sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Intensa campanha contra o governo não tira favoritismo de Dilma nas eleições


A pesquisa CNT-MDA confirma o que os recentes levantamentos anteriores já diziam: a presidenta Dilma Rousseff é a favorita nas eleições do ano que vem. Venceria até mesmo no primeiro turno, algo também já mostrado por outras pesquisas.

Se o candidato do PSB for Eduardo Campos, a presidenta tem 43,5% das intenções de voto; Aécio Neves (PSDB), 19,3%; e o governador de Pernambuco, 9,5%. Se a candidata for Marina Silva, Dilma tem 40,6%; a ex-senadora, 22,6%; e o tucano, 16,5%.

A pesquisa mostra ainda que, em relação a setembro, a rejeição da presidenta caiu (de 41,6% para 36,5%), enquanto a de Aécio (de 36,8% para 38,7%) e a de Campos (de 33,5% para 37,3%) subiram. Marina também teve aumento da rejeição (de 30,8% para 33,6%) e já quase empata com Dilma nesse ponto.

Os candidatos têm quase a mesma rejeição. Mas Dilma é mais conhecida e a dela caiu.

Chama a atenção o não crescimento de Campos na pesquisa e a consolidação da diferença enorme entre ele e Marina. Já Aécio patina e tem Serra na sua cola, dividindo o PSDB, hoje um partido sem aliados. Aliás, um problema também do PSB, da dupla Marina-Campos.

Campanha na mídia não tem o efeito desejado

Outro ponto de destaque da pesquisa CNT é que o PT continua sendo disparado o partido da preferência dos brasileiros, com 1/5 (21,5%, para ser preciso) do total. Depois, lá longe, vem o PSDB, com 4,5%. Esse desempenho do PT se dá mesmo com a intensa campanha contra o partido na mídia brasileira.

Em relação ao governo, a avaliação segue estável, com 38% de bom e ótimo, 37,7% de regular e 22,7% de ruim e péssimo. Já a aprovação da presidenta supera a desaprovação: 58,8% aprovam, e 38,9% desaprovam.

São boas notícias, já que nunca se viu uma campanha ampla, geral e irrestrita de críticas à condução do governo e da economia como a das últimas semanas.