terça-feira, 8 de julho de 2014

Estudo na Fapeam produz aguardente de cupuaçu.

Segundo Cabral, para a produção de um litro de aguardente são necessários 10 quilos de polpa da fruta. - foto: Érico Xavier/Fapeam

A partir de 2016, o Amazonas será o primeiro Estado do mundo a produzir e a comercializar a aguardente de cupuaçu. A previsão é do doutor em Química de Produtos Naturais pela Universidade do Mississipi (EUA), José Augusto da Silva Cabral, que está desenvolvendo um estudo para a produção da aguardente.

O estudo recebe aporte financeiro do governo do Estado, via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa de Apoio à Programa de Subvenção Econômica à Inovação Tecnológica em Micro e Empresas de Pequeno Porte (Tecnova/Finep/Amazonas).

Intitulado “Desenvolvimento e implantação da introdução pioneira da aguardente de cupuaçu”, o projeto de pesquisa teve início em março deste ano e está na fase de ajustes técnicos quanto, entre outros, ao teor alcoólico da aguardente e práticas de produção em grande escala.

“Nas aguardentes produzidas até agora, utilizei um alambique de 20 litros, pequeno e experimental, que nos permite produzir um litro e meio por alambicada em três dias. Recentemente adquiri um alambique maior, de 200 litros, com o qual poderei produzir 30 litros por alambicada”, disse o pesquisador.

Produção

Segundo Cabral, para a produção de um litro de aguardente são necessários 10 quilos de polpa da fruta, adquiridos de fornecedores registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

“Com o alambique maior, produzirei 30 litros por alambicada. Nossa intenção é produzir, inicialmente, 150 litros por semana, 600 litros por mês para comercialização com teor alcoólico de 40%”, disse.

O estudo, a produção e a comercialização da aguardente de cupuaçu estão sendo desenvolvidos pela Sohervas da Amazônia. Além do financiamento do governo do Estado, a empresa está incubada no Centro de Incubação e Desenvolvimento Empresarial (Cide) da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) e conta com apoio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Amazonas (Sebrae).

Fonte: http://www.emtempo.com.br/estudo-na-fapeam-produz-aguardente-de-cupuacu/