “explícita”, ultrapassando os limites do oculto, ao utilizar a legenda @SouArthur45 tendo a intenção, sem sobrar margem de dúvidas, de criar na mente do eleitorado a pretensão do voto”. 

A juíza ordena a imediata retirada de toda a propaganda de Artur no Face, sob pena de pagamento de multa e caracterização de abuso de poder econômico. A representação foi impetrada pelo Diretório Municipal do PR e assinada pelo advogado João Bosco Lopes Maia Junior. “A Justiça deu as primeiras mostras que não tolerará o uso descarado da máquina pública a serviço da campanha de reeleição”, disse João Bosco Júnior.

A renda cidadã: uma saída viável da crise mundial - Por Leonardo Boff*


A crise econômico-financeira de 2007-2008 estremeceu os fundamentos da economia capitalista (este é seu modo de produção) e o neoliberalismo (este é sua expressão política). A tese básica era dar primazia ao mercado, à livre iniciativa, à acumulação privada, a lógica da competição em detrimento da lógica da cooperação e a um Estado mínimo. O lema em Wall Street de Nova York era: greed is good, traduzindo, a cobiça é boa. Quem olha numa perspectiva minimamente ética já podia saber que um sistema montado sobre um vício (cobiça) e não sobre uma virtude (bem comum), jamais poderia dar certo. Um dia iria implodir.

A implosão começou com a falência de um dos maiores bancos norte-americanos, o Lehman Brothers, levando todo o sistema bancário e financeiro numa incomensurável crise. Em poucos dias pulverizaram-se trilhões de dólares. Parecia o fim deste tipo de mundo. Oxalá fosse.

Curiosamente, os que desprezavam o Estado, reduzindo-o ao mínimo, tiveram que recorrer a ele, de joelhos e mãos juntas. Os bancos centrais dos Estados tiveram que despejar trilhões de dólares para salvar as instituições financeiras falidas. A máquina de fazer dinheiro rodava em máxima velocidade, dia e noite.

Houve como consequência da crise, até hoje ainda não superada, também entre nós, a quebra de milhares de empresas e até de países como a Grécia com altíssimo grau de desemprego. Destruiram-se fortunas mas mais que tudo se criou um mar de sofrimento humano, suicídios e até de fome no mundo inteiro. Dados recentes referem que nos USA uma sobre sete pessoas passa fome. Imaginemos o resto do mundo.

Ninguém seguiu a sábia sentença atribuída a Einstein: “o pensamento que criou a crise não pode ser o mesmo que nos vai tirar da crise”. Temos que pensar e agir diferente. Foi exatamente o que não se fez. Piamente se acredita ainda que este sistema continua bom e válido, a despeito da devastação ecológica que produz, pondo em risco as bases que sustentam a vida. Ele é bom e válido para os especuladores que estão acumulando uma riqueza absurda. Nos USA o 1% dos mais opulentos acumula rendas equivalentes àquela de 90% dos demais norte-americanos.

A despeito de todas as reuniões dos G-8 e G-20 para buscar alternativas, a política ecocômico-financeira continua a mesma: fazer mais do mesmo. Isso está desestruturando os países e poderá levar à uma revolta popular mundial com consequências funestas.

Duas estratégias foram usadas. A primeira foi a injeção de trilhões de dólares por parte dos Estados para impedir a falência total do sistema. Alem dos trilhões de moeda física lançada no mercado, criou-se um ocmplemento chamado quantitative easing. Na definição que me parece correta da Wikipedia:“é a flexibilização quantitative que quer dizer, a criação de quantidades significativas de dinheiro novo (geralmente electronicamente) por um banco, autorizado pelo Banco Central dentro de determinadas condições”.

Ocorre que este dinheiro novo, ao invés de ser investido na produção e na criação de empregos, foi jogado na corrente especulativa das finanças mundiais. Aqui se ganha muito mais, imediatamente, do que no investimento produtivo que demora muito mais tempo. Desta forma os ganhos vão para os já bilionários, sem solucionar a crise, ao contrario, agravando-a.

O outro expediente foram as políticas de ajustes, vindo sob o nome de austeridade. Para garantir os ganhos dos capitais, organizou-se um ataque sistemático aos direitos sociais, aos serviços públicos de saúde e de educação, ao sistema da providência e às aposentadorias. Isso se inaugurou primeiro na zona do euro e agora na mesma lógica no Brasil. Fragilizou-se a já frágil democracia e a diminuição do gasto publico está provocando recessão e desemprego.

Se tivesse havido pensamento e um mínimo de senso humanitário, uma possível saída poderia ser, aquilo que incansavelmente, vem propondo há muitos anos, o ex-senador Eduardo Matarazzo Suplicy: a renda minima cidadã. Pelo fato de alguém ser humano, tem direito a uma renda cidadã que lhe garanta uma vida digna, embora frugal. Diz um estudioso Antonio Martins:”Um cálculo do site Swiss Info, ainda em 2009, mostrou que só nos primeiros meses de socorro aos bancos, os Estados gastaram 10 trilhões de dólares; seria suficiente para pagar a cada habitante do planeta US 1422, aproximadamente R$ 4,5 mil”(cf. site Outras Palavras de 14;07/16). Seria o “quantitative easing for People” proposto pele líder trabalhista britânico Jeremy Corbyn. Esse dinheiro circularia no consumo, nos benefícios públicos e superaria o grave padecimento humano pelo desemprego e pela fome. Esta seria uma solução viável, mais ética e mais humana . Ela pode ser ainda realizada. Quem sabe, com o agravamento da crise mundial, não sejamos obrigados a esta solução verdadeiramente salvadora.

* Leonardo Boff é teólogo, filósofo.

José Ricardo visita Sindicato dos Jornalistas para solicitar propostas e sugestões para compor Plano de Governo para Manaus.


O pré-candidato a prefeito de Manaus, José Ricardo (PT), visitou na manhã de hoje (28) o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado do Amazonas (SJPAM). Em conversa com o presidente da entidade, Wilson Reis, solicitou propostas na área da comunicação e sugestões a fim de serem incorporadas ao seu Plano de Governo para a Prefeitura de Manaus.

José Ricardo relembrou que, nos últimos três anos (2013-2015), a Prefeitura de Manaus gastou mais de R$ 198 milhões em publicidade, com recursos da comunicação, enquanto foram gastos pelo Governo do Estado cerca de R$ 167 milhões nesse mesmo período, apesar de ter orçamento três vezes menor do que o executivo estadual.

