sábado, 21 de setembro de 2013

Infância negra, racismo estrutural e novos cenários na América Latina


As condições de vida das populações negras na América Latina se caracterizam pela pobreza e pela exclusão social e política, determinadas pela discriminação étnica e o racismo estrutural. Nesse contexto, as consequências das violações de direitos são especialmente prejudiciais no período da infância e adolescência, mesmo reconhecendo variações entre os diferentes países.

As múltiplas privações que caracterizam a vida de grande parte das crianças e adolescentes negros/as geram impactos diversos. Quatro em cada dez crianças não têm garantido o acesso à água potável e em vários países da América Latina uma grande quantidade desses sujeitos reside em casas sem instalações adequadas de saneamento. Além disso, estima-se que oito em cada dez crianças negras são afetadas por algum tipo de privação no acesso aos equipamentos necessários para a implementação do direito à informação. No contexto educativo, apesar dos avanços significativos, os/as negro/as dividem com os/as indígenas os mais baixos índices de escolarização e graduação, o menor rendimento e as ofertas educativas mais precárias.

Do mesmo modo, o discurso racista de desvalorização ou negação dos saberes e práticas culturais negras, presente em todos os contextos de desenvolvimento das crianças (família, escola e a comunidade) afeta diretamente o desenvolvimento psicossocial e os processos de construção identitaria, autorreconhecimento e a autovaloração. Por outro lado, no dimensionamento dos problemas que afetam particularmente as crianças, adolescentes e jovens negros/as, é necessário considerar, ainda, os outros eixos de exclusão – de classe, de geração, de gênero e territoriais – que se enlaçam nas experiências singulares, potencializando as desvantagens enfrentadas.

Não obstante as enormes iniquidades, importantes transformações socioculturais e políticas ocorridas nas ultimas décadas vêm redesenhando este panorama, redefinindo a posição das pessoas negras no cenário social e na relação com os Estados. Esses avanços são consequência da ação coletiva dos movimentos sociais na cidade e no campo, cujas reivindicações e lutas foram e continuam sendo decisivas para colocar na agenda pública e governamental seus problemas e lograr que os estados aprovem leis, instituições e políticas de promoção da igualdade racial. Neste sentido, foram grandes os avanços em termos normativos e de compromissos assumidos para a erradicação do racismo e a superação das desigualdades.

Dados os marcos normativos nacionais e internacionais de proteção de direitos, são necessários esforços conjuntos para erradicar as persistentes disparidades e injustiças de base étnico-raciais.

Para a Equidade para a Infância, é preciso expandir o conhecimento sobre a situação das crianças, adolescentes e jovens negros/as, bem como fortalecer os processos de participação, decisão e incidência política, enquanto condições básicas para a formulação de políticas públicas que atendam às suas legítimas necessidades e demandas.