segunda-feira, 30 de junho de 2014

Alemanha sofre, mas supera a Argélia na prorrogação por 2 a 1.


Foi muito mais sofrido do que a grande maioria dos germânicos certamente imaginava. Em um jogo onde chegou a tomar sufoco em determinados momentos, a favorita Alemanha precisou da prorrogação para bater a Argélia por 2 a 1 e chegar às quartas de final da Copa do Mundo. Schurrle e Özil marcaram para os alemães. Djabou descontou para as raposas do deserto no último lance do jogo.

A Alemanha teve imensas dificuldades ao longo de toda a partida. Mesmo fechada, a Argélia foi mais objetiva com a bola nos pés, e criou várias chances de real perigo nos 20 minutos iniciais. Os alemães só passaram a ser presentes no ataque e encontrar espaços na segunda metade da etapa inicial, mas tinham dificuldades diante da bem postada retaguarda argelina.

No segundo tempo, o panorama não foi muito diferente. A Alemanha teve problemas de criação e só foi criar chances após os 30 minutos, depois de sofrer com alguns contra-ataques da Argélia. A partida acabou indo para a prorrogação, onde os alemães marcaram seu gol logo no começo e a partir de então administraram a vantagem. Özil ampliou aos 14, mas Slimani descontou aos 16, em um final emocionante no Beira-Rio.

A Argélia está eliminada, mas saiu do Beira-Rio aplaudida de pé pelo empenho demonstrado em campo. Classificada, a Alemanha agora enfrentará a França nas quartas de final – deste confronto sairá o adversário de Brasil ou Colômbia na semifinal. A partida ocorrerá sexta-feira, no Maracanã, às 13h, horário de Brasília.

Fonte: http://www.gazetaesportiva.net/noticia/2014/06/copa-2014-brasil/alemanha-sofre-mas-supera-a-argelia-na-prorrogacao-por-2-a-1.html

Convenção confirma Braga ao governo do Amazonas.

PMDB confirma dez candidatos a deputado federal para o pleito deste ano

O PMDB escolheu um clube na zona norte, o Manaus Show Clube, para realizar a convenção que homologou o nome do senador Eduardo Braga para a disputa pelo governo do Estado.

O senador dividiu as atenções com a candidata a vice-governadora, a deputada federal Rebecca Garcia (PP). O grupo tem ainda o deputado federal Francisco Praciano (PT) como candidato ao Senado.

Com o discurso de renovação, Braga enalteceu a presença em sua chapa da deputada Rebecca e do vice-prefeito de Manaus, Hissa Abrahão (PPS). Outro nome constantemente lembrado por Braga é o da presidente Dilma Rousseff (PT), a quem apoiará no Amazonas. “Com experiência e renovação vamos continuar mudando o Amazonas e o Brasil”, afirmou.


Braga concorrerá ao governo com a coligação intitulada ‘Renovação e Experiência’ que conta com PMDB, PP, PT, PTB, PDT, PCdoB, PRB e PPS.

O presidente nacional do PMDB e senador pelo Estado de Rondônia, Valdir Raupp, acompanhou a convenção estadual do partido no Amazonas. “Muitos disseram que a gente não era capaz de formar uma grande aliança, mas quando Deus e o povo estão do mesmo lado, tudo dá certo”, disse Braga em seu discurso.

Na manhã desta segunda, Eduardo Braga participou da convenção estadual do PPS, na qual o partido político confirmou o apoio à candidatura do senador.

Fonte: http://new.d24am.com/noticias/politica/convencoes-confirmam-melo-braga-disputa-pelo-governo-amazonas/115079

França pressiona no fim, derrota Nigéria e garante vaga nas quartas.


França e Nigéria entraram em confronto pela primeira vez na história das Copas nesta segunda-feira, às 13 horas (de Brasília) em busca de uma vaga nas quartas de final do Mundial do Brasil. Os Bleus queriam confirmar o favoritismo enquanto os africanos estavam em busca de um feito histórico. No Estádio Nacional Mané Garrincha, os europeus, após pressão no fim do jogo, conseguiram vencer os adversários por 2 a 0.

O primeiro tempo foi disputado, as duas equipes tiveram chances de gol. Aos 18 minutos, a Nigéria teve um gol anulado por impedimento Emenike. Enquanto isso, a os franceses chegaram ao ataque com perigo com jogadas de Giroud e Benzema.

Na volta dos vestiários, o jogo permaneceu concorrido. As duas equipes tiveram chances incríveis de gol. Os dois técnicos fizeram alterações: A Nigéria por lesão e a França por questão tática. Benzema teve a melhor oportunidade aos 24 minutos, quando a bola estava chegando ao gol, mas Moses tirou na linha. Logo em seguida, os franceses acertaram um chute na trave. Após tanta pressão francesa, o gol saiu aos 34 minutos, com Pogba. A vitória foi selada aos 46, com um gol contra.

Com o resultado, a França enfrenta Alemanha ou Argélia. O duelo entre os germânicos e argelinos acontece ainda nesta segunda-feira, no estádio Beira-Rio, às 17 horas (de Brasília). Enquanto isso, a Nigéria se despede da Copa do Mundo do Brasil.

Fonte: http://www.gazetaesportiva.net/noticia/2014/06/copa-2014-brasil/franca-pressiona-no-fim-derrota-nigeria-e-garante-vaga-nas-quartas.html

Garantido é bicampeão do Festival de Parintins.

Diretoria do Garantido comemora o bi-campeonato

O Boi-Bumbá Garantido conquista seu 30º título no Festival Folclórico de Parintins e se sagra bicampeão em 2014, após derrotar o Boi Caprichoso por 14,5 pontos de diferença. Na somatória das duas noites, o Garantido levou vantagem com 838 pontos e o Caprichoso teve 823,5 pontos.

Depois da chuva torrencial que caiu sobre Parintins e atrasou em duas horas o início da última noite do festival, a terceira noite não foi pontuada pelos jurados, uma vez que alegorias foram danificadas e as performances dos bois foram suprimidas para resguardar a segurança dos brincantes.

A apuração ocorreu na manhã desta segunda-feira (30), no bumbódromo. As notas dos seis jurados que vieram dos estados da Paraíba, Sergipe e Paraná foram computadas e anunciadas pela comissão, presidida pela Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas (SEC-AM). Os seis jurados avaliam o desempenho de 21 itens, divididos por bloco musical, bloco cênico/coreográfico e bloco artístico.

Os dois bois foram punidos por usar indevidamente fogos de artifício. Enquanto Caprichoso perdeu quatro pontos, o Garantido perdeu um, de acordo com decisão da comissão julgadora. Depois do anúncio, o presidente do Caprichoso, Joilto Azêdo, se retirou do local de apuração, indignado, dando como certa a derrota do seu boi por considerar a decisão injusta.
 
Garantido

Apostando no tema “Fé”, o bumbá Garantido emocionou toda a nação vermelha e branca durante suas três apresentações no Festival Folclórico de Parintins. Na primeira noite, intitulada “Amazônia, fé e celebração”, o boi da Baixa de São José abordou a fé desde o seu conceito básico. Tendo como subtema “Parintins de fé cabocla”, a segunda noite foi uma homenagem para o município de Parintins, passando pela a história dos Parintintins, tribo que deu origem ao nome da cidade. Com enredo falando sobre a Fé e a brasilidade do sincretismo religioso, o boi encerrou o festival destacando a diversidade cultural, seus sentimentos e patriotismo.

 

A apresentação fechou com chave de ouro as participações da Sinhazinha, Ana Luisa Faria, da Rainha do Folclore, Patrícia de Góes, e da Cunhã-poranga, Tatiane Barros, que se despedem da arena dando lugar às próximas gerações dos itens femininos no Boi Bumbá Garantido.

Fonte: http://acritica.uol.com.br/especiais/Apuracao-Festival-Folclorico-Parintins_0_1166283369.html

“A grande imprensa age como partido político”, diz Fernando Morais.

Fernando Morais defende o governo Dilma e acusa a grande imprensa de agir como um partido político

Fernando Morais é um dos jornalistas mais engajados politicamente no Brasil. Nascido em 1948, na cidade mineira de Mariana, fez carreira em São Paulo atuando nas redações do Jornal da Tarde, da Veja, da Folha de S. Paulo e da TV Cultura. Nessa entrevista, ele confirma que não vai mais escrever biografias.

“Dá muito trabalho e pouco dinheiro. Assim que terminar o livro que estou escrevendo sobre o ex-presidente Lula, penduro as chuteiras”, assegura. Fernando fala ainda sobre vários temas: política, governo Dilma, regulação da mídia, marco civil da Internet, espionagem americana e utopias.
Você acha que Dilma fez um bom ou mal governo?

Fernando Morais - Fez, sim, um ótimo governo. Tenho objeções pontuais com relação à descontinuidade de políticas importantes implantadas por Lula, como a política externa e a democratização da aplicação dos recursos de publicidade das empresas estatais.