"O prefeito gasta muito dinheiro com publicidade, com poucas obras nas ruas. Ele não faz propaganda de campanhas de conscientização e de prevenção, como no combate ao mosquito transmissor da dengue, da zika e da chikungunya. São apenas repasses a empresas de comunicação”, declarou o parlamentar, destacando que o gestor municipal poderia também utilizar parte desses recursos para apoiar premiações jornalísticas que incentivem reportagens sobre a cidade, sua área turística e divulgação de direitos, ajudando a melhorar a qualidade de vida da população.

Para o presidente do Sindicato, Wilson Reis, há muitas lutas da categoria que podem ser incorporadas a esse Plano de Governo, mas que ainda serão entregues posteriormente ao pré-candidato, juntamente com propostas para a melhoria da cidade. "Parabéns ao José Ricardo pela iniciativa. Temos nossas lutas, como a aprovação na Câmara dos Deputados da PEC que trata da obrigatoriedade do diploma de ensino superior para jornalistas, a criação do Conselho Federal dos Jornalistas, além de mais apoio para implementar projetos que tragam os profissionais para perto do Sindicato".

O pré-candidato ressaltou que quer construir um projeto de Governo compartilhado com a sociedade civil e as diversos órgãos, entidades e movimentos sociais. "Estamos chamando os gestores, os trabalhadores, os cidadãos para participar desse processo por querer realizar uma campanha transparente, onde todos possam definir quais as suas prioridades", declarou.

Fonte: Assessoria de Comunicação

Cardozo entrega alegações da defesa de Dilma

cardozo

Faltavam poucos minutos para o fim do expediente do Senado quando o advogado da presidenta afastada Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, entregou à Comissão Especial do Impeachment as alegações da defesa de Dilma. Cardozo não deu entrevistas nem se manifestou perante os jornalistas. A data de entrega foi adiada em um dia em atendimento a pedido feito pela equipe da presidenta.

O relator do processo, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), tem prazo até terça-feira (2) para apresentar seu relatório sobre a acusação. Com o cumprimento de mais esse rito, senadores contrários ao impeachment se articulam para ler, no dia da apresentação do relatório oficial no âmbito da comissão, votos em separado contestando a admissibilidade do processo.

A estratégia está sendo montada porque já espera, desde o início dos trabalhos da comissão no Senado, parecer pela admissibilidade do impeachment por parte de Anastasia. Os votos em separado serão apresentados por senadores do PT, PCdoB, PDT e Rede na próxima segunda-feira (1º). Nos dois documentos, segundo explicaram alguns deles, serão contestados os motivos alegados para o impedimento, citados vícios no processo e desvio de finalidade no pedido.

Para que isso seja possível, no entanto, os senadores pretendem negociar com o presidente da comissão, senador Raimundo Lira (PMDB-PB), e líderes partidários. É que o regimento interno do Senado só permite a apresentação de votos em separado no caso de rejeição do relatório. O objetivo desses parlamentares é fazer com que, mesmo que os votos em separado não sejam aceitos, sejam divulgados na comissão antes da leitura do relatório oficial – como forma de influenciar os demais integrantes antes de decidirem sobre o impeachment.

Um dos votos em separado será apresentado em conjunto por Lindbergh Farias (PT-RJ), Gleisi Hoffmann (PT-PR), José Pimentel (PT-CE) e Telmário Mota (PDT-RR). O segundo voto terá como autores Vanessa Grazziottin (PCdoB-AM) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP).

Num deles, o argumento será todo baseado em questões técnicas que reiteram o fato de a presidenta Dilma Rousseff não ter cometido crime de responsabilidade, conforme explicou hoje a senadora Vanessa Grazziotin. O outro abordará as questões políticas que interferiram no processo desde o início.

“Depois de tudo que foi apurado, não há mais dúvida. A própria perícia do Senado disse que a presidenta Dilma não atuou em pedaladas, o Ministério Público diz o mesmo sobre essa questão. E sobre os decretos, se a gente aplicar toda a legislação e a conduta dos anos anteriores, está claro, não houve dolo", afirmou a senadora.
Sem crimes

As principais alegações para sustentar o pedido de impeachment foram contestadas. Diz o documento: “Os decretos de abertura de crédito suplementar são atos comuns praticados dentro de uma rotina que existe há mais de uma década. Desde a entrada em vigor da Lei de Responsabilidade Fiscal (2001), todos os governos os praticaram, com as mesmas características com que foram editados pela nossa atual Presidenta da República. Nunca nenhum técnico ou jurista levantou a mais leve suspeita de que seriam ofensivos à lei”.

A defesa lista ainda fatos relacionados a vários atores envolvidos na crise política que desencadeou o processo de "impeachment sem crime", entre eles Eduardo Cunha, o ex-presidente de Câmara, responsável primeiro pelo início do processo, ao acolher o pedido por não ter obtido do Planalto compromisso de proteção nas ações que levaram á sua suspensão e podem levar à sua cassação e prisão.

PF prende mais um suspeito de terrorismo no Rio de Janeiro


A Polícia Federal (PF) deteve no Rio de Janeiro na noite da última quarta-feira (27), mais um homem suspeito de estar aliado ao Estado Islâmico (EI, ex-Isis), a menos de dez dias do início dos Jogos Olímpicos.

Kalauon tem 27 anos, é descente de libaneses e parece ter feito apologia ao terrorismo nas redes sociais. Ele foi detido na cidade de Nova Iguaraçu, no Rio de Janeiro.

Seu advogado, Edison Ferreira, negou as acusações. "Ele não tem ligações com grupos terroristas e não fez nada de errado contra a sociedade", disse.

Mais um suspeito

As forças de segurança brasileiras ainda estão a procura de Pouria Paykani, um iraniano de 27 anos suspeito de terrorismo que foi visto pela última vez no aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre.

Ele chegou ao País em março, vindo do Uruguai, e foi visto em mais de uma ocasião tirando fotos do aeroporto.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Fla deslancha no 2º tempo, bate América-MG.


O Flamengo segue colado no G-4 do Campeonato Brasileiro. O Rubro-negro fechou a 16ª rodada com uma vitória por 2 a 1 sobre o América-MG nesta segunda-feira (25). Os gols de Guerrero e Alan Patrick - Juninho descontou - saíram apenas na segunda etapa, quando os cariocas deslancharam depois de esbarrarem na marcação dos mineiros. A torcida viu o time chegar aos 27 pontos e subir para a 6ª posição. São apenas dois pontos de diferença para o Santos, o quarto colocado.

Na próxima rodada, o Flamengo visita o Coritiba, domingo (31), às 16h, no Couto Pereira. Já o lanterna América-MG, com oito pontos, recebe no mesmo dia o Grêmio, às 18h30, no Independência.

