sábado, 5 de outubro de 2013

Menos pobreza - Por José Ricardo Wendling*


A pobreza caiu no Brasil. Conforme os dados do IBGE, divulgados esta semana pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), 4 milhões de pessoas saíram da linha da pobreza em 2012 e cerca de 1 milhão saíram da extrema pobreza.

Vários são os motivos: redução do desemprego, aumento real dos salários e o Programa Bolsa Família. As pessoas têm mais rendimentos e, por isso, podem comprar mais bens, como fogão, geladeira, televisor, telefone, e outros itens necessários para dar mais conforto à família. Em muitos lugares, tem mais água tratada, esgoto, energia e bom transporte.

Apesar da economia não ter crescido tanto, o combate à pobreza foi maior, beneficiando os mais pobres.

Porém, esse quadro ainda não está tão bom no Amazonas, onde o Índice de Desenvolvimento Humano diminuiu em 2012, ficando em 18º lugar (0,674). Pelo IDH, das 50 piores cidades do Brasil, 14 estão no AM. Na educação, o Estado está na posição 25ª em termos de qualidade, em função das deficiências das escolas e pouca valorização dos professores e funcionários.

O interior do Estado é onde o povo sofre mais, em função de poucas alternativas econômicas e de atendimento as suas necessidades de saúde, educação e oportunidades.

Por esta razão, esta semana, aproveitamos a presença de ministros do Governo Federal para reivindicar mais investimentos para o AM, em especial, para o interior do Estado.

Para melhorar a saúde e o atendimento dos pobres, cobrei mais agências do INSS, peritos, mamógrafos e equipamentos para os hospitais e que os recursos do petróleo sejam para contratar mais médicos e enfermeiros.

Também mostramos que vários portos e aeroportos precisam ser construídos, além de expandir o Programa Luz para Todos e aproveitar a energia do Linhão de Tucuruí para atender comunidades e municípios. E para fortalecer a economia, cobramos maior autonomia da Suframa, Sudam e Banco da Amazônia para apoiar os projetos no AM.

Precisamos de muito mais para acabar com a pobreza no AM. Esses são alguns passos.

*José Ricardo Wendling é Advogado, Economista e Deputado Estadual pelo PT-Am.