A mídia conservadora é desonesta?

Toda generalização é perigosa. Eu diria que muitos veículos da mídia conservadora se converteram em partidos políticos. Disfarçados, mas partidos políticos. Mas acho que devemos tratar de maneira diferente os veículos de papel daqueles que são fruto de concessão pública. Não devemos perder de vista que a imprensa está sempre a serviço dos interesses e da ideologia de quem paga as contas no final do mês. Seja em Washington, em Havana, no Rio ou em Beijing. No caso dos meios eletrônicos de comunicação, como o rádio e a TV, no entanto, é preciso ressaltar que se trata de uma propriedade social, uma concessão pública que não pode, por exemplo, ser colocada a serviço de interesses antinacionais.

O que pensa sobre a regulação da mídia?

Sou e sempre fui a favor. Jornais, revistas e TVs vêm envenenando e confundindo a opinião pública ao associar regulação à censura. Regulação, como existe em outros países, é impedir propriedade cruzada: quem é dono de concessão de TV não pode ser concessionário de rádio nem dono de jornal e revista; é proibir parlamentares e seus parentes de enésimo grau de serem concessionários de rádio e TV; é discutir com a sociedade a renovação das concessões de rádio e TV. Nada de censura.

Como vê a regulação da mídia na Argentina?

O modelo da Argentina foi muito bem sucedido. Lá a Ley de Medios atacou fundo a propriedade cruzada. O império encabeçado pelo jornal Clarín foi obrigado a se desfazer de ativos para continuar sendo concessionário de meios eletrônicos.

A grande imprensa age como quarto poder?

Não. Age como partido político. Meio envergonhada, porque não tem coragem de assumir isso, mas age como partido político. De direita.

O que pode ser feito para incentivar a pequena imprensa?

Primeiro que ela seja boa, legível e que traga notícias que são escamoteadas pela grande imprensa. As medidas implantadas pelo ministro Franklin Martins, no governo Lula, pulverizando as verbas de publicidade estatais entre milhares e milhares de veículos – verbas que antes eram destinadas apenas à mídia conservadora - foram uma transformação importante na democratização das comunicações.

Como viu a espionagem americana revelada recentemente?

A bisbilhotice planetária por parte dos Estados Unidos é mais velha que a Sé de Braga. No final dos anos 90, quando o FBI prendeu cinco cubanos na Flórida, condenando-os a penas enormes (um deles pegou duas perpétuas), Fidel Castro reagiu: “É assombroso que os Estados Unidos, o país que mais espiona no mundo, acusem de espionagem justamente a Cuba, o país mais espionado do mundo. Não há chamada telefônica minha para qualquer dirigente político no exterior que não seja captada e gravada por satélites e sistemas de escuta dos Estados Unidos”.

Qual será o papel de Lula nestas eleições?

A presença de Lula na campanha será importante não só porque ele se converteu na mais expressiva liderança popular do Brasil. O governo Dilma é a continuação do seu governo. Tenho acompanhado o ex-presidente em suas andanças pelo Brasil e pelo mundo, como parte do trabalho de campo de um livro que escreverei sobre ele e seu governo. Nas eleições municipais de 2012 a presença dele em palanques regionais arrebatava multidões e alterava as pesquisas de opinião locais. Ter o apoio de Lula é um handicap (vantagem) cobiçado por todo candidato de esquerda.

Confere que não vai mais escrever biografias?

Confere. Como dizem os tucanos, cansei. Dá muito trabalho e pouco dinheiro – ao contrário do que imagina o Roberto Carlos. Assim que terminar o livro que estou escrevendo sobre o ex-presidente Lula, penduro as chuteiras.

Quais são seus projetos?

Estou desenvolvendo com o cineasta Claudio Kahns um canal internacional de notícias para a internet. Vamos ver se dá certo.

Tem alguma utopia?

A de sempre: a construção do socialismo.

Fonte: http://www.vermelho.org.br/noticia/244943-11#.U7F9Txgk3Xc.facebook

Dilma e a Copa: “Somos capazes, fora e dentro do campo”.


A presidenta Dilma Rousseff aceitou o convite da FIFA e vai entregar a taça ao campeão da Copa do Mundo, no dia 13 de julho, seguindo a tradição sempre cumprida em outros países que sediaram o evento. Durante a cerimônia de anúncio de investimentos em mobilidade urbana para a Baixada Santista, em São Paulo, nesta 5ª feira (ontem), ela confirmou sua ida à partida final no Maracanã e ressaltou o sucesso do Mundial.

“A Copa tem que ser um orgulho para nós, porque o Brasil e o povo brasileiro estão demonstrando que somos capazes, fora do campo e dentro do campo, de fazer uma Copa como se deve fazer, no padrão Brasil”, destacou a presidenta que, a despeito de todo o pessimismo com que martelaram o evento durante meses, sempre previu e prometer realizar no Brasil a “Copa das Copas”. Ontem a chefe do Estado exaltou, ainda, a boa hospitalidade do povo brasileiro que vem recebendo os turistas de braços abertos.

Já sobre a classificação de várias seleções latino-americanas no Mundial, a presidenta Dilma brincou, afirmando que a Copa do Mundo está se transformando em “Copa da CELAC” – da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos. “Sem desfazer dos demais países, porque nós somos os que recebem, e os que recebem têm de receber todos com esse calor e gentileza que o povo brasileiro é capaz, com essa capacidade (brasileira) de procurar a pessoa para ajudar em qualquer circunstância”, complementou.

Mais quatro integrantes da AP 470 recebem autorização para trabalho externo.


Na esteira da autorização do semiaberto e para trabalho externo concedido ao ex-ministro José Dirceu esta semana – ele começa a trabalhar no escritório de advocacia José Gerardo Grossi, na próxima – e conforme autorização do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) quando decidiu a respeito na última 4ª feira, o ministro relator dos recursos da Ação Penal 470 (AP 470) Luís Roberto Barroso, assinou autorização idêntica para outros quatro integrantes desse processo.

Além do ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, também reconquistaram autorização para realizar trabalho externo os ex-deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Corrêa (PP-PE) e o ex-tesoureiro do extinto PL, Jacinto Lamas. Barroso negou o pedido de Romeu Queiroz, que queria trabalhar em sua própria empresa, e o de Rogério Tolentino, que solicitou autorização para trabalhar com Queiroz.

A maioria dos quatro que receberam autorização agora, inclusive Delúbio, já trabalhavam fora há várias semanas quando tiveram a medida revogada pelo presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa. E os jornalões? Estão editorializando tudo e noticiando as autorizações como a “concessão” de um “benefício” aos sentenciados.

Definitivamente não é. A legislação e jurisprudência firmadas nos últimos 15 anos (desde 1999) pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabelecem que sentenciados a regime semiaberto, desde que apresentem bom comportamento e preencham outros requisitos, podem realizar trabalho externo antes do cumprimento de 1/6 da pena, pretexto invocado pelo ministro Barbosa para negar-lhes o direito.

Educação: Pesquisa revela perfil de professor do ensino fundamental e diretor de escola no Brasil.


Segundo a Pesquisa Internacional sobre Ensino e Aprendizagem (TALIS), realizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e coordenada no Brasil pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), no Brasil, 94% dos professores dos anos finais do ensino fundamental concluíram o ensino superior (contra 89% da média dos outros países estudados) e mais de 95,1% dos professores acreditam que podem ajudar os alunos a pensar de forma crítica.

A Pesquisa coletou dados por amostragem no ano de 2013 em 34 países (24 países da OCDE e mais 10 países parceiros: Brasil, Bulgária, Croácia, Chipre, Emirados Árabes Unidos, Letônia, Malásia, Romênia, Sérvia e Singapura) e ouviu mais de 106 mil professores do que corresponderia aos últimos anos do ensino fundamental no Brasil (6º a 9º ano).

No Brasil, a amostra foi composta por 14.291 professores de 6º a 9º ano do ensino fundamental e 1.057 diretores de 1.070 escolas, com o objetivo de comparar internacionalmente a opinião de professores e diretores sobre desenvolvimento profissional, condições de trabalho, crenças e práticas de ensino, apreciação do trabalho dos professores, feedback e reconhecimento do trabalho, além de questões sobre liderança, gestão e ambiente de trabalho. Segundo o INEP, os dados da pesquisa serão incorporados aos dados do Censo Escolar e das avaliações nacionais, a fim de permitir uma melhor descrição da situação educacional no país.

Segundo a pesquisa, o professor típico brasileiro é do sexo feminino (71%, contra 68% na média dos outros países em 2013 e 73% de média brasileira em 2008), tem 39 anos de idade (contra média de 43 nos outros países) e em média 14 anos de experiência no magistério (contra 16 de média nos outros países). Mulheres também são maioria em cargos de direção no Brasil (75% contra 49% na média nos outros países). A maior parte dos professores entrevistados (88%) participou de algum programa de desenvolvimento profissional nos 12 meses anteriores à pesquisa.