Eleições municipais deste ano terão 144 milhões de eleitores, assegura TSE.


Segundo dados divulgados nesta segunda-feira (25) pelo do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as eleições municipais de 2016 terão 144 milhões de eleitores aptos a votar no próximo dia 2 de outubro. Nas eleições de 2012, 138 milhões de eleitores participaram da democracia.

As eleições vão acontecer em 5.570 municípios, dos quais 92 poderão ter segundo turno, já que possuem mais de 200 mil eleitores. Em todo o país, 2,3 milhões de eleitores têm entre 16 e 17 anos e 11,3 milhões tem mais de 70 anos. Para eles, o voto é facultativo.

Ao apresentar os números oficiais do pleito, o ministro Gilmar Mendes, em entrevista coletiva à imprensa, informou que o eleitorado nacional é formado por 74.459.424 mulheres (52,13%) e 68.247.598 homens (47,79%).

domingo, 24 de julho de 2016

Diretor da Fiesp é pessoa física que mais deve à União: R$ 6,9 bilhões.


O empresário Laodse de Abreu Duarte, um dos diretores da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), é o maior devedor da União entre as pessoas físicas. Sua dívida é maior do que a dos governos da Bahia, de Pernambuco e de outros 16 Estados individualmente: R$ 6,9 bilhões. Laodse --que já foi condenado à prisão por crime contra a ordem tributária, mas recorreu-- é um dos milhares de integrantes do cadastro da dívida ativa da União, que concentra débitos de difícil recuperação.

Além de Laodse, aparecem no topo do ranking dos devedores pessoas físicas dois de seus irmãos: Luiz Lian e Luce Cleo, com dívidas superiores a R$ 6,6 bilhões. No caso desses três irmãos, quase a totalidade do valor atribuído a cada um diz respeito a uma mesma dívida, já que eles eram gestores de um mesmo grupo empresarial familiar que está sendo cobrado pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

A soma dos valores devidos por empresas e pessoas para o governo federal ultrapassou recentemente R$ 1 trilhão. São milhões de devedores, mas uma pequena elite domina o topo desse indesejável ranking: os 13,5 mil que devem mais de R$ 15 milhões são responsáveis, juntos, por uma dívida de R$ 812 bilhões aos cofres federais --mais de três quartos do total devido à União.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2016/07/18/divida-de-diretor-da-fiesp-com-a-uniao-e-de-r-69-bilhoes.htm?cmpid=tw-uolnot

MOTIVO DE PIADAS: The New York Times descobre a poesia de Temer.


O jornal The New York Times descobriu a poesia do presidente interino Michel Temer, assim como a reação a ela no Brasil. Após o lançamento de Intimidade anônima, primeiro livro do peemedebista, a população teria esboçado bocejos.“Sr.Temer, 75, um político de carreira com um comportamento tão misteriosamente cerimonioso que seus rivais o chamam de mordomo de filme de terror, aparentemente estava inspirado por um leque de assuntos”, diz a publicação norte-americana.

A reportagem segue descrevendo o teor do trabalho de Temer: “Ele discorria sobre o fim das cartas escritas na era das mensagens virtuais. Ele descreveu o prazer de um advogado após ganhar um caso. Aí teve seu desejo ardente e septuagenário – afinal de contas, havia conquistado uma noiva 42 anos mais nova do que ele”. 

Após assumir a presidência, a poesia de Temer teria atraído a atenção dos brasileiros, que tentavam decifrar o homem que repentinamente tomou o poder. Em meio à crise política, seria uma boa distração para a população, diz o jornal. Paródias do trabalho de Temer surgiram aos montes. A publicação então cita a conta no Twitter chamada “Temer Poeta”, com 32 mil seguidores, que ridiculariza a poesia do político.

É mencionado também o site de humor “Sensacionalista”, que questionou se o poema “Radicalismo”, de um único verso, havia sido escrito pelo filho de 7 anos do político, Michelzinho: “Não, nunca mais!”, escreveu o presidente interino.

A reportagem diz que o Brasil tem o precedente de líderes políticos que desejavam lustrar seus currículos com alguma produção literária, como os ex-presidentes José Sarney e Getúlio Vargas, membros da Academia Brasileira de Letras.

Fonte: http://brasileiros.com.br/2016/07/new-york-times-descobre-poesia-de-michel-temer/?platform=hootsuite

COI decide não banir Rússia da Rio 2016.

Comitê Olímpico Internacional decidiu não banir a Rússia dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Federações internacionais terão que decidir sobre participação de atletas do país

O Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiu hoje (24) não banir a participação da Rússia nos Jogos Olímpicos Rio 2016 e que caberá às federações internacionais de cada esporte a decisão sobre a suspensão ou não de atletas russos. O esporte do país enfrenta um escândalo de doping generalizado. 

A decisão, segundo o COI, foi guiada pela “regra fundamental de proteger os atletas limpos e a integridade do esporte”, segundo comunicado divulgado pela entidade. A decisão foi tomada praticamente por unanimidade, com apenas uma abstenção.

PRIMEIRA "MANCADA" DO TEMER: Delegação australiana decide não se hospedar na Vila Olímpica.

Segundo a delegação australiana, o complexo não está em condições de receber os atletas (Foto: YASUYOSHI CHIBA / AFP)

Em comunicado divulgado neste domingo (24), a chefe da delegação da Austrália Kitty Chiller afirmou que a Vila Olímpica "não é segura" para os atletas. "Em meio a vários problemas na Vila Olímpica, incluindo de estrutura, eletricidade e gás, decidi que o time da Austrália permanecerá em um hotel", afirmou.

Os representantes das delegações têm frequentado o complexo para verificar as condições do ambiente, mas a Austrália afirmou que, após trabalhar longas horas para receber os atletas, encontrou muitos problemas. Segundo Kitty, as complicações "incluem vazamento de tubulações, fiação exposta, falta de iluminação, sanitários inutilizáveis e falta de limpeza", afirma.

A Austrália já havia demonstrado preocupação com as condições das instalações ao Comitê Organizador Rio 2016 e ao Comitê Olímpico Internacional, mas os problemas não foram resolvidos de maneira satisfatória. Outros países também estão preocupados com o estado da Vila Olímpica para receber os atletas. Dentre eles, o Reino Unido e a Nova Zelândia.

