quarta-feira, 30 de outubro de 2013

José Ricardo defenderá o auxílio alimentação e transporte, e o plano de saúde aos professores na LOA 2014


As seis emendas ao Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração - PCCR da educação propostas pelo deputado José Ricardo (PT) nesta quarta-feira, e que foram derrubadas na votação plenária do projeto, serão apresentadas como emendas à Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2014 – a peça orçamentária chegou hoje na Aleam. As emendas da educação foram subscritas também pelos deputados Luiz Castro (PPS) e Marcelo Ramos (PSB).

O deputado propôs emendas agregando ao PCCR benefícios básicos que não constavam na proposta encaminhada pelo Governo Estadual e que há anos fazem parte da luta dos professores, como o auxílio alimentação, plano de saúde, auxílio transporte. As outras três emendas tratam do fim da carga compartilhada, - que obriga o cumprimento da jornada de trabalho por parte dos professores em várias escolas -, garantir de que 1/3 da carga horária seja destinada para a Hora de Trabalho Pedagógico (HTP).

“Hoje os professores poderiam ser mais valorizados pelo Estado, tem a questão salarial, a falta desses benefícios, tem salas extremamente lotadas, sem falar da estrutura das escolas. Então, o plano seria a oportunidade de incluir itens que o governo já deveria ter agregado para dar mais condições de trabalho aos professores. Mas, infelizmente a base do governo recusou as emendas propostas”, disse.

Ele observou que o debate da valorização profissional dos professores remete a reflexão sobre a qualidade da educação. O parlamentar destacou que o Amazonas ainda está entre os estados com indicadores baixos em termos de qualidade da educação, com base em informações do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) realizado recentemente. A educação é um dos itens avaliados para definição do IDH. “Nossos indicadores continuam baixos em comparação a outras regiões do País, resultado de muitas escolas com estrutura precárias, sem biblioteca, sem quadra de esportes, onde os professores têm que ser o merendeiro, o psicólogo, o assistente social, o vigia, e sem garantias mínimas”, expôs. 

Fonte: Assessoria de Comunicação