No Brasil, os docentes passaram, em média, 21 dias em treinamento em organizações externas, contra média de 7 dias nos outros países. A pesquisa mostra também uma diminuição de 51% para 40%, de 2008 para 2013, no Brasil, de professores contratados em tempo integral, com correspondente aumento nas contratações a tempo parcial. Ainda, 76,5% dos professores têm contratos por tempo indeterminado no estabelecimento de trabalho, contra a média do país de 74% em 2008 e a média de 82,5% nos outros países. Os professores brasileiros estão entre os que passam o maior número de horas por semana ensinando: 25 horas semanais contra a média de 19 horas nos outros países. Por outro lado, relatam investir 20% do tempo de aula mantendo a ordem em sala, contra a média de 13% nos outros países.

Quanto às percepções dos professores, no Brasil, 86,9% dos professores dizem estar de modo geral satisfeitos com o trabalho e apenas 13,5% se dizem arrependidos de terem optado pelo magistério. A pesquisa também aponta que 60% dos professores brasileiros declararam ter grande necessidade de desenvolvimento profissional na área de ensino para alunos com necessidades especiais, o maior percentual entre os países pesquisados. Também segundo a pesquisa, 18,4% dos professores brasileiros concorda

PMs de SP mataram 10 mil pessoas em 19 anos - por André Caramante.


Policiais militares mataram 10.152 pessoas no estado de São Paulo nos últimos 19 anos (julho de 1995 a abril 2014) – o equivalente à população de uma cidade como a paulista São Luiz do Paraitinga, interior do estado. Levantamento feito pela reportagem indica que, em média, 45 pessoas foram mortas por PMs a cada mês no Estado, num cenário em que os policiais também são vítimas – cinco foram assassinados por mês no período.

O mesmo levantamento mostra que a política de segurança pública vigente nestas duas décadas não conseguiu baixar o número de civis mortos por policiais, pelo contrário: se nos cinco primeiros anos a média de mortes por 100 mil habitantes foi de 0,89, nos últimos cinco, chegou a 1,17 – alta de 31,5%, considerando-se as mortes provocadas por PMs ocorridas apenas durante o horário oficial de serviço.

Desde 1995 (quando a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo passou a divulgar dados estatísticos sobre a violência no Estado), foram registradas 8.277 mortes provocadas por PMs durante o trabalho de policiamento e outros 1.875 casos fora do serviço oficial – a maior parte em “bico” (serviço extra-corporação) de segurança particular ou em situações como brigas de trânsito, de bar, entre vizinhos, crimes passionais e etc.

Os dados são provenientes do Setor de Inteligência e da Corregedoria da Polícia Militar, órgãos oficiais da PM. Paradoxalmente, esses dados diferem das estatísticas trimestrais divulgadas pela Secretaria de Segurança Pública. A diferença observada decorre do fato de os dados divulgados trimestralmente pela secretaria omitirem as mortes cometidas fora do expediente. Com essa imprecisão, a real dimensão sobre os óbitos causados pelos integrantes do braço armado do Estado fica prejudicada, assim como o aperfeiçoamento das técnicas policiais.

Nas informações oficiais divulgadas pela pasta em seu site, os homicídios dolosos cometidos por PMs fora do trabalho acabam na vala comum das estatísticas dos assassinatos cometidos por qualquer cidadão. Como grande parte dessas mortes é cometida com armamento do Estado, muitas vezes em decorrência de questões relacionadas ao “bico”, acaba ignorado e fora do controle da sociedade.

Pelos dados trimestrais, assassinatos cometidos por PMs, como a série de 12 mortes em quatro horas durante um fim de semana de janeiro deste ano em Campinas (99 km de SP), ficaram de fora das estatísticas sobre a letalidade policial.

As 12 mortes, segundo a Polícia Civil, foram cometidas por cinco PMs fora do horário de trabalho que queriam vingar o assassinato de um policial militar. Oficialmente de folga, ele tentara evitar o roubo de um posto combustível e foi morto pelo ladrão.

5 PMs mortos todos os meses

Outra omissão constatada nas estatísticas divulgadas trimestralmente pela Secretaria da Segurança Pública diz respeito ao total de PMs mortos no Estado de São Paulo. A distorção nesse caso é mais grave.

A pasta se limita a divulgar as mortes durante o trabalho policial – desde 1995, foram 475. Mas a maior parte dos assassinatos de policiais militares em atividade na corporação aconteceu quando eles estavam de folga: foram 684 casos. Ao todo, houve 1.159 mortes de PMs no período, estivessem eles em expediente oficial ou fora dele.

9,5 vezes mais mortes do que todas as polícias dos EUA

Entre 2008 e 2012, a PM paulista matou 9,5 vezes mais do que todas as polícias dos Estados Unidos juntas durante o trabalho de policiamento. É o índice por demografia que escancara essa diferença: enquanto os Estados Unidos registraram 0,63 morte por 100 mil habitantes, em São Paulo o índice foi de 5,87 no período. Lá, a população de 313 milhões viu 2.003 assassinatos por policiais (mortes em “homicídios justificados”, mesmo tipo de registro para o que chamamos de “morte em decorrência policial”), enquanto para 41 milhões de paulistas registraram-se 2.426 mortos.

O índice de São Paulo está mais próximo do México, marcado por uma guerra contra os cartéis do narcotráfico. Em 2011, o país registrou a taxa de 1,37 mortes por 100 mil habitantes, ante 1,13 no Estado mais rico do Brasil, São Paulo.

ECONOMIA: IGP-M tem nova queda e inflação tende a cair nos próximos meses.


O Índice Geral de Preços – Mercado, medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), apresentou nova queda no mês de junho, recuando 0,74%, já tendo registrado deflação de 0,13% em maio. Com este resultado, o índice acumula alta de 2,45% no ano de 2014 e 6,24% em 12 meses. A queda do IGP-M novamente pode ser explicada, em grande medida, pela redução de preços dos produtos agropecuários, que apresentaram deflação de 3,73%, levando à queda de 1,44% no Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA, que compõe 60% do IGP-M). O Índice de Preços ao Consumidor (IPC, que compõe 30% do IGP-M) subiu 0,34%, índice também inferior ao registrado em maio de 2014.

A reiterada queda do IGP-M irá certamente causar novas reduções nos outros índices inflacionários, devendo trazer o IPCA para mais próximo do patamar de 0%. Se por um lado tal queda é uma boa notícia, ela se faz insuficiente para fazer recuar a inflação acumulada em 12 meses, já que em 2013 os índices de inflação neste período do ano se aproximaram de 0% também. Sendo assim, o que se pode dizer é que não há mais urgência no combate à inflação no curto prazo, dado o ritmo lento de crescimento da economia e o fato de que não há novos choques de preços esperados. Este alento, no entanto, não será suficiente para jogar o acumulado da inflação para baixo, fato que provavelmente só ocorrerá realmente ao final do ano, caso o governo decida não aplicar os reajustes de combustíveis e energia elétrica ainda em 2014. Como o mercado financeiro projeta o reajuste (ou parte dele) ainda para este ano, sua previsão é que a inflação feche 2014 próxima ao teto da meta, em 6,4%.

domingo, 29 de junho de 2014

Costa Rica segue campanha histórica e derruba Grécia nos pênaltis.


Depois de avançar em primeiro lugar em uma chave que tinha Uruguai, Itália e Inglaterra, a Costa Rica deu sequência à sua boa campanha na Copa do Mundo. Na Arena Pernambuco, a equipe centro-americana derrubou a Grécia nos pênaltis, depois de levar o empate por 1 a 1 aos 45 minutos do segundo tempo.

Conquistado com ótima atuação do goleiro Navas, o resultado em São Lourenço da Mata credenciou a equipe dirigida por Jorge Luís Pinto a brigar com a Holanda por uma vaga entre os quatro melhores do Mundial do Brasil. O confronto está marcado para o próximo sábado, às 17h (de Brasília), em Salvador.

Após um fraco primeiro tempo, no qual só houve uma chance desperdiçada pela Grécia, os costa-riquenhos saíram na frente no início da etapa final, com Bryan Ruiz. A situação da equipe centro-americana se complicou com a expulsão do zagueiro Duarte, por falta cometida aos 20 minutos.

Fonte: http://www.gazetaesportiva.net/noticia/2014/06/copa-2014-brasil/costa-rica-segue-campanha-historica-e-e-derruba-grecia-nos-penaltis.html

Diogo Merdardi é desmoralizado de novo por jornalista da BBC.


Sílvia Salek, Diretora de Redação da BBC Brasil, desmoralizou ao vivo o profeta do caos, Diogo Mainard, em programa do sistema Globo. Assista o vídeo, imperdível.

Habituado a compartilhar opiniões com outros jornalistas que torcem contra o Brasil. O Colonista Diogo Mainard leva uma saraivada de bons argumentos da Diretora de redação da BBC/Brasil Silvia Salek. A diretora da BBC é inteligente e hábil em suas respostas, Lucas e Mainardi devem ter se surpreendido com o que lhes esperava. Bem feito!

