quinta-feira, 5 de setembro de 2013

G-20 precisa se articular para evitar efeitos globais de decisão dos EUA


A crise econômica deve ser o principal assunto na reunião do G-20 na Rússia nesta semana. A importância do encontro está na coordenação e na articulação entre os 20 países para evitar os efeitos das decisões dos Estados Unidos em relação aos juros e à política monetária sobre a economia mundial, a chinesa e a dos emergentes.

Mas não temos muitas ilusões sobre isso. Assim como age na Síria somente em função de seus interesses econômicos e geopolíticos, os EUA agirão no front econômico da mesma forma.

Assim, o mundo deve buscar soluções para a eventual retirada dos estímulos econômicos mensais que coloca na economia.

O G-20 representa cerca de 80% do PIB mundial. Com diversos países em grandes dificuldades financeiras – como é o caso de nações europeias, que insistem em seguir a receita da austeridade, que os levou não raramente à recessão –, o grupo vive hoje um momento delicado na economia.

Os países ainda não recuperaram os ritmos de crescimento e emprego anteriores à crise de 2008.

Não é à toa que a reunião preparatória do G-20 estabeleceu como prioridades o crescimento, o emprego e a erradicação dos paraísos fiscais.