quarta-feira, 2 de julho de 2014

Os reacionários voltam a ficar com medo dos conselhos de participação popular.


Durou poucos dias, praticamente nada mesmo, a voltou a guerra, os conservadores estão de armas ensarilhadas de novo contra o decreto da presidenta Dilma Rousseff, que cria os conselhos de participação popular que serão ouvidos pela administração pública na tomada de algumas decisões governamentais de interesse social.

A direita, reacionária como sempre, acha que o decreto recria o clima pré-golpe de 1964 e teve herdeiro de jornalão que dias atrás escreveu artigo quase pedindo ao povo para ir às ruas resistir e derrubar o decreto, impaciente porque o Congresso Nacional ainda não deliberou a respeito.

A questão tinha amainado um pouco, mas voltou com tudo à pauta da vanguarda do atraso com a disposição anunciada pelo presidente da Cãmara, deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), de colocar em votação o projeto de decreto legislativo do DEM que anula o decreto presidencial de criação dos conselhos de participação popular. Em matéria de atraso, sempre ele, o DEM, que já foi PFL, Frente Liberal, PDS, ARENA, UDN…até desaparecer nas urnas e/ou trocar de nome de novo…-

Planalto avisa: não revoga nem suspende o decreto

Faz muito bem o Palácio do Planalto quando anuncia, através do ministro-secretário Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, que o governo mantém-se firme, não tem a menor intenção e não suspenderá o decreto da presidenta Dilma Rousseff. Fazem tempestade em copo d’água aí, até porque dias atrás o governo demonstrou que alguns desses conselhos estão criados e funcionam há décadas e nem por isso o regime comunista foi implantado no país.