quarta-feira, 13 de novembro de 2013

A vez dos morcegos - Por Francisco Praciano*


Há mais de 30 anos o Sesc tem realizado Feiras de Livros em várias cidades do país, com programações que incluem exposição e venda de livros, shows culturais e atividades de incentivo à leitura, além de palestras proferidas por escritores locais e nacionais.

Em Manaus, a 27ª Feira de Livros do Sesc ocorreu nesse último final de semana no Manaus Plaza Centro de Convenções e prestou homenagem a Alcides Werk, poeta que, apesar de ter nascido no Mato Grosso do Sul, viveu a maior parte de sua vida no Amazonas e escreveu belíssimos poemas sobre a nossa floresta, nossos rios e nossos igarapés.

Eventos como esse são importantes, uma vez que contribuem para a divulgação dos trabalhos dos nossos poetas e escritores e também possibilitam que o leitor conheça pessoalmente seus autores preferidos e até converse com eles. Apesar disso, é preciso reconhecermos que faltam, principalmente para os nossos jovens, políticas públicas de incentivo à leitura e à produção literária. E o pior: falta, também, sensibilidade aos nossos governantes para que reconheçam a importância da elaboração dessas políticas públicas.

Há alguns anos, quando era vereador em Manaus, apresentei um projeto de lei batizado de ‘Viaje nas Artes’, que obrigava as empresas de ônibus a afixarem, nas paredes internas dos coletivos, cartazes contendo poemas e letras de músicas de autores locais e nacionais. O projeto que, com certeza, contribuiria para aumentar a cultura e a consciência crítica do nosso povo, não foi aprovado.

Se tivesse sido aprovado, o usuário de ônibus em Manaus faria o seu trajeto lendo, por exemplo, poemas como ‘Da Espera’, de Alcides Werk, que diz: “Direi aos pássaros que esperem/ enquanto perdurar a ronda dos morcegos/ Mas, quando se avizinhar a madrugada/ Exigirei que todas as canções tecidas no silêncio/ deixem o verde tímido dos bosques/ e povoem de som as avenidas/ para que os homens se alegrem/ e conheçam que o mundo é bom”.

A vez ainda é dos morcegos. Não tenho dúvidas, porém, de que a madrugada chegará.

* Francisco Praciano é deputado federal pelo PT-Am.