"Nós temos ficado em hotéis nas proximidades, porque a Vila Olímpica não é segura o suficiente e não está apta para receber os atletas", afirma Kitty. A Vila Olímpica abriu as portas pela primeira vez na manhã deste domingo (24) para receber atletas de ao menos 14 países. A previsão é que mais de 17 mil atletas estejam divididos entre os 3.604 apartamentos durante o pico de ocupação.

Em resposta às reclamações, o presidente do Comitê Olímpico Brasilero (COB), Carlos Arthur Nuzman, afirmou que ser "natural que os ajustes sejam necessários", ainda que os jogos comecem no próximo dia 5 de agosto. "É uma das melhores Vilas da história das Olimpíadas", diz. "É um dia para se comemorar. Essa Vila é incrível, melhor que Sydney. Os ajustes que tiver, vamos fazer."

Fonte: http://epoca.globo.com/esporte/olimpiadas/noticia/2016/07/delegacao-australiana-decide-nao-se-hospedar-na-vila-olimpica.html

sábado, 23 de julho de 2016

MAIS UMA DO TEMER: O fim do Ciência sem Fronteiras!


Lançado há quatro anos como uma das principais iniciativas do primeiro governo da presidente Dilma Rousseff no campo da educação e usado como bandeira eleitoral na campanha pela reeleição, o programa Ciência sem Fronteiras está chegando a um final melancólico.

Embora afirmem que ele não será encerrado, as autoridades educacionais admitiram publicamente que a oferta de novas vagas está suspensa por falta de verbas. As bolsas dos alunos que estão no exterior continuarão sendo pagas, mas as dos estudantes que haviam sido selecionados serão canceladas. A suspensão foi anunciada por um assessor do Ministério da Educação durante sabatina no Comitê para os Direitos da Criança da Organização das Nações Unidas.

Artistas parintinenses farão parte da abertura das Olimpíadas Rio 2016


Ao todo, 76 artistas do município de Parintins, distante 369 km de Manaus, vão representar o Amazonas na cerimônia de abertura das Olimpíadas Rio 2016, marcada para acontecer no dia 05 de agosto.

A comissão da Rio 2016 esteve no município e selecionou os dançarinos, que passaram por avaliação rigorosa. O corpo de dança é composto por 73 bailarinos e mais três profissionais formam a equipe: Chico Cardoso, , coordenador geral; Erick Beltrão, coreógrafo e Herleson Maia, produtor de elenco. Eles representarão os povos indígenas, usando a indumentária artística.

A apresentação dos parintinenses poderá ser acompanhada por todo o planeta na transmissão da abertura das Olimpíadas do Rio de Janeiro.

Durante a apresentação o grupo PINDORAMA fará um espetáculo indígena com enfoque no descobrimento do Brasil. A palavra PINDORAMA é derivada do Tupi-Guarani e significa “ Terra das Palmeiras”, este seria, segundo os historiadores, o nome que os nativos chamavam as terras brasileiras.

História do município de Atalaia do Norte ganha livro



“Aprofunde seus conhecimentos acerca de Atalaia do Norte e conheça um pouco mais sobre a trajetória de vida dos personagens que muito contribuíram para o município”.

Este é um trecho da mensagem da capa do livro intitulado “O Polir da Pérola”, que relata história de Atalaia do Norte, na mesorregião do Alto Solimões, sudoeste do Amazonas. 

A “Pérola do Javari” - apelido carinhosamente dado por fazer parte do Vale do Javari - possui 61 anos de história e ganha de presente sua primeira obra literária que conta a trajetória dos cidadãos responsáveis pelo surgimento e crescimento da cidade.

O autor é o assistente social Carlos Heleno, neto de um ex-prefeito da cidade da década de 70. De acordo com ele, a iniciativa abre espaço para novos projetos que resgatem a cultura e história do lugar. 

“Atalaia do Norte a partir desse momento único passa a ter identidade e sua história relatada no livro, o que resgata e leva a conhecimento de todos verdadeiros heróis e desbravadores que acreditaram e dedicaram suas vidas para ver esta cidade crescer e se desenvolver”, ressaltou. 

Resgate cultural 

No livro, personagens que participaram da fundação da cidade como Aluízio Tenazor, José Otacílio e Amauri Veiga relembram desde a fundação, até os dias de hoje, as figuras que estão imortalizadas nas ruas, prédios, praças e costumes do povo. 

O evento de lançamento de “O Polir da Pérola” acontece neste sábado (23), às 18h30, na Igreja Evangélica Assembleia de Deus, localizada na rua Pedro Teixeira, Centro de Atalaia do Norte.

Fonte: http://www.portaldoholanda.com.br/atalaia-do-norte/historia-do-municipio-de-atalaia-do-norte-ganha-livro

sexta-feira, 22 de julho de 2016

PRIVATIZAÇÃO TEMER: Petrobras aprova venda da BR Distribuidora.


O Conselho de Administração da Petrobras aprovou nesta sexta-feira uma reformulação na busca de sócio para a BR Distribuidora, com o qual irá compartilhar o controle, como forma de facilitar a venda da distribuidora de combustíveis, informou a companhia em um comunicado.

No modelo de venda, haverá uma estrutura societária que envolverá as classes de ações ordinárias e preferenciais, de forma que a Petrobras fique majoritária no capital total, mas com uma participação de 49 por cento no capital votante.

A mudança acontece após a Petrobras concluir que as três propostas pela subsidiária não atendiam aos objetivos da empresa. Com isso, decidiu encerrar o processo competitivo que estava em curso e iniciar uma nova modalidade de venda.

O novo modelo de venda, segundo a companhia, busca maximizar o valor do negócio de distribuição de combustíveis, atender os objetivos estratégicos da Petrobras e manter a operação integrada na cadeia do petróleo.

"Será condição para a conclusão da transação que questões estratégicas para a Petrobras estejam adequadamente refletidas na estrutura da parceria", disse a empresa no comunicado.

Ataque a tiros deixa ao menos nove mortos em shopping na Alemanha

Policiais trabalham após tiroteio ocorrido em um shopping center de Munique

Autoridades de Munique relatam vários feridos; transporte público é interrompido para operação da polícia em busca por três suspeitos; ataque ocorre na mesma semana em que jovem feriu quatro passageiros em trem.

Um ataque a tiros deixou ao menos nove mortos e provocou pânico em um shopping na cidade de Munique, no sul da Alemanha, na tarde desta sexta-feira (22). O número de mortes ainda pode subir, uma vez que foram relatados diversos feridos no local. 

