quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Allende vive em todos os que amam a liberdade e a justiça


Há 40 anos, no dia 11 de setembro de 1973, acompanhei pelo rádio os trágicos acontecimentos no Palácio de La Moneda, sede do governo chileno, em Santiago.

Hoje, rendo e presto uma homenagem a Salvador Allende e ao povo chileno, que derrotou a ditadura sangrenta e covarde de Augusto Pinochet. Uma ditadura nascida nas entranhas do Estado e do Governo norte-americano, organizada e promovida pela CIA, Departamento de Estado e Defesa, Casa Branca e Gabinete presidencial.

Depois de 40 anos, Pinochet e os que deram o golpe não passam de criminosos. Este é o julgamento da História, do povo chileno e da comunidade internacional. Mas Salvador Allende vive em sua obra, na memória dos chilenos e de todos os amantes da liberdade e da justiça. A verdade é revolucionária e o passado não a enterra.

Lá, os responsáveis por esses crimes contra a humanidade foram julgados e punidos. Aqui, a impunidade campeia e muitos, vivos, ainda defendem a traição e os crimes que praticaram.