terça-feira, 10 de setembro de 2013

Dilma vai a 58% de aprovação e lidera com folga corrida para 2014




Levantamento feito entre final de agosto e começo de setembro mostra também que 73,9% dos brasileiros apoiam a vinda de médicos estrangeiros.

Passada a turbulência provocada pelas manifestações de junho, o governo da presidenta Dilma Rousseff (PT) começa a recuperar rapidamente seus índices de aprovação e popularidade, segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes (CNT) divulgada hoje (10).

Realizada em parceria com o instituto MDA, entre os dias 31 de agosto e 4 de setembro, a pesquisa mostra que a popularidade da presidenta deu um salto de quase dez pontos percentuais, subindo de 49,3% em julho 58% agora. Já a aprovação do governo (ótimo/bom) subiu de 31,3% para 38,1%.

Apesar da melhora, os índices ainda estão aquém dos alcançados por Dilma antes dos eventos de junho, quando ela desfrutava de 73,7% de aprovação pessoal e de 54,2% de aprovação de governo.

De acordo com a pesquisa, 7,2% dos entrevistados disseram considerar o governo da presidente Dilma “ótimo”, enquanto 30,9% o avaliam como “bom”. Avaliam o governo como “regular” 39,7%.

O percentual dos que acham a gestão “ruim” é de 10,1%. Consideram o governo “péssimo” 11,8% dos entrevistados.

Eleições 2014

Os números da CNT/MDA mostram que Dilma continua liderando a corrida presidencial para 2014 e que seria eleita num eventual segundo turno contra qualquer dos demais candidatos apresentados aos entrevistados: Marina Silva (Rede), Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB).

Ela tem 36,4% das intenções de voto, três pontos percentuais a mais que na pesquisa anterior.

A ex-senadora Marina Silva, cujo partido ainda não conseguiu registro na Justiça Eleitoral, tinha 20,7% em julho e aparece agora com 22,4%.

O senador Aécio Neves manteve o percentual de julho e estagnou em 15,2%. Já o governador de Pernambuco, Eduardo Campos, caiu de 7,4% para 5,2%.

Foram entrevistadas 2.002 pessoas, em 135 municípios de 21 estados, das cinco regiões. A margem de erro de 2,2 pontos percentuais.
Espontânea, segundo turno e preferência partidária

Na pesquisa espontânea, Dilma é o nome mais lembrado, com 16% das citações. Depois vem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com 9,7%. Na sequência aparecem Marina (5,8%), Aécio (4,7%), Campos (1,6%) e José Serra (1%). Geraldo Alckmin, também do PSDB, e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, tem meio por cento (0,5%) cada.

Num eventual segundo turno, Dilma vence Marina por 40,7% a 31,9%; Aécio por 44% a 24,5%; e Campos por 46,7% a 16,8%.

Os entrevistados também foram questionados sobre qual partido gostariam de ver na Presidência da República a partir de 2015.

O PT foi o mais citado, com 21,9%. Bem atrás vêm PSDB (4,5%) e PMDB (3,1%). Nesta questão, 39,1% disseram não saber ou não responderam; enquanto 26,5% disseram “nenhum”.
Mais Médicos

Um dos principais programas apresentados por Dilma ao país depois das manifestações de junho, o Mais Médicos tem amplo apoio da população, segundo a pesquisa.

Quase metade (49,6%) acredita que o programa vai solucionar problemas graves de saúde e 73,9% apoiam a vinda de médicos estrangeiros.

Ainda de acordo com a pesquisa, 62,4% da população usa o serviço público de saúde, 20,8% o serviço privado e 16,5% usam ambos.

A pesquisa aponta também a avaliação dos usuários dos dois sistemas. Sobre o sistema público, 2,7% consideram ótimo, 18% bom, 37,4% regular, 18,6% ruim e 22,9% péssimo.

A avaliação do sistema privado tem índices melhores: 13% consideram ótimo, 45% bom, 34,5% regular, 4% ruim e 2,5% péssimo.