O Ministério do Interior do Estado da Baviera havia confirmado inicialmente que três pessoas morreram no ataque, mas posteriormente o número foi atualizado por um porta-voz da polícia de Munique, confirmando oito mortes. O corpo da nona vítima foi encontrado dentro do shopping pela polícia, que investigará agora se essa pessoa era um dos autores do ataque. A suspeita surgiu porque o corpo teria sinais de suicídio, conforme as autoridades alemãs.

A área do shopping Olympia foi isolada e a orientação é para que os cidadãos permaneçam em suas casas. Segundo a rede "ABC", todas as redes de metrô da cidade foram interrompidas após o surgimento de relatos de que um suspeito fugiu utilizando o transporte público.

Nenhum grupo reivindicou a autoria do crime, mas a polícia acredita que tenha sido uma ação terrorista. Na internet, diversos grupos ligados ao Estado Islâmico comemoraram o ataque e alguns chegaram a escrever que a ação seria uma "prévia" para os Jogos Rio 2016 – que começarão no dia 5 de agosto no Rio de Janeiro.

O caso ocorre na mesma semana em que um adolescente de 17 anos armado com um machado deixou quatro feridos em um trem em Wurzburg, na segunda-feire (18). O autor desse ataque, que teria jurado lealdade ao grupo terrorista Estado Islâmico, foi morto pela polícia alemã.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Jogos Olímpicos da Era Moderna.

Barão de Coubertin. 
No ano 1896, os Jogos Olímpicos são retomados em Atenas, por iniciativa do francês Pierre de Fredy, conhecido com o barão de Coubertin. Nesta primeira Olimpíada da Era Moderna, participam 311 atletas de 11 países, disputando provas de atletismo, esgrima, luta livre, ginástica, halterofilismo, ciclismo, natação e tênis. Os vencedores das provas foram premiados com medalhas de ouro e um ramo de oliveira.

Jogos Olímpicos e Política

As Olimpíadas, em função de sua visibilidade na mídia, serviram de palco de manifestações políticas, desvirtuando seu principal objetivo de promover a paz e a amizade entre os povos. Nas Olimpíadas de Berlim (1936), o chanceler alemão Adolf Hitler, movido pela ideia de superioridade da raça ariana, não ficou para a premiação do atleta norte-americano negro Jesse Owens, que ganhou quatro medalhas de ouro. Nas Olimpíadas da Alemanha em Munique (1972), um atentado do grupo terrorista palestino Setembro Negro matou 11 atletas da delegação de Israel. A partir deste fato, todos os Jogos Olímpicos ganharam uma preocupação com a segurança dos atletas e dos envolvidos nos jogos.

Em plena Guerra Fria, os EUA boicotaram os Jogos Olímpicos de Moscou (1980) em protesto contra a invasão do Afeganistão pelas tropas soviéticas. Em 1984, foi a vez da URSS não participar das Olimpíadas de Los Angeles, alegando falta de segurança para a delegação de atletas soviéticos.

Ex-funcionário do CIOPs é identificado como suspeito de ameaça terrorista no Amazonas

O suspeito usava Ali Oziris Lundi como nome batismo - foto: reprodução

Oziris Moris Lundi dos Santos Azevedo, 27, foi preso na operação ‘Hashtag’, nesta quinta-feira (21), por equipes da Polícia Federal (PF), em Manaus, suspeito de planejar um atentado terrorista. Conforme o secretário de Segurança Pública, Sérgio Fontes, o suspeito é ex-atendente do Centro Integrado de Operações de Segurança (CIOPS), e há alguns dias jurou fidelidade ao grupo terrorista que se denomina ‘Estado Islâmico’. O suspeito usava Ali Oziris Lundi como nome batismo.

Mandados de prisão foram expedidos pela 14ª Vara Federal de Curitiba-PR e ao todo, dez prisões temporárias, duas conduções coercitivas e 19 buscas e apreensões foram solicitadas em todo o País. A pena para acusados pode chegar a 15 anos de prisão.

A informação foi confirmada por Sérgio Fontes, durante coletiva de imprensa na manhã desta quinta. “A secretaria estava acompanhando as investigações junto à Polícia Federal. Sabíamos da atuação dessa pessoa. Não posso falar mais detalhes porque está em segredo de Justiça. Sabemos que tem mais gente sendo monitorada. Desminto que o homem seja ex-chefe de Tecnologia da Informação do Ciops, ele era apenas um atendente do órgão”, revelou Sergio Fontes.

De acordo com a PF, aproximadamente 130 policiais participam da operação “Hashtag”. As investigações, que tiveram início em abril deste ano, pretendem coibir ações de pessoas envolvidas com o grupo islâmico que articula ataques terroristas no mundo. Os investigados, devem responder na medida de suas participações, individualmente pelos crimes de promoção de organização terrorista e realização de atos preparatórios de terrorismo, ambos previstos na Lei 13.260/2016.

Embora a informação cause pânico para algumas pessoas, por conta do histórico de terrorismo divulgado atualmente na mídia, a informação foi recebida pelo presidente do Comitê Organizador Olímpico Manaus 2016, Mário Aufiero, como demonstração de preparo de órgãos de segurança do Estado e do restante do País. “Isso fortalece cada vez mais a imagem dos jogos olímpicos no mundo. Pois demonstra que a segurança está preparada e estão realmente antecipando o que poderia ser um ato terrorista durante os jogos”, disse.

Comunidade Islâmica repudia o ocorrido

De acordo com o presidente do Centro Islâmico do Amazonas, Walid Saleh, o suspeito de planejar atividade terrorista preso nesta quinta não tem nenhum tipo de ligação com a comunidade Islâmica do Amazonas.

Saleh afirma que este é um caso pontual, e que todos do Centro Islâmico estão surpresos com o ocorrido. “Um verdadeiro muçulmano ou seguidor de outra religião monoteísta não compactua com a violência e não há ligação alguma entre o que aconteceu e o Centro Islâmico”, disse Saleh destacando que o suspeito já não frequenta a mesquita há mais de dois anos.

Fonte: http://www.emtempo.com.br/ex-funcionario-do-ciops-e-identificado-como-suspeito-de-ameaca-terrorista-no-am/

quarta-feira, 20 de julho de 2016

JOGOS OLÍMPICOS: Uma disputa milenar.


Desde sua primeira edição na Era Moderna, em 1896, em Atenas, até Londres, em 2012, os Jogos Olímpicos cresceram ao ponto de se transformarem no maior evento do planeta e único capaz de reunir delegações de mais de 200 países em uma mesma cidade. Para se ter uma ideia da força dos Jogos na atualidade, nem mesmo a Organização das Nações Unidas (ONU) consegue agregar tantas nações. 

