terça-feira, 12 de novembro de 2013

Waldemir defende que a cidade não precisa de Expansão Urbana Horizontal


Durante o Pequeno Expediente da Câmara Municipal de Manaus, realizado na manhã desta terça-feira (12), o vereador Waldemir José defendeu a tese de que a cidade de Manaus não precisa de expansão territorial urbana, conforme a ponta o Plano Diretor Urbano e Ambiental e, para isso, afirmou que solicitará apoio do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa) para comprovar que essa medida prejudicará a área.

De acordo com a revisão do Plano Diretor, a área que circunda a Reserva Ducke se tornará em Zona de Expansão Urbana, o que resultará na separação das matas entre a Reserva e o Parque Ecológico do Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), prejudicando a fauna dessa região que perderá território, ficando isolada e cercada por conglomerados urbanos, como o que já acontece com a fauna da mata da Ufam.

Segundo Waldemir José, a expansão dessa área significa isolar a Reserva Ducke, degradando a natureza, causando a redução de vidas animais e vegetais. “O isolamento da Reserva Ducke é um crime ambiental. Temos o dever ético de defender a área verde da cidade”, disse Waldemir.

O parlamentar defendeu a verticalização como forma de adensamento da cidade, o que seria a melhor alternativa para resolver a questão de moradia em Manaus, evitando a expansão horizontal urbana. “Afirmo que a cidade não necessita expandir sua área urbana de tal forma que cause um grave impacto à floresta. O Plano Diretor propõe o adensamento da cidade, portanto podemos colocar em prática essa ideia e resolver a questão do crescimento habitacional sem atingir as áreas verdes da capital”, pontuou Waldemir.

Fonte: Assessoria de Comunicação