terça-feira, 29 de outubro de 2013

Bom trabalho, doutores

A partir de 2ª feira (04.10), nada menos que 2.167 médicos estrangeiros entram em ação nas regiões mais distantes e nas periferias dos centros urbanos de nosso país. Eles se unem aos 1.499 doutores (680 estrangeiros e 819 brasileiros) que já estão em plena atividade atendendo a população até então carente de serviços médicos.

Este é o Mais Médicos, programa cujo benefício imediato será dotar da presença e do atendimento médico regiões que até agora estavam mergulhadas na mais profunda carência. Os médicos vão atuar nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) de 783 municípios, ocupando, como já tem sido sempre sido anunciado, apenas vagas que não foram preenchidas pelos doutores brasileiros.

Os cálculos indicam que 13 milhões de brasileiros serão beneficiados – hoje, o programa já atende 5 milhões de pessoas. Vale destacar que ao Nordeste, onde há maior déficit ,chegará o maior número desses profissionais: 928 doutores; seguido do Sudeste (517), Norte (358), Sul (244) e Centro-Oeste (120).

Intensa agenda

Após três semanas de capacitação e avaliação em universidades federais, os médicos chegaram no último sábado aos Estados em que passarão a atuar. Em Goiânia e São Paulo, eles foram recepcionados pessoalmente pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

Nesta semana, enquanto o Ministério da Saúde emite o registro que lhes permite atuar no país – aquele lá que os CRMs sabotaram na primeira parte do programa (leia mais) -, eles permanecem nas capitais dos Estados.

Nestas capitais, estes médicos vão estudar o sistema de saúde da região; visitar hospitais, clínicas e unidades de atendimento; e conhecer os principais problemas de saúde das localidades onde passarão a atuar a partir de 2ª feira (04.10).

São etapas fundamentais que atestam a seriedade do Mais Médicos.