A tradição olímpica remonta há 2.500 anos e tem origem na Grécia Antiga. Naquele tempo, foram disputadas quase 300 edições, que deixaram de ocorrer tempos depois da invasão dos romanos à Grécia.

A origem

Reza a mitologia que os Jogos nasceram pelas mãos do grande Hércules, ainda na Era Antiga, por volta de 2.500 a.C., para homenagear seu pai, Zeus. Hércules teria plantado a oliveira de onde eram colhidas as folhas para emoldurar a coroa a ser usada por quem triunfasse nas competições. O termo “olímpico”, entretanto, só surgiria cerca de dois mil anos depois.

Os primeiros registros históricos das Olimpíadas datam de 776 a.C., época em que os vencedores começaram a ter seus nomes registrados. Foi nesse período que o termo “Olimpíadas” surgiu, após Iftos, rei de Ilia, aliar-se ao monarca de Esparta, Licurgo, e ao rei de Pissa, Clístenes. A aliança foi selada no templo de Hera, localizado no santuário de Olímpia. Vem daí o nome “Olimpíadas”.

Por meio desse acordo, instituiu-se uma trégua, considerada sagrada em toda a Grécia, no período em que os Jogos fossem disputados. Esse acerto era levado tão a sério que, durante a Guerra do Peloponeso (conflito armado entre Atenas e Esparta, travado entre 431 e 404 a.C.), rivais deixaram as rusgas de lado para competir nos Jogos.

Um fator climático, entretanto, limitou a realização plena dos Jogos em 776 a.C.. Um temporal desabou sobre Olímpia e impediu que a maioria das provas programadas fosse disputada. A única que se concretizou foi uma corrida pelo estádio, vencida por um cozinheiro, Coroebus de Elis. Ao completar a distância de 192,27 metros, ele tornou-se o primeiro campeão olímpico da história.

Após os Jogos de 776 a.C., ficou acertado que as Olimpíadas seriam realizadas a cada quatro anos, sempre durante os meses de julho ou agosto e em um período de cinco dias, com provas abertas aos gregos que fossem cidadãos livres e que nunca tivessem cometido crimes. Durante as décadas seguintes, a competição ganhou força e o número de modalidades chegou a dez, por volta do século 5 a.C., com provas de corrida, arremesso de disco, pentatlo, corrida de bigas, corrida de cavalos, salto em distância, lançamento de dardo, boxe, luta e pancrácio (arte marcial antiga que aliava técnicas do boxe e da luta olímpica).

As competições eram vetadas às mulheres, que não podiam nem mesmo assistir às disputas, com exceção das sacerdotisas de Dêmetra. As mulheres, contudo, tinham um torneio próprio, disputado pouco antes das Olimpíadas, no mesmo estádio de Olímpia, e que era batizado de Heraea, uma homenagem a Hera, a esposa de Zeus.

A tradição das Olimpíadas, entretanto, sofreria um duro golpe com a invasão dos romanos à Grécia, em 456 a.C.. O espírito olímpico arrefeceu com o passar do tempo e as competições passaram a ser encaradas como meros combates. Assim, a última Olimpíada da Era Antiga foi realizada em 393 a.C.. O imperador Teodósio I cancelou os Jogos, após proibir a adoração aos deuses. Terminava ali um período de competições notáveis da história grega, com 293 edições dos Jogos Olímpicos antigos.

Fonte: http://www.brasil2016.gov.br/pt-br/olimpiadas/uma-disputa-milenar

DROGAS NA ESCOLA: Papel do educador e da escola.


O objetivo da escola não se resume ao ensino dos conteúdos das matérias. Sua função alcança o desenvolvimento das crianças e dos adolescentes nas diferentes dimensões da vida.

Neste contexto, o educador tem uma multiplicidade de funções. Ao selecionar os conteúdos do ensino e ao fornecer ou construir conhecimentos, ele o faz de determinadas formas e isso já caracteriza o tipo de percepção que os alunos terão de si mesmos, da vida e dos valores.

Não é possível negar o papel do educador no desenvolvimento de posturas e comportamentos sobre os mais diferentes assuntos: vida social e familiar, cultura de paz ou de não-violência, cidadania, ética, relacionamento sexual, uso de drogas, saúde em geral, vida profissional e projeto de vida.

Refletir e posicionar-se sobre a questão do uso de drogas é parte integrante desse processo e é preciso que os educadores se preparem para esta tarefa.

Entre as instituições que têm, entre suas funções, prevenir o uso indevido de drogas, a escola ocupa um lugar privilegiado. Em primeiro lugar porque todas as crianças e adolescentes, por princípio, frequentam a escola e o fazem por um grande número de horas semanais, durante vários anos. É comprovada a influência que a escola exerce na formação das pessoas (só superada pela da família).

A NULIDADE DOS TÍTULOS DE PROPRIEDADE DOS “PAULISTAS” - Por Egydio Schwade


Por iniciativa de um vereador do município de Presidente Figueiredo, está rodando pelas comunidades do interior um Abaixo-Assinado contra uma decisão da Juíza Federal, Dra. Jaiza Fraxe. É preciso deixar claro, antes de tudo, que a decisão da Juíza pode acarretar a anulação dos títulos dos grileiros paulistas, que a muitos anos atrapalham a vida dos indígenas e agricultores das comunidades do município. São 266 títulos de 3.000 hectares cada um.

É preciso que as autoridades se coloquem a par da História do seu município. É preciso que conheçam o sofrimento imposto pela Ditadura Militar aos índios com a passagem da BR-174. É preciso que conheçam a história de sofrimento imposta às comunidades de agricultores mediante o uso de títulos nulos, herança de corrupção, para que não repitam, corroborem e continuem este sofrimento, com as mesmas atitudes e ações do século passado.

Venho acompanhando a questão desde que cheguei ao Estado em 1980 e, como cidadão amazonense, tranquilizo os agricultores. Quem tem a temer esta decisão da Juíza Federal, são aqueles que vêm perseguindo e ameaçando as comunidades. O documento da Juíza reforça a nulidade dos títulos dos grileiros paulistas, que tanto atrapalham a vida das comunidades. Está aí o exemplo da comunidade Terra Santa, no Km 152 da BR-174, que há 6 anos vem solicitando a nulidade dos títulos dos grileiros paulistas pois, um madeireiro, montado num desses documentos fraudulentos, pressiona e persegue a comunidade, com ameaças e violência. Estes grileiros e madeireiros devem temer!

