sábado, 15 de junho de 2013

OS PRIMEIROS PRESOS DA COPA DE 2014


Eis a nota do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto sobre as mencionadas prisões:

O MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) faz parte da Resistência Urbana, que, ontem, dia 14/6, promoveu uma jornada nacional de manifestações questionando a Copa do Mundo Fifa 2014, evento que está provocando milhares de despejos país afora, além de submeter os brasileiros à Lei Geral da Copa, uma arbitrariedade que restringe inclusive o direito de ir e vir, bem como o de se manifestar. Isso sem mencionar os altíssimos custos do evento, pagos quase exclusivamente pelo povo.

Entre as ações de ontem, destaca-se a que ocorreu em Brasília, onde nossos militantes travaram o Eixo Monumental, principal acesso ao Estádio Nacional Mané Garrincha por mais de duas horas com grande repercussão, inclusive na imprensa internacional.

Numa reação vergonhosa, com o intuito de reprimir as manifestações e criminalizar o Movimento, o GDF (Governo do Distrito Federal) iniciou no fim da tarde, uma verdadeira caça às bruxas (expediente da Ditadura Militar!), prendendo nada menos que 5 companheiros, entre eles duas militantes da coordenação do MTST que estavam com uma criança de 4 anos! Além disso, outros vários militantes e aliados do Movimento foram perseguidos pelas polícias militar e federal durante a noite. Graças à solidariedade de nossos aliados e apoiadores, conseguimos, já ao fim da noite, a liberação de todos por meio de fiança.

Como se não bastasse nos perseguir como se fossemos criminosos de altíssima periculosidade, o GDF e a polícia militar aventaram uma série de acusações absurdas contra o Movimento. Uma delas é que as pessoas que participaram da manifestação no Mané Garrincha teriam recebido R$ 30. Nossos aliados do grupo Brasil e Desenvolvimento que participaram da ação também foram vítimas de insinuações caluniosas por parte do governo local. Essa nota vem para desmentir o GDF, a PM e a imprensa que veicula mentiras sem apurar os fatos.

O GDF de Agnelo Queiroz tem a marca da intransigência com os trabalhadores e movimentos populares. Essa característica somada aos desmandos da FIFA no período da Copa das Confederações tem como resultado a repressão contra os mais pobres. Na tentativa de nos destruir, o primeiro passo é nos calar e nos amordaçar. Mas isso não acontecerá. Seguimos questionando: Copa pra quem?

COORDENAÇÃO NACIONAL DO MTST