Praciano mantém candidatura ao Senado e ignora ameaça de intervenção.


Contrariando resolução da executiva nacional do PT, o deputado federal Francisco Praciano (PT) reafirmou que será candidato ao Senado Federal na chapa do pré-candidato ao governo do Estado, senador Eduardo Braga (PMDB).

Na quinta-feira (26), a Comissão Executiva Nacional do PT publicou uma resolução definindo que no Amazonas o partido deve manter o apoio à pré-candidatura do senador Eduardo Braga (PMDB) e determinou que o deputado federal não oficialize candidatura ao Senado.

Praciano disse, neste domingo, que a executiva estadual não aceitará qualquer decisão no sentido de retirar seu nome da disputa. “Estarei na convenção amanhã (hoje) para confirmar minha candidatura”, garantiu.

Sobre o risco de intervenção da executiva nacional no diretório estadual, Praciano disse que não descarta esta possibilidade.

“Eu não acredito que aconteça porque tudo foi feito com jogo aberto e o meu nome foi aprovado por unanimidade. O último contato que eu tive com a executiva nacional foi no sentido de autorizar minha candidatura ao Senado”, revelou. “Eu coloquei isto para o PT do Amazonas que aceitou a indicação do meu. Depois, a nacional ratificou esta decisão e me pediu para que eu cumprisse esta missão de sair candidato com o (Eduardo) Braga para fortalecer a candidatura da Dilma no Estado”, explicou.

Conforme o deputado federal, a iniciativa de retirar sua candidatura partiu de outra ala do PT aliada do PROS, que tem como candidato, à reeleição, o governador José Melo (PROS).

“Para mim, o Omar (Aziz, PSD, pré-candidato ao Senado na aliança com o PROS) é só um adversário, não é um inimigo. E eu entendo que haja em um Estado como o nosso uma disputa pelo Senado, mas me parece que ele não quer entender isto. Eu acho que hoje (ontem) e amanhã (hoje) eles ainda vão tentar retirar meu nome até o horário da convenção”, deduziu Praciano.

O presidente estadual do PT no Amazonas, Valdemir Santana, afirmou que a executiva estadual quer o nome de Praciano para concorrer ao Senado.

“Nós estamos cumprindo o que foi aprovado na resolução dos delegados. O Praciano está com o nome garantido como candidato e ponto final!”, frisou.

Questionado sobre o risco de intervenção da PT nacional no diretório estadual, Santana disse que não há motivo para isto. “Intervir por que?! Além do Praciano ser filiado e estar com as mensalidades em dia, por mais que tivesse intervenção ele poderia ser candidato ao Senado porque ele tem este direito, nada impede”, assegurou Santana. “Por mais que não haja acordo político, qualquer pessoa que tenha os direitos políticos, pode ser candidato e isto ninguém pode tirar. O PT não tem motivo para não ter candidato ao Senado. Inclusive o presidente nacional do PT (Rui Falcão) estava aqui em Manaus quando foi tomada esta decisão”, afirmou.

O presidente estadual do PT disse que o candidato a primeiro suplente de Praciano deve ser um membro do próprio PT e a segunda suplência será discutida com partidos aliados.

“Até o momento, o único nome inscrito para a primeira suplência é o meu, mas vou abrir mão em nome da unidade do partido”, disse.

O secretário estadual do PROS, Radyr Júnior, disse que o partido não tomou nenhuma iniciativa para impedir a candidatura de Praciano. “Eu não sei se faz muita diferença para nós se ele for candidato ou não”.

Fonte: http://new.d24am.com/noticias/politica/praciano-mantem-candidatura-senado-ignora-ameaca-intervencao/114975

Convenções políticas no AM são palco de viradas históricas.

Prazo para definição de candidatos e alianças chega ao fim amanhã com três baixas, troca de lado e intensa ação de bastidores

A 24 horas do fim do prazo para definir alianças e candidaturas para as eleições desse ano, a disputa pelo Governo do Amazonas já tem três baixas. E como a história tem mostrado, mudanças nas escalações – até mesmo entre os pré-candidatos a vice – podem ocorrer minutos antes dos times entrarem em campo.

Amanhã é a data limite estabelecida pela Justiça Eleitoral para que os partidos definam com quem irão coligar e os nomes dos seus membros que pretendem se candidatar a um dos cargos em disputa esse ano: presidente da República, senador (a), governador (a), deputado (a) federal e deputado (a) estadual.

Entre os nomes fora da lista do jogo pelo Governo do Amazonas estão os deputados federais Henrique Oliveira (SDD) e Rebecca Garcia (PP). Apesar de ostentarem um bom desempenho nas pesquisas de intenção de voto, os dois julgaram conveniente recolher seus times para ingressar nas equipes comandadas por José Melo (Pros) e Eduardo Braga (PMDB), respectivamente.

O terceiro pré-candidato que não conseguiu viabilizar seu nome como candidato a governador foi o vice-prefeito de Manaus Hissa Abrahão (PPS). Sem convencer sequer o prefeito Artur Neto (PSDB) de que seria uma boa peça a ser escalada para o jogo desse ano, Hissa se contentou em disputar as eleições para a Câmara Federal, e a ser mais um no time de Braga.

A lista de nomes vetados às vésperas do jogo pode aumentar para quatro. Isso porque o deputado estadual Chico Preto, pré-candidato do PMN ao governo, já dá sinais de que não tem condições de jogo, e indica que vai acabar reforçando a torcida de Braga ou de Melo.

Com as baixas de candidatos até então cotados para equilibrar o jogo, como Hissa, Henrique e Rebecca, Braga e Melo se firmam de vez como os candidatos ao título de governador, e farão um campeonato à parte dos demais candidatos que se mantêm inscritos para a competição: Marcelo Ramos, do PSB; Abel Alves (Psol) e Dr. Castelo – PCB.

Favorito (segundo as pesquisas) à vitória antes da bola rolar, Braga tem como armas a simpatia de um eleitorado conquistado na última década, e o apoio da presidente da República e candidata à reeleição, Dilma Rousseff, do PT.

O ex-governador conseguiu também na última hora comprar o passe de Amazonino Mendes (PDT), velho conhecido dos eleitores do interior do Amazonas.

Para fazer frente ao favoritismo do senador do PMDB, o governador José Melo, que vai para campo administrando um orçamento de R$ 14 bilhões, foi buscar um nome de peso para reforçar o time dele: Artur Neto.

Times podem mudar na véspera

Nas eleições para o governo de 2002, José Melo (Pros), então deputado federal, foi para a convenção convicto de que seria o vice na chapa de Eduardo Braga (PMDB). Mas na hora da escalação final, quem ganhou a camisa de vice e entrou em campo foi o ex-governador Omar Aziz (PSD).

Outra mexida de nome na véspera do jogo aconteceu em 2010, quando Hissa Abrahão, do PPS, foi lançado de surpresa pela sigla como candidato a governador. Ele acabou ficando em terceiro lugar na disputa, conquistando 138 mil votos.

Na disputa pela Prefeitura de Manaus, em 2012, a deputada federal Rebecca Garcia (PP) era, até a véspera da convenção, o nome certo de Braga e Omar para fazer oposição à candidatura de Artur Neto (PSDB).

Na madrugada do dia 30 de junho, fatores extra-campo levaram o grupo a cortar Rebecca da disputa. Convocada de última hora, a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB) entrou no jogo, para ser derrotada por Artur Neto.

Segundo a legislação eleitoral, a substituição de candidatos pode ser feita até 20 dias antes do pleito. As trocas podem ocorrer quando o candidato tiver o registro indeferido, cancelado, ou cassado, ou, ainda, renunciar ou falecer após o final do prazo do registro.

Alfredo e Praciano

Se despedindo do Senado esse ano, Alfredo Nascimento, do PR, anunciou na sexta-feira apoio a José Melo. Ele vai disputar uma vaga na Câmara Federal. Seguindo orientação da direção nacional do PT, o deputado federal Francisco Praciano irá, na aliança com Eduardo Braga, se candidatar ao Senado.

Atrás do apoio de Dilma

Braga é o candidato do PT, Melo fechou com o PSDB, mas diz que vai apoiar a presidente da República

Em eleições gerais, as decisões tomadas pelas cúpulas dos partidos nem sempre valem para as alianças regionais. Esse ano, no Amazonas, enquanto a direção nacional do Pros oficializou apoio à reeleição de Dilma Rousseff (PT), o partido recebeu a adesão do tucano Artur Neto (PSDB) à reeleição de José Melo (Pros).

José Melo tem defendido apoio à Dilma Rousseff, mas agora tem a pressão do PSDB de Artur Neto, que, teoricamente, tem a obrigação de montar um palanque para o candidato à Presidência da República da legenda, o senador mineiro Aécio Neves.

