quarta-feira, 12 de junho de 2013

José Ricardo fala da sua preocupação com a Zona Franca de Manaus e ressalta importância em debater planejamento econômico para o AM


O deputado José Ricardo Wendling (PT) comentou com preocupação, nesta quarta-feira (12), as recentes demissões no Polo Industrial de Manaus (PIM), em torno de 10 mil somente este ano, principalmente, nos setores eletroeletrônicos, naval e de duas rodas, e a ameaça de perda de ICMS de 12% para o setor de informática. “São notícias interligadas e que geram preocupações com a Zona Franca de Manaus. Se houver a redução de ICMS para o setor de informática, vamos perder esse setor para garantir a manutenção dos eletroeletrônicos e de duas rodas”, declarou ele, ressaltando que o Estado está “jogando a toalha” para tentar sobreviver a essa “guerra fiscal”.

De acordo com o parlamentar, esses impasses demonstram que é preciso uma discussão mais ampla, definindo um planejamento econômico adequado e verdadeiro para o Estado do Amazonas. Para isso, José Ricardo está realizando Audiência Pública, no próximo dia 20 de junho, no plenário da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), em conjunto com a Comissão de Indústria, Comércio Exterior e Mercosul, presidida pelo deputado Belarmino Lins (PMDB).

Para esse debate, serão convidados também o presidente da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado Federal, Lindbergh Farias (PT/RJ); o relator do Projeto de Resolução que unifica as alíquotas de ICMS, Delcídio Amaral (PT/MS); como ainda representante da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), que tem se posicionado contrariamente aos incentivos concedidos às indústrias do Polo Industrial de Manaus (PIM). “Precisamos entender porque a Aninee é contra a Zona Franca e defender a importância dessa atividade econômica para o Estado do Amazonas”, declarou.

Nessa Audiência, será discutido o futuro da ZFM, seus impasses, como demissões no setor de componentes e discussão para que o Amazonas tenha autonomia nas regras dos Processos Produtivos Básicos (PPBs), a fim de agregar componentes regionais, além de debater sobre as alternativas econômicas para o Estado.

Esse debate terá ainda a participação da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), do Governo do Estado, dos industriais e dos trabalhadores do Polo Industrial de Manaus (PIM).

Fonte: Assessoria de Comunicação