domingo, 27 de julho de 2014

Aécio governador assinou decreto dando nome de tio ao aeroporto da família.


Então leva a assinatura do governador Aécio Neves (2003-2010), agora candidato tucano ao Planalto, a promulgação do decreto que deu o nome de “Aeroporto Deputado Oswaldo Tolentino”, um tio-avô seu, ao aeroporto de Cláudio (MG), construído na fazenda do outro tio-avô, Múcio Tolentino? O aeroporto que foi construído ao custo de R$ 14 milhões, por Aécio, em 2010, na fazenda de Múcio, com dinheiro público de Minas Gerais.

O projeto que denominou o “Aeroporto Deputado Oswaldo Tolentino”, transformado em lei pela Assembleia Legislativa de Minas, é de autoria do agora deputado federal Domingos Sávio (PSDB-MG), aliado de Aécio. Oswaldo Tolentino era irmão de Múcio Tolentino, o tio-avô de Aécio. Múcio é o dono das terras em que foi construída a obra do governador Aécio em Minas e mantém consigo as chaves do aeroporto, utilizado várias vezes já pelo sobrinho presidenciável, embora ainda não homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

O projeto de denominação do aeroporto, de autoria do deputado Domingos Sávio é ilustrativo do estilo Aécio Neves de administrar: durante os 8 anos em que esteve à frente do Palácio da Liberdade, ele governou por “leis delegadas”, sistema que existe em Minas pelo qual ele mandava os projetos prontos e à Assembleia só cabia aprovar. A sanção dele ao decreto dando o nome do tio-avô ao aeroporto, não tem nada a ver com nepotismo, vá lá, mas tem um certo cheiro de culto à personalidade, ao sobrenome da família, certo? É mistura do público com o privado.