O presidente regional do PSDB, deputado estadual Arthur Bisneto, declarou há uma semana que o prefeito de Manaus é um “palanque ambulante” para Aécio Neves. E disse esperar que José Melo esteja nesta campanha junto com o senador mineiro.

Para membros do Pros no Amazonas, como o deputado estadual Sidney Leite, a decisão de Melo em insistir no apoio à Dilma é pessoal. Pois, do ponto de vista partidário, nem Dilma e nem o PT têm demonstrado interesse em ver o governador por mais quatro anos no comando do Amazonas, opina o parlamentar.

Em maio, a cúpula estadual do PT, que ocupa cargos no governo de Melo, decidiu apoiar a candidatura de Braga. E liberou o governador para - se quiser - demitir os petistas, o que não aconteceu até aqui.

Fonte: http://acritica.uol.com.br/noticias/Manaus-Amazonas-Amazonia-Convencoes-politicas-AM-viradas-historicas_0_1165683423.html

RANDOLFE PEDE APOIO DO PT PARA CONCORRER AO GOVERNO.

divulgação:

Depois de desistir da pré-candidatura a presidência da República por falta de apoio político dentro do próprio partido o Senador Randolfe Rodrigues (PSOL), corre agora atrás de apoio para concorrer ao governo do Estado.

Desde a desistência da pré-candidatura a presidência, alegando preocupação com o avanço dos partidos conservadores no Amapá, Randolfe vem tentando articular a candidatura ao governo propondo alianças até mesmo com o PT, alvo recentemente criticas enquanto durou a pré-candidatura ao Planalto.

As articulações do senador revelam divergências internas também no PSOL no Amapá, pois enquanto o prefeito de Macapá, Clécio Luis, faz parcerias e fala em aliança com o PSB do governador Camilo Capiberibe, candidato a reeleição, o senador articula apoio até mesmo de aliados do PSB, no caso o PT. 

Caso receba um não de Berzoine, Randolfe desistirá novamente e vai tocar o mandato de senador. 

Fonte: http://www.brasil247.com/pt/247/amapa247/144786/Randolfe-pede-apoio-do-PT-para-concorrer-ao-governo.htm

Nos minutos finais, Holanda vence o México.


O México nunca disputou cinco jogos em uma mesa edição de Copa do Mundo nem tinha atingido as quartas de final em Mundial que não organizasse. Nesta tarde, sob cerca de 30ºC e umidade próxima dos 70% em Fortaleza, fazia esses dados mudar até os 42 minutos do segundo tempo, mas recuou demais. E a Holanda, melhor time da primeira fase, fez dois gols no fim para se classificar vencendo por 2 a 1.

O México se dispôs a jogar e levou perigo até abrir o placar com Giovani dos Santos, aos três minutos do segundo tempo. Mas recuou e provou que não basta encher sua área de jogadores para saber defender e que o goleiro Ochoa, sozinho, não pode ser salvador sempre. Aos 42, Huntelaar, que entrou no lugar de Van Persie, escorou para Sneijder empatar e, aos 48, o próprio Huntelaar converteu pênalti sofrido por Robben.

Chorando, os mexicanos saíram do Castelão aplaudidos por sua torcida, que compareceu em bom número e tiveram o apoio de muitos brasileiros. A festa ficou para os holandeses, que joga às 17 horas (de Brasília) de sábado, na Fonte Nova, em Salvador, contra o vencedor do duelo entre Costa Rica e Grécia, que se enfrentam ainda neste domingo, em Pernambuco.

Fonte: http://www.gazetaesportiva.net/noticia/2014/06/copa-2014-brasil/nos-minutos-finais-holanda-supera-calor-cearense-e-vira-sobre-mexico.html
Fernando Dantas/Gazeta Press

Uma matada no peito, um giro no corpo, um chute raro, uma pintura, um lance inesquecível entre todos os lances inesquecíveis do Maracanã. Um golaço de James Rodríguez, camisa 10 clássico, abriu o caminho para a vitória (2 a 0) que classificou a Colômbia para as quartas de final da Copa do Mundo. Ele ainda fez o segundo e se isolou na artilharia do torneio, com cinco tentos, mais do que Messi e Neymar (com quatro).

Foi o triunfo de um dos times com o melhor futebol do torneio até aqui sobre um Uruguai que chegara ao Maracanã claudicante, contando principalmente com o peso de sua camisa, e sem Luis Suárez, seu melhor jogador. Durante os 90 minutos falaram mais alto a aplicação tática e a qualidade dos colombianos, que fizeram um estádio quase totalmente amarelo explodir com a classificação inédita às quartas de um país que estava há 16 anos longe de Mundiais. Agora, a Colômbia se prepara para o encontro com o Brasil, que tem tudo para ser duríssimo para os donos da casa, na próxima sexta-feira, em Fortaleza.

Fases do jogo: A Colômbia manteve o padrão de jogo que lhe tinha dado 100% de aproveitamento na primeira fase. Com muito toque de bola e jogadores qualificados no meio-campo, como Cuadrado e Rodríguez, além do apoio da arquibancada, a seleção foi melhor desde os primeiros minutos. Mas não foi o jogo coletivo que fez a diferença no começo, e sim o brilho de seu camisa 10, que acertou um belo chute para abrir o placar. Só na desvantagem, o Uruguai despertou e saiu para o jogo, o que obviamente deixava espaço aos sempre perigosos contra-ataques colombianos.

O segundo tempo prometia um duelo mais equilibrado, mas outro gol precoce de Rodríguez deixou a situação quase impossível para os uruguaios. Não apenas pela desvantagem no placar, mas também porque a Colômbia mantinha sua estratégia sufocante de domínio pela posse de bola. Algumas mudanças de Tabarez em sua equipe fizeram o Uruguai ficar mais presente ao ataque. Mas do outro lado havia uma defesa eficiente e um goleiro seguro, Ospina, que garantiram a vitória tranquila.

Os melhores: James Rodríguez e David Ospina. Rodríguez já tinha sido eleito pela Fifa o melhor jogador da primeira fase. Sua habilidade e a qualidade de seu passe fazem dele um meia-esquerda clássico, daqueles em falta no futebol atual. Dominou o meio-campo colombiano e foi fundamental para a vitória. Já é um dos grandes jogadores desse Mundial (curiosidade: o jeito certo de dizer seu nome, segundo o próprio, é Rames). O goleiro Ospina também teve uma atuação inspirada e fez importantes defesas no final do partida.

O pior: Forlán. O melhor jogador da última Copa se despediu melancolicamente daquele que pode ter sido seu último Mundial. Ele foi escalado para substituir Suárez, mas não conseguiu aparecer para o jogo e acabou voltando ao banco antes dos 10min do segundo tempo. Só com ele fora, o Uruguai conseguiu permanecer mais tempo no ataque.

Chave do jogo: toque de bola e paciência da Colômbia. O time de José Pekerman dominou a posse de bola e teve calma para movimentar seus jogadores até abrir espaço na defesa uruguaia. No segundo gol, a equipe fez a bola rodar por todos os cantos do campo antes de parar nos pés de Rodriguez e ir às redes. Essa estratégia também ajudava defensivamente. Com a bola dominada, os colombianos impediam que os adversários criassem chances, mesmo quando atrás do placar.

Toque dos técnicos: Oscar Tabárez precisou mexer no time logo no começo do segundo tempo quando se viu perdendo e dominado pelo adversário. Mas ele tinha pouquíssimas opções no banco e fez o que pôde: encheu a equipe de centroavantes e orientou seus jogadores a meter bolas na área. Nada que pudesse transpor a defesa bem armada por Pekerman.

Febre amarela. E a torcida colombiana dominou as arquibancadas do Maracanã, reeditando a "febre amarela" que vem tomando os estádios onde a seleção joga. Além do hino à capela, foi possível ouvir os gritos de "olé" para a Colômbia desde o começo da partida. Os brasileiros presentes também adotaram os colombianos.

Presença de Suárez. O atacante pode ter sido expulso da Copa, mas ele esteve de alguma forma presente nas arquibancadas. Torcedores uruguaios aparecerem em peso com máscaras do jogador, enquanto os colombianos usaram focinheira para lembrar seu histórico de mordidas.

COLÔMBIA 2 X 0 URUGUAI

Data: 28/06/2014 - 17h
Local: Maracanã (Rio de Janeiro)
Árbitro: Bjorn Kuipers (HOL)
Auxiliares: Sander Van Roekel (HOL) e Erwin Zeinstra (HOL)
Cartões amarelos: Gimenez, Lugano (Uruguai); Armero (Colômbia)
Gols: James Rodríguez, aos 28min, do 1º tempo e aos 4min do 2º tempo
Público: 73.804 pessoas

Colômbia: Ospina; Zuniga, Zapata, Yepes e Armero; Carlos Sánchez, Aguilar, Cuadrado (Guarín) e James Rodríguez (Ramos); Teófilo Gutiérrez (Meria) e Jackson Martínez
Técnico: Jose Pekerman

Uruguai: Muslera; Cáceres, Giménez e Godín; Maxi Pereira, Arévalo Rios, González (Hernandez), Rodríguez (Ramos) e Álvaro Pereira (Ramirez); Forlán (Stuani) e Cavani
Técnico: Oscar Tabarez

Fonte: http://copadomundo.uol.com.br/noticias/redacao/2014/06/28/colombia-x-uruguai.htm

sábado, 28 de junho de 2014

Julio César pega 2 pênaltis e dá vitória ao Brasil após sufoco contra o Chile.

