quinta-feira, 13 de junho de 2013

Aumento salarial: Não se fez justiça aos professores


“Perdemos a oportunidade de fazer justiça aos professores da cidade de Manaus”, foi o que desabafou o líder do Partido dos Trabalhadores (PT) na Câmara Municipal de Manaus (CMM) durante o processo de votação que aprovou o Projeto de Lei N. 240/2013 do Executivo Municipal que reajustou em apenas 10% o subsídio dos profissionais do Magistério e dos servidores da área administrativa da Secretaria Municipal de Educação (Semed), realizado na manhã desta quarta-feira (12).

De acordo com o vereador Waldemir José, mais uma vez a Câmara deixou de cumprir seu papel de defensora dos direitos da população e se submeteu às decisões do prefeito Arthur Neto (PSDB), votando num projeto sem modificações. “Estamos saindo desse debate sem a convicção de que foi feito a coisa certa, no entanto, quem perde com tudo isso é cidade. De certa forma, essa nova geração de vereadores perdeu a oportunidade de exercer seu papel”, disse o petista.

“É uma injustiça com esses profissionais. Esse parlamento poderia ter concedido o justo reconhecimento a esses trabalhadores”, afirmou Waldemir José ao argumentar que a verba deste ano para educação do município teve um aumento de 33%, contudo, não houve equivalência no reajuste salarial dos profissionais da educação que receberam apenas 10% de aumento.

Além disso, o vereador salientou que no orçamento municipal está previsto o reajuste de 10,84% linear aos profissionais da educação, mas o percentual aprovado hoje é bem menor. “Por esse motivo, propus emendas ao projeto do Executivo Municipal que o reajuste fosse de 15% para conceder um aumento mais justo à categoria, mas infelizmente não foi aprovado”, afirmou.

“Os trabalhadores em educação são responsáveis pela formação do cidadão, portanto, merecem nosso respeito e reconhecimento. O que aconteceu hoje nessa Casa demonstra a falta de interesse com a educação desta cidade”, concluiu o parlamentar.

Fonte: Assessoria de Comunicação