segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Waldemir votará contra projeto “cacarecos” de autoria do Executivo Municipal


Durante o Pequeno Expediente da Câmara Municipal de Manaus (CMM) realizado na manhã desta segunda-feira (02), o líder do Partido dos Trabalhadores (PT), vereador Waldemir José, informou que votará contra o Projeto de Emenda, de autoria do Executivo Municipal, que modifica o artigo 258 da Lei Orgânica do Município (Loman) permitindo o aumento do tempo de vida útil dos ônibus do sistema de transporte público de 6 para 10 anos. Além disso, ele apresentará emenda aditiva ao projeto para que as empresas que descumprirem o prazo de renovação da frota sejam multadas em 1000 UFM’s (Unidade Fiscal do Município). 

Para Waldemir José, a Prefeitura institucionalizando os “cacarecos” favorecendo as empresas de ônibus e prejudicando a população, uma vez que essa emenda garante às concessionárias a não investirem em melhorias no transporte público e, ainda, põe em risco a segurança dos usuários. “Essa iniciativa só traz benefícios para as empresas, mas é ruim para população que é prejudicada por um sistema de transporte público de péssima qualidade e com preço muito caro”, argumentou o parlamentar. 

Contudo, o petista mencionou que mesmo a Prefeitura diminuindo as responsabilidades das empresas de ônibus, no que diz respeito aos gastos com investimentos, não se fala em redução do valor da tarifa, tendo em vista que os custos com a troca de veículos velhos por novos diminuirão com esse novo beneficio. “A proposta do prefeito retira mais uma grande responsabilidade desses empresários do sistema de transporte, mas em nenhum momento a redução do preço da tarifa foi cogitada. Mais uma vez a população é injustiçada pelo Poder Público”, afirmou Waldemir. 

Lembrando que nos cálculos das planilhas de custo do sistema de transporte está previsto no valor da tarifa a taxa de depreciação dos ônibus, ou seja, a população arca com o custo da renovação da frota que deveria ser anualmente, conforme o contrato de concessão, portanto não há motivos para aumentar o tempo de vida útil desses veículos.

Fonte: Assessoria de Comunicação