O documento da Juíza demonstra a nulidade dos documentos fornecidos pelo Governador Danilo Areosa, em 1971 à pessoas sem interesse algum em investir no Estado, mas sim, em se apropriar de Bens da União e do dinheiro dos Incentivos Fiscais. O reconhecimento da nulidade desses documentos pelas autoridades competentes se vem arrastando à décadas, com a conivência dos governadores, inclusive do atual, prejudicando as comunidades indígenas e dos pequenos agricultores.

Por que são nulos os títulos dos “paulistas”? Entre outras razões:

1. Porque lhes foi negada já no dia 24 de fevereiro de 1971, pelo então Presidente da Funai, Gal. Bandeira de Mello, a “Certidão Negativa” da presença indígena. Documento, à época, exigido para qualquer empreendimento novo na Amazônia. O documento lhes foi negado, porque as terras eram ocupadas pelos Waimiri-Atroari.

2. Não bastasse isto, não houve nenhuma demarcação efetiva dessas terras para estes grileiros, ao contrário, sua delimitação foi feita apenas em escritórios e cartórios que se prestaram à ilegalidade, onde os grileiros chegaram a se apropriar até dos rios da região, como é o caso do Rio Uatumã.

3. Além disso, a lei de terras do Estado do Amazonas, de 1959, determina que as terras concedidas ou vendidas pelo Estado, deveriam ser ocupadas com cultura efetiva. Mas, como sabemos, nenhum grileiro ocupou a terra.

4. Esses títulos foram adquiridos com evidente intensão de fraudar o Estado. É o caso dos títulos de lotes localizados sobre o futuro lago de Balbina. Foram concedidos quando os trabalhos da Hidrelétrica já estavam projetados. Os grileiros paulistas visaram apenas obter vantagem indenizatória com o enchimento do lago.

A pretensão dos índios é a mesma que a das comunidades, ou seja, a declaração de nulidade dos registros de propriedade desses grileiros “paulistas”. Assim, a campanha do vereador, confrontando o documento da Juíza Fraxe, está fora da realidade ou de interesse politico. Não se pode imaginar que uma autoridade deste município não tenha conhecimento do sofrimento imposto às comunidades nos últimos anos, pela ação dos “laranjas” desses “paulistas”. As terras da União e do Estado estão sendo saqueadas, sem favorecer devidamente a população local, como é o caso da Mineração Taboca e da Fazenda Cristo Rei.

A comunidade Terra Santa é um caso exemplar das injustiças que pesam sobre as comunidades, vitimas daqueles títulos nulos. Quando a comunidade já estava há 9 anos instalada, um madeireiro teve acesso aos documentos dos “paulistas”. De posse do documento e protegido da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, o madeireiro se tornou um perseguidor da comunidade. Entrou na Justiça Estadual onde conseguiu mandado de despejo da comunidade Terra Santa. Esta iniciou então uma luta para reverter o mandado, luta que continua até hoje e em meio a qual já foram injustamente despejados as mais esclarecidas lideranças, inclusive, o seu Presidente, Valdomiro Machado. Sempre buscando a verdade, se dirigiram aos órgãos públicos afins: Polícia (onde já registraram mais de 20 BOs de queixas contra o madeireiro), Defensoria, MPF, Corregedoria e Procuradoria Geral do Estado... onde obtiveram provas suficientes para continuar a sua luta contra as pretensões do madeireiro da Fazenda Cristo Rei. Hoje, o madeireiro, assina o abaixo-assinado, camuflado, em pretenso defensor dos direitos da comunidade, usando a comunidade como “bucha de canhão” contra a decisão da Juíza Federal. Sua assinatura está aí porque de fato é o único interessado na manutenção dos títulos dos “paulistas”. O Abaixo-assinado é uma estratégia para a manutenção da ilegalidade.

Em verdade, a Juíza Jaiza Fraxe, desencadeou um processo de reconquista das terras afetadas pela herança maldita de um período de ocupação fraudulenta que atingiu duramente todo o povo, não somente da Amazônia, mas de todo o país. De um lado a Lei dos Incentivos Fiscais e do outro a transferência das terras para ladrões profissionais.

Por isso, é preciso que continue a luta dos Waimiri-Atroari e de seus aliados, bem como das comunidades do interior do município de Presidente Figueiredo. Todos juntando forças pela anulação dos títulos dos grileiros paulistas, herança da violência e da corrupção do Regime Militar e hoje servindo aos saqueadores das riquezas naturais, em especial, a madeira e os minérios, além serem instrumentos de perseguição das comunidades rurais.

A iniciativa da Juíza Federal, Jaiza Fraxe, corroborada pelos estudos de outros órgãos públicos, como as Defensorias, o MPF, Corregedoria e Procuradoria Geral do Estado, se reveste no momento de particular importância na luta das comunidades rurais e indígenas. A iniciativa exige que as terras griladas retornem a seu destino original, como terras da União ou do Estado, de onde foram roubadas. A nulidade dos títulos leva a discussão sobre essas terras a novos patamares para lhes dar o destino justo.

Fonte: http://urubui.blogspot.com.br/

Cunha organizou encontro ‘secreto’ entre Temer e empreiteiro.


Segundo o jornal "O Globo", 3 reuniões não constaram na agenda oficial de Temer. Em encontro, empreiteiro anunciou doação de R$ 11,4 milhões ao PMDB.


O ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), organizou, de acordo com o jornal “O Globo”, ao menos três encontros do então presidente do grupo Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo, com Temer.

As reuniões, secretas, não constaram na agenda oficial. Durante um dos encontros, o empreiteiro anunciou uma doação no valor de R$ 11,4 milhões ao PMDB.

A assessoria de Temer confirmou apenas um dos encontros, que teria sido realizado em 2014, a três meses das eleições. As razões para não terem incluído a reunião na agenda oficial do vice seriam “técnicas”. 

As informações foram obtidas pela Polícia Federal a partir de uma perícia feita em um dos celulares do executivo. “O conjunto de mensagens mostra intimidade de Azevedo com Cunha”, diz a reportagem.

“Em dezenas de conversas entre 2011 e 2014, eles acertaram mudanças “em segredo” de textos legislativos, encontros e até pagamentos a serem realizados em contas do PMDB e de empresa de Cunha”, continua a matéria do jornal “O Globo”. 

Cunha está suspenso do mandato parlamentar por decisão unânime do STF, que já recebeu também duas denúncias contra o deputado e analisa um terceiro pedido de abertura de processo por parte da Procuradoria-Geral da República (PGR).

