quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Cid e Ciro Gomes devem deixar o PSB, levando 52 aliados


O governador do Ceará, Cid Gomes, e seu irmão, o ex-ministro Ciro Gomes, devem anunciar oficialmente nesta quinta-feira, 26, a saída do Partido Socialista Brasileiro (PSB), liderado pelo governador Eduardo Campos. A saída dos irmãos está relacionada ao rumo que está tomando o partido em relação à eleição nacional de 2014. Enquanto os Gomes defendem uma aliança com o PT e com a presidenta Dilma Rousseff para sua reeleição, o PSB acena cada dia mais rumo ao lançamento da candidatura de Eduardo Campos à Presidência. Além de Cid e Ciro, outros 52 políticos aliados à família Gomes no Ceará devem deixar o PSB para outros partidos. O destino da maioria deve ser um dos novos partidos recém-criados, provavelmente o Partido Republicano da Ordem Social (PROS), para evitar eventuais problemas jurídicos com o PSB, que poderia pedir os mandatos de volta, caso Gomes e seus aliados mudem para algum partido já existente.

Além do Ceará, Eduardo Campos já enfrentou problemas no diretório do Rio de Janeiro, que também preferia uma aliança nacional com Dilma. Diante das resistências internas, a saída que Campos têm encontrado é intervir e mudar os diretórios estaduais, mesmo que isso cause a saída de diversos políticos aliados do PSB. A cada dia a candidatura de Eduardo Campos torna-se mais provável, mesmo diante dos baixos índices de apoio eleitoral verificados nas pesquisas de opinião e da debandada de aliados em alguns Estados da nação. Resta saber quais e quantos apoios Campos conseguirá angariar para alavancar sua candidatura, que pode ficar espremida entre as candidaturas governista e oposicionista.