Julio César pega 2 pênaltis e dá vitória ao Brasil após sufoco contra o Chile (Julio César pega 2 pênaltis e dá vitória ao Brasil após sufoco contra o Chile (Julio César pega 2 pênaltis e dá vitória ao Brasil após sufoco contra o Chile (Julio César pega 2 pênaltis e dá vitória ao Brasil após sufoco contra o Chile (Brasil passa sufoc)

O técnico Luiz Felipe Scolari avisava, antes mesmo da Copa do Mundo, que não gostaria de enfrentar o Chile no mata-mata. A preocupação foi justificada no início da tarde deste sábado, no Mineirão. A Seleção Brasileira só superou o rival sul-americano por 3 a 2 na disputa de pênaltis após um empate por 1 a 1 no tempo regulamentar da partida. O goleiro Júlio César, o vilão do Mundial passado, defendeu as cobranças de Pinilla, Alexis Sánchez e Díaz. Pelo Brasil, Willian chutou para fora e Hulk desperdiçou, mas David Luiz, Marcelo e Neymar converteram.

Ofensivo no início do dramático confronto em Belo Horizonte, a Seleção abriu o placar com o zagueiro David Luiz, após cobrança de escanteio de Neymar. Permitiu o empate do Chile ainda no primeiro tempo, quando o atacante Sánchez tirou proveito de uma bobeada do esforçado Hulk. Nos minutos que se seguiram com a bola rolando, o time foi pouco criativo e ainda sofreu alguns sustos, como em um chute no travessão, de Pinilla, a um minuto dos pênaltis.

Ainda que sofrido, o resultado amplia o retrospecto favorável do Brasil sobre o Chile em Copas do Mundo. Antes, o time nacional havia vencido por 4 a 2 nas semifinais de 1962, na casa do oponente, com uma grande atuação de Garrincha (autor de dois gols, assim como Vavá). Os outros dois confrontos também foram válidos por oitavas de final – 4 a 1 em 1998, com César Sampaio e Ronaldo anotando duas vezes cada, e 3 a 0 no Mundial passado, através de Robinho, Juan e Luis Fabiano.

Superado o seu duelo mais difícil com o Chile, a Seleção Brasileira terá quase uma semana para se recuperar tecnicamente para as quartas de final. O encontro com o vencedor do duelo entre Colômbia e Uruguai será apenas na próxima sexta-feira, às 17 horas (de Brasília), no Castelão.

Andrew Yates/AFP

O jogo –Nem parecia que os jogadores brasileiros e chilenos eram adversários no túnel de acesso ao gramado do Mineirão. Companheiros de Barcelona, os atacantes Neymar e Alexis Sánchez se abraçaram e conversaram amistosamente, com sorrisos e afagos, à espera de a partida começar. O lateral direito Daniel Alves fez questão de se juntar aos dois.

Em campo, tudo mudou. As hostilidades entre brasileiros e chilenos começaram nas arquibancadas, com vaias para trechos das execuções dos hinos nacionais dos dois países. E continuaram já nos primeiros minutos de jogo, quando Fernandinho cometeu uma falta dura em Aránguiz, que revidou em Neymar.

O Chile tentou aproveitar aquela empolgação inicial para atacar o Brasil. A iniciativa durou pouco. Depois que Marcelo deu um bom chute de fora da área, que quase acertou a meta aos cinco minutos, os donos da casa passaram a controlar as ações da partida. Principalmente pelo lado esquerdo, onde Neymar e Hulk se revezavam nas arrancadas em velocidade.

O Brasil era mais perigoso, contudo, nas jogadas de bola parada. Foi assim que abriu o placar. Aos 18 minutos, Neymar cobrou escanteio na área do Chile. A dupla de zaga brasileira, então, aproveitou a baixa estatura adversária para aparecer com destaque. Thiago Silva desviou o cruzamento com a cabeça, e David Luiz disputou com a coxa com Jara para empurrar a bola para dentro.

Com a vantagem no placar, o Brasil se sentiu confortável para permanecer no setor ofensivo, envolvendo o Chile – apesar de Oscar, Daniel Alves e quem mais que atuasse pela direita participarem pouco da partida. Só um erro do time de Luiz Felipe Scolari seria capaz de reanimar os chilenos naquele momento. E foi o que aconteceu.

Aos 32 minutos, Marcelo cobrou um lateral no campo de defesa para Hulk, que dominou de maneira desatenta. Vargas tirou proveito para fazer o desarme e acionar Alexis Sánchez dentro da área. O amigo de Neymar e Daniel Alves dominou com tranquilidade e finalizou cruzado, sem tanta força, para superar Júlio César e empatar o jogo.

O gol do Chile silenciou momentaneamente a torcida brasileira e entusiasmou a visitante. No gramado, os jogadores chilenos redobraram a rispidez nas disputas de bola e motivaram Neymar a fazer acrobacias a cada falta sofrida, para irritação de Felipão com a arbitragem. Nem mesmo a pressão que o Brasil esboçou no final do primeiro tempo foi suficiente para acalmar o treinador.

Aos 35, Neymar quase marcou um gol de cabeça em cruzamento de Oscar, que desviou na defesa chilena. Três minutos depois, o astro brasileiro recebeu um lançamento longo, brigou com três marcadores, e a bola sobrou para Fred concluir para o alto. Daniel Alves também perdeu a timidez e chutou de longe, fazendo Bravo espalmar para cima do travessão. Na defesa, no entanto, a Seleção dava novos sinais de desatenção.

Os sustos sofridos no primeiro tempo claramente incomodaram os comandados de Felipão. Neymar chutou a bola para longe quando a partida foi para o intervalo. No vestiário, o astro deixou de lado as chuteiras douradas e milionárias que ganhou de sua fornecedora de material esportivo para calçar o mesmo modelo utilizado na fase de grupos da Copa do Mundo. Felipão, entretanto, esperou para mexer na sua formação.

O posicionamento do Brasil foi outro no segundo tempo. Percebendo que o seu time era deficiente no lado direito do ataque, Felipão mandou Hulk atuar mais por ali. Aos nove minutos, a ordem quase acabou premiada com um gol. O atacante dominou a bola com o braço e bateu de joelho para a rede, porém o árbitro inglês Howard Webb viu a irregularidade e interrompeu a festa que os brasileiros já faziam. “Vá tomar no...”, berrou o jogador, revoltado.

Jorge Sampaoli, o técnico argentino do Chile, resolveu entrar em ação naquele instante. Substituiu Vargas por Gutiérrez. Felipão não ficou atrás. Escolheu Jô, atuando em casa por ser atleta do Atlético-MG, para ocupar a vaga de Fred, mineiro de Teófilo Otoni e ex-jogador do Cruzeiro. A torcida até se alegrou com a mudança, embora tenha levado um susto em seguida. Aos 18, Aránguiz bateu forte após cruzamento rasteiro da direita, e Júlio César fez grande defesa para salvar o Brasil.

Muito nervosa, a Seleção começou a oferecer cada vez mais espaços para o Chile atacar. Felipão ainda recorreu a Ramires no lugar de Fernandinho, que mancava em campo. Outros jogadores também pareciam com problemas, porém técnicos, como Daniel Alves. Jô foi mais um a falhar, aos 28 minutos, quando furou um cruzamento de Hulk e enervou Felipão.

Alguns torcedores até tentaram fazer com que a apatia da Seleção Brasileira não se refletisse nas arquibancadas do Mineirão. “Levanta! Levanta! Levanta!”, berraram, para aqueles que estavam sentados, inertes. A maioria só se levantou mesmo aos 38, com uma boa jogada de Hulk, que parou em Bravo. De fato, as razões para contentamento eram poucas. Os atletas brasileiros aparentaram alívio com o fim do segundo tempo.

A ordem era mudar de postura completamente na prorrogação. Hulk demonstrou que queria que fosse assim ao correr o campo inteiro com a bola em sua primeira jogada, ser derrubado perto da área e brandir os braços para chamar o público para o jogo. A torcida correspondeu, porém os seus companheiros já não tinham o mesmo vigor físico àquela altura do jogo.

No último tempo da partida com bola rolando, Felipão optou por dar fôlego à equipe brasileira com Willian no posto de Oscar. O Chile, também desgastado, já queria os pênaltis. Medel se jogou em campo e só foi substituído por Rojas depois que a maca entrou para retirá-lo. Em seguida, Pinilla e Gutiérrez ficaram caídos pelo tempo que puderam. “Timinho! Timinho! Timinho!”, reagiram os torcedores.