Propina

Reportagem publicada pelo jornal “Folha de S. Paulo” também abordou suposta propina ao Temer. Segundo a matéria, o interino Michel Temer (PMDB) recebeu R$ 5 milhões do dono da OAS, José Adelmário Pinheiro, o Leo Pinheiro.

terça-feira, 19 de julho de 2016

ORIGEM DOS JOGOS OLÍMPICOS.


A prática esportiva, bem como uma série de outras práticas desenvolvidas pelo ser humano, possuía nas civilizações antigas um fundamento religioso. Os Jogos Olímpicos, por exemplo, hoje em dia bastante popularizados em razão do resgate que deles foi feito peloBarão de Coubertin, na década de 1890, não fogem à regra. A origem de tais jogos ocorreu na cidade de Olímpia, uma das cidades-estado da Grécia, por volta do século VIII a.C.

Na antiga Grécia, quatro grandes festivais religiosos eram celebrados com jogos esportivos: os Píticos, dedicados ao deus Apolo e realizados no santuário de Delfos; os Ístmicos, realizados no santuário de Corinto e dedicados ao deus Poseidon; os Nemeus, realizados em Nemeia, no santuário de Zeus e a ele dedicados; e, por fim, os Olímpicos, que eram realizados em Olímpia e também dedicados a Zeus.

Hércules, segundo a mitologia grega, é considerado o fundador dos Jogos Olímpicos. Filho de Zeus com uma mortal, Hércules foi desafiado pela deusa Hera a cumprir doze trabalhos considerados irrealizáveis. O quinto deses trabalhos consistia em limpar os currais do rei Áugias, da cidade de Élis. Segundo o mito, os currais eram habitados por milhares de animais e não era limpo há cerca de 30 anos.

Hércules, após conseguir realizar o penoso trabalho, decidiu comemorar o feito inaugurando jogos esportivos em homenagem ao seu pai, Zeus. Tais jogos teriam sido realizados pela primeira vez no santuário de Zeus em Olímpia e, por isso, recebido o nome de “Olímpicos” ou, simplesmente, Olimpíadas. A narrativa mitológica à parte, de fato em Olímpia os jogos esportivos foram bastante intensos, com periodicidade de quatro anos e por cerca de cinco séculos.

Modalidades esportivas das antigas Olimpíadas

Muitas das modalidades esportivas da antiga Grécia eram bastante parecidas com as atuais. Outras, por sua vez, era radicalmente diversas.

Entre as que se assemelhavam às que são praticadas hoje, havia, por exemplo, as corridas a pé (chamadas de drómos), que se dividiam em categorias, cada qual variando conforme a distância e o tempo percorrido. A atual corrida de revezamento de bastão deriva, por exemplo, da corrida em que se revezava uma tocha acesa. Havia ainda o pentatlo – que também é praticado hoje, mas com modificações –, lançamento de discos e dardos e modalidades de luta.

Entre os esportes que diferem dos atuais, havia a corrida com armadura de combate, chamada de hoplitodromía; as corridas com carros de combate de tração animal, como as bigas (puxadas por dois cavalos) e as quadrigas (puxadas por quatro cavalos); e, por fim, lutas como o pancrácio, que consistia em algo próximo ao “vale-tudo”. Nessa modalidade de luta sem regras, os competidores beiravam a morte e eram permitidos socos, cabeçadas, cotoveladas, torções, estrangulamentos etc.

Fonte: Cláudio Fernandes

CUIDADOS COM A VISÃO: 'Janela do corpo".


A visão é o mais valioso de nossos sentidos. Com freqüência ouvimos dizer que o olho é a "janela do corpo". Existem alguns males que afetam este órgão ou o processo visual de alguma forma.

Na Gravidez - Toda mulher deve seguir corretamente o pré- natal, evitando assim, problemas de visão (e outros) da mãe e do bebê que vai nascer. Se doenças como a rubéola e a toxoplasmose, afetarem as mães até o 3º mês de gravidez, podem prejudicar também a criança, acarretando problemas neurológicos e de cegueira. 

Em Bebês - Os bebês podem ser afetados pela conjuntivite, logo nos primeiros dias de vida. Se os pais perceberem qualquer sintoma como vermelhidão, irritação, lacrimejamento, devem levar o bebê ao especialista o mais rápido possível.


Na Infância - A infância é uma fase importante do desenvolvimento, pois é nela que muitas doenças podem ser detectadas e tratadas. A criança vai desenvolvendo a visão desde o seu nascimento, até uma visão completa, aos 7 anos de idade.O primeiro exame deve ser realizado aos três anos, se não aparecerem sinais antes disto.

DEFEITOS DA VISÃO 


Miopia 

A Miopia é a condição em que os raios de luz são focalizados antes de atingirem a retina. O míope enxerga bem os objetos próximos e, quando tenta focalizar algo mais afastado, procura forçar a vista na tentativa de reduzir a distância. Por isso, para enxergar um ponto mais distante, o míope aperta os olhos. A miopia mais comum é a axial, que se caracteriza pelo olho ser maior que o normal.

Hipermetropia 

A Hipermetropia é a condição inversa à miopia, em que os raios de luz são focalizados após a retina. A Hipermetropia mais comum é a axial, que se caracteriza pelo olho ser menor do que o normal. O hipermétrope vê melhor os objetos distantes. Pode- se observar que quem tem este problema costuma colocar o jornal a certa distância para poder lê-lo.

Astigmatismo 

O Astigmatismo é um defeito causado pela refração diferencial dos raios de luz. A córnea normal é um segmento perfeito, como uma esfera. A córnea de um astigmata apresenta diferentes raios em sua curvatura. Em lugar de um ponto focal, existirão dois, e, por isso, o indivíduo não conseguirá focalizar simultaneamente, num mesmo plano, tudo o que vê. Os astigmáticos geralmente queixam-se de dor de cabeça, dores constantes no globo ocular, sensação de peso e queimação nos olhos.

Estrabismo - O Estrabismo ou vesguice, como é conhecido popularmente, é a condição onde ambos os olhos são desviados do eixo central. É provocado pelo enfraquecimento dos músculos oculares, ou por algumas doenças graves.

Daltonismo - é uma rara perturbação da visão colorida, determinada geneticamente, caracterizada pela falta de reconhecimento de uma ou várias cores.

Presbiopia ou vista cansada - é uma condição normal onde, principalmente indivíduos acima de 40 anos, têm dificuldade para ler ou enxergar objetos muito próximos (a menos de 45 cm de distância). Esta condição é corrigida com óculos de leitura.

Ambliopia - é uma situação onde a visão da criança não se desenvolve, tornando-se fraca em um olho, ou mesmo nos dois olhos (olho preguiçoso).

Fontes: Ministério da Saúde