Quem tinha a missão de não se apequenar no Mineirão era a Seleção Brasileira. O drama já fazia o público ter de mostrar a sua crença aos jogadores antes da decisão por pênaltis: “Eu acredito! Eu acredito! Eu acredito!”. Era mesmo necessário ter fé. Aos 15 minutos, Pinilla dominou bem a bola, girou diante de Thiago Silva e soltou o pé. Só não virou o jogo para o Chile naquele mesmo instante porque acertou o travessão.

A tensão era tamanha que Júlio César chorou antes da disputa de pênaltis. Parecia prever que seria decisivo, defendendo as cobranças de Aránguiz, Díaz e Jara, tendo a sua grande redenção em uma Copa do Mundo. Pelo Brasil, Willian e Hulk desperdiçaram, porém David Luiz, Marcelo e Neymar converteram para sacramentar a suada classificação.

Fonte: http://www.gazetaesportiva.net/noticia/2014/06/selecao-brasileira/brasil-sofre-e-so-vence-o-chile-nos-penaltis-para-ir-as-quartas.html

Brasil põe freguesia do Chile à prova por vaga nas quartas de final.


Enquanto jogadores argentinos já chegaram até a cantar uma música em referência a uma suposta freguesia da Seleção Brasileira (citam a vitória de Maradona e Caniggia em 1990), o técnico Luiz Felipe Scolari e os seus jogadores não querem saber do histórico de confrontos com o Chile em Copas do Mundo. A partida das 13 horas (de Brasília) deste sábado, que vale uma vaga nas quartas de final do torneio, será a quarta entre as duas seleções em Mundiais.

O retrospecto é amplamente favorável ao Brasil. Em 1962, pelas semifinais da Copa do Mundo do Chile, o time visitante contou com uma grande atuação de Garrincha (autor de dois gols, assim como Vavá) para vencer por 4 a 2. Os outros dois confrontos ocorreram em oitavas de final, assim como agora – 4 a 1 em 1998, com César Sampaio e Ronaldo anotando duas vezes cada, e 3 a 0 na Copa passada, através de Robinho, Juan e Luis Fabiano.

“Os números só ajudam ou atrapalham os jornalistas. Para nós, não passam de dados estatísticos. Esse é o Chile de 2014, portanto bem diferente daqueles outros que o Brasil já enfrentou”, avisou Felipão, que elogiava o adversário antes mesmo de o Mundial começar. “Desde a chegada do Jorge Sampaoli, o Chile ganhou uma nova dinâmica, uma performance muito melhor, com os jogadores perfeitamente adaptados ao esquema tático”, enalteceu.

Fonte: http://www.gazetaesportiva.net/noticia/2014/06/selecao-brasileira/brasil-poe-freguesia-do-chile-a-prova-por-vaga-nas-quartas-de-final.html

Elogio do pé - por Leonardo Boff*


Em tempos de Copa Mundial de Futebol, o pé é o que conta de verdade. Pois é com o pé que ganham ou se perdem partidas de futebol e eventualmente a Copa.

Entretanto, se algum extra-terrestre viesse à Terra e reparasse como os humanos tratam os pés, suspeito que ficariam escandalizados. Parece que os consideram a parte menos nobre do corpo pois os escondem. Pior, tentam sufocá-los com um pedaço de pano, chamado de meias. Depois estrangulam-nos com algo mais duro, de couro, os sapatos. E não contentes, amarram-nos com finas cordas, os cadarços, para se assegurar que não vão se libertar. E por fim, colocam todo o peso do corpo em cima dos pés, obrigando-os a cheirar o pó dos caminhos, a sofrer a dureza das pedras, a sentir o mau cheiro de tanto lixo jogado no chão.

Mas essa interpretação dos alienígenas é exterior e equivocada. O que fazemos aos pés é cuidar deles, pois constituem nosso meio natural de transporte. Mais ainda, os pés são o sinal mais covincente de nossa hominização. Deixamos para trás o reino animal quando nossos ancestrais antropóides se ergueram sobre os pés e começaram a andar eretos, a ver longe, permitindo o desenvolvimento do cérebro. Anatomicamente são um milagre, com dorso adaptado para aparar os atritos e planta consistente para defender-se das asperezas do solo. Uma rede de pequenos tendões garante as articulações que conferem equilíbrio aos movimentos. O que não fazem os dançarinos com os pés !?

O pé é tão importante que foi escolhido por muitos povos antigos e modernos, assim os anglo-saxões, como a unidade de medida. Um pé equivale a 12 polegadas que corresponde a 30,48 cm. A poesia, a forma mais nobre da literatura, tem que ter pés certos para ser harmoniosa.

Sem os pés não teríamos o futebol para o qual os pés são tudo. É o esporte mais criativo, diverso e mobilizador que existe. É uma metáfora do que melhor podemos apresentar: a combinação feliz do desempenho do indivíduo com a cooperação do grupo. Pode ser uma verdadeira escola de virtudes: autodomínio, tranquilidade, gentileza e capacidade de perdão ao não retrucar ponta-pé com ponta-pé. Porque somos humanos, às vezes tal coisa pode acontecer. Mas não é permitida. O jogador é advertido, punido com cartão amarelo ou vermelho e até pode ser expulso.

Se consultarmos o dicionário Aurélo encontramos aí mais de uma dezena de significações ligadas ao pé, em sua grande maioria positivas. Com o pé em algumas destas significações, vamos fazer o elogio do pé, pé que sustenta a paixão pela Copa do Mundo. Num mundo politicamente sem pé nem cabeça, com chefes de Estado metendo os pés pelas mãos nos conflitos na Síria, no Afeganistão e na Palestina e sempre em pé de guerra contra o terrorismo, encontramos no futebol um pé para pensarmos uma sociedade mundial que dê pé para formas de convivência amigável e até fraternal que encontram pé de apoio no entusiasmo das torcidas em todos os países.

Por um lado, devemos estar de pé atrás diante dos utopismos, por outro, não devemos arredar o pé na busca de formas civilizadas de conivência global. Logicamente esse mundo não chega nem aos pés do sonho de Jesus mas ele tem pé na esperança humana. Podemos começar com o pé direito já agora, ficando ao pé das vítimas, mesmo que tenhamos que fazer pé atrás às pressões dos poderosos. Mas vamos bater pé nessa causa sagrada, sabendo que ela não se alcança com o pé nas costas. Jamais vamos dar no pé.

Oxala nossos jogadores, alguns pé de ouro, não nos deixem a pé, para não termos que sofrer que só pé de cego.

* Leonardo Boff é fllósofo e teólogo e escritor.

Juiz decreta prisão preventiva de PMs envolvidos em estupro de mulher em viatura.

PMs suspeitos de estupro são lotados na 1ª Cicom, na Praça 14

O juiz de direito do Juízo Militar Alcides Carvalho Viera Filho, do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), decretou nesta sexta-feira (27) a prisão preventiva dos policiais militares William dos Santos Reis Júnior, 31, e Elton Aparício de Oliveira, lotados na 1ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) e acusados de estuprar no último sábado (21) uma mulher de 29 anos na rua Sátiro Dias, bairro São Francisco, Zona Sul de Manaus. Após serem detidos, os PMs serão levados ao Batalhão de Guardas da Polícia Militar.

No documento, o juiz se manifestou favorável ao requerimento feito pelo Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) nesta quinta-feira (26). No parecer assinado pela promotora de Justiça da Auditoria Militar, Maria da Conceição Silva Santiago, ressalta-se a importância das imagens captadas pelas câmeras externas da viatura como prova do crime.

“Por volta de 1h30 do sábado, os dois representados a levaram para um local escuro, colocaram-na deitada no banco detrás da viatura com as pernas amarradas para fora e a estupraram, primeiro o patrulheiro e depois o motorista”, diz um trecho do documento.

Ainda no documento, em depoimento a vítima contou que o motorista, Elton Aparício, chegou a tapar a câmera interna do veículo com a boina. “O motorista colocou a boina na frente da câmera que fica na parte interna da viatura. Um dos policiais veio por trás e a estuprou e em seguida o motorista fez o mesmo. Terminaram o ato e deslocaram até onde a mesma fora abordada juntamente com o seu namorado”.

A promotora ainda ressalta a frieza dos policiais. “Os representados desobstruíram a câmera interna com a retirada da boina, provavelmente na certeza de uma impunidade, tanto assim que após deixarem a vítima passaram a conversar entre si, rindo descaradamente e fazendo o seguinte comentário sobre a vítima: ‘Isso não é mulher de família não...’”, diz outro trecho do parecer.

Nesta sexta-feira, Alcides acolheu a representação e considerou o número de provas suficientes para a prisão preventiva dos suspeitos. “Sendo a palavra da vítima relevante, havendo reconhecimento e reforçadas as declarações pelas imagens gravadas e demais circunstâncias do crime, nenhuma dúvida existe da ocorrência do fato delituoso, sendo de se observar que, no terreno da autoria, bastam indícios”, afirmou o juiz.

Após serem presos, os homens serão encaminhados ao Batalhão de Guardas da PMAM, no bairro Monte das Oliveiras, Zona Norte de Manaus, onde ficarão por 30 dias à disposição da Justiça.

Fonte: http://acritica.uol.com.br/manaus/Juiz-preventiva-PMs-envolvidos-viatura_0_1164483574.html

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Omar tenta tirar Praciano da disputa ao Senado através do PT nacional.


Um documento com pedido de intervenção no Amazonas está sob análise da executiva nacional do partido de Francisco Praciano.

O ex-governador Omar Aziz tenta impedir a candidatura do deputado federal Francisco Praciano (PT) ao Senado. Uma articulação do PSD, feita por Gilberto Kassab, junto à direção nacional da legenda está em curso, a pedido de Omar. Uma fonte do PT, em Brasília, informou haver um documento de Kassab sob análise no partido, mas ainda não há decisão formal sobre o pedido. O jornal Folha de S.Paulo informou, na noite de ontem, que o PT havia feito intervenção no Amazonas, Rondônia e Paraíba por conta das alianças partidárias para as eleições deste ano. Na avaliação do PSD, a candidatura de Praciano ameaça os planos de Omar de se eleger senador.

A candidatura de Praciano foi anunciada na tarde desta quinta-feira (26/06), durante um evento na sede do PMDB, liderado pelo senador Eduardo Braga. No mesmo evento, o pré-candidato ao Governo do Amazonas anunciou também a candidatura de Rebecca Garcia (PP) como vice-governadora na chapa do PMDB.

O deputado Francisco Praciano, que está em Parintins, afirmou à reportagem, que não recebeu nenhum comunicado sobre intervenção e disse que a direção regional do PT não vai aceitar imposições. “Nós conversamos em Manaus com o presidente nacional do PT, Rui Falcão, que disse apoiar a nossa candidatura; há três dias, o diretório estadual se reuniu e todas as tendências do PT aprovaram o meu nome par a disputa. A decisão nossa é essa. A Executiva daqui não aceita a intervenção e advoga a democracia no partido para manter a candidatura ao Senado”, disse o parlamentar.

A reportagem tentou ouvir o ex-governador Omar Aziz mas não conseguiu contato nem com ele nem com a assessoria dele.

Fonte: http://amazonasatual.com.br/destaques/omar-tenta-tirar-praciano-da-disputa-ao-senado-atraves-do-pt-nacional/

Dilma e Blatter entregarão troféu na final da Copa.


O secretário-geral da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Jérôme Valcke, informou hoje (27) em coletiva de imprensa no Maracanã, zona norte do Rio, que a presidenta Dilma Rousseff e o presidente da Federação Internacional de Futebol (Fifa), Joseph Blatter, entregarão o troféu à seleção vencedora na final da Copa. 

"Puyol [ex-jogador espanhol] e Gisele Bündchen vão trazer o troféu para o gramado", explicou Valcke.

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo explicou que a participação da presidente na final já estava confirmada, mas a entrega foi decidida recentemente pela Fifa. "Agora ela seguirá o protocolo" declarou o ministro, acrescentando que não haverá discursos na final. 

Para Fifa e o ministro, a Copa do Brasil tem sido uma das melhores em termos de qualidade técnica. Os números desta Copa incluem 14 mil voluntários, 20 mil seguranças privados, 156 mil pessoas credenciadas.

Para Aldo, o sucesso da Copa também tem se traduzido fora de campo.

"Os aeroportos têm correspondido às demandas do evento, a área de segurança pública também tem garantido a integridade dos torcedores, sem incidentes graves" disse ele que citou também o setor de hospedagem, hotelaria e de trânsito como exemplos de sucesso. "Foi tudo dentro do esperado de acordo com nossas possibilidades e limitações" disse ele.

A pedido de jornalistas, Valcke comentou a punição da Fifa para o jogador Suárez que segundo ele foi exemplar.

"A decisão se baseou nas evidências e na reincidência do jogador," respondeu Valcke ao aconselhar Suárez a procurar tratamento para parar de morder jogadores em campo.

Fonte: http://new.d24am.com/esportes/copa-2014/dilma-blatter-entregarao-trofeu-final-copa/114848

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Dois presos tentam fugir da delegacia de Santo Antônio do Icá pelo telhado.

Presos escaparam por volta de 1h30 e foram recapturados por volta de 18h

Eles conseguiram sair pelo telhado do 53º Distrito Integrado de Polícia (DIP), mas foram recapturados durante a noite e foram reconduzidos à cela.

Dois presos tentaram aproveitar a madrugada de ontem para fugir da delegacia de Santo Antonio do Içá, a 880 km de Manaus, onde estavam presos. Eles conseguiram sair pelo telhado do 53º Distrito Integrado de Polícia (DIP), mas foram recapturados durante a noite e foram reconduzidos à cela.

A dupla conseguiu sair por volta de 1h30. Uma equipe da Polícia Militar do município foi acionada e fez buscas pela cidade, mas não encontrou os detidos. A procura foi finalizada à noite quando a PM percebeu vestígios de mata cortada em uma pequena comunidade próxima de Santo Antonio do Içá. 

Os policiais entraram na mata e encontraram os fugitivos quase 1 km mata adentro. A dupla recebeu voz de prisão no local. Eles foram recapturados, por volta de 18h, e reconduzidos à delegacia onde devem continuar à disposição da Justiça do Amazonas.

Fonte: http://acritica.uol.com.br/noticias/delegacia-Santo-Antonio-Ica-telhado_0_1163883641.html

“FICHAS SUJAS” DO AMAZONAS.


O deputado José Ricardo (PT-AM) criticou que os 203 “fichas sujas” do Amazonas, que tiveram suas prestações de contas dos últimos oito anos reprovadas pelo Tribunal de Contas da União (TCU), ainda possam recorrer à Justiça, buscando concorrer às eleições deste ano. “Não são apenas ex-gestores, mas também atuais gestores, que estão no exercício do mandato, ocupando cargos públicos. Não poderiam ser mais candidatos. Um verdadeiro absurdo”, afirmou o parlamentar.

Para ele, é preciso fazer uma análise e uma avaliação mais aprofundada das contas públicas, bem como da Lei da Ficha Limpa, para que seja plenamente viabilizada. “Porque, dessa forma, qualquer um pode recorrer e ser novamente candidato”, contou ele, exemplificando com o caso do prefeito de Coari, Adail Pinheiro, que mesmo com as contas reprovadas, conseguiu ser candidato nas últimas eleições.

José Ricardo ainda alertou para a falta de instrumentos que obriguem os Tribunais de Contas a fazer com que os gestores com contas reprovadas devolvam os recursos irregulares aos cofres públicos. “Por que falar em devolver milhões de reais, se não há como obrigá-los nessa devolução? Afinal de contas, quanto já foi devolvido? Ao que parece, há um grande instrumento de proteção em torno de alguns políticos, que mesmo “fichas sujas” conseguem oficializar suas candidaturas. E aí entra também o Judiciário, onde tramitam todos esses processos”.

Dados comprovam diminuição da desigualdade de renda no país.


Em artigo publicado hoje na Folha, respondendo as críticas do jornalista Clóvis Rossi, o ministro-chefe da Secretaria de Assuntos Estratégicos, Marcelo Neri, responde com dados consistentes a todos os que não acreditam que a desigualdade de renda diminuiu no país. Os números impressionam: entre 2001 e 2012, o crescimento da renda entre os 5% mais pobres do Brasil foi 550% mais rápido do que a elevação da renda dos 5% mais ricos da população.

A queda da desigualdade também está registrada nas pesquisas domiciliares e, aponta Neri, “caminha de mãos dadas com a de dados da norma internacional do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF)”. Segundo Neri, a renda IRPF dos 1% mais ricos no Brasil caiu de 18,2% para 16,1% no intervalo analisado.

Neri também trabalha com uma sugestão de Rossi e inclui na sua análise os serviços habitacionais prestados pelo capital residencial. Mostra, assim, que a “queda da desigualdade de renda total será maior, e não menor”, a partir desta inclusão. O capital residencial no país, aponta Neri, pode ser estimado pela PNAD.

Hoje, ele equivale a R$ 4,2 trilhões (R$ 20,1 mil por brasileiro) o correspondente a 50% da riqueza das famílias pelo nosso IRPF. Segundo ele, o aumento real de capital residencial por brasileiro entre 2003 e 2012 foi de 42,1% – com crescimento real anual depois de 2009, da ordem de 169% maior que o ocorrido antes.

“A face humana desses ganhos revela que grupos tradicionalmente excluídos como analfabetos, negros e empregados agrícolas obtiveram ganhos de 17%, 20% e 35%, respectivamente, acima da média de 42,1%”, aponta.