terça-feira, 9 de setembro de 2014

'Se virem. Não colaboro com inimigo', diz militar à Comissão da Verdade.


Convocado para depor à Comissão Nacional da Verdade, o tenente do Exército José Conegundes do Nascimento se recusou a comparecer a audiência, sob alegação de que não colabora “com o inimigo”. O coordenador do grupo, Pedro Dallari, disse nesta segunda-feira (8) que pedirá investigação do Ministério da Defesa e classificou a atitude do militar como uma “afronta”.

O tenente da reserva do Exército José Conegundes do Nascimento, que atuou na repressão à Guerrilha do Araguaia, foi convocado no último dia 29 a prestar depoimento na sede da Comissão da Verdade, em Brasília. Ele, porém, devolveu o ofício em 3 de setembro com um recado escrito de próprio punho: “não vou comparecer. Se virem. Não colaboro com o inimigo”.

Além de Conegundes, o general do Exército José Brandt Teixeira também se recusou a comparecer alegando que, “segundo orientação do Comando do Exército, as convocações devem partir daquela autoridade”.

Pedro Dallari disse que vai pedir para que o Ministério da Defesa apure eventual infração disciplinar por parte dos dois oficiais da Reserva, mas ponderou que ambos possam estar passando por “desequilíbrio” devido à idade avançada.

“É uma afronta à comissão, que foi constituída por lei e tem o direito de colher esses depoimentos. Optamos por informar o ministro da Defesa para que a pasta apure, até porque estamos diante de uma infração disciplinar e terá que se verificar se isso não está decorrendo até de problemas de saúde, tal a gravidade da afronta, já que são pessoas idosas”, afirmou o coordenador.

A resistência de muitos oficiais a comparecer aos depoimentos, segundo Dallari, está sendo “estimulada” pela atitude das Forças Armadas em não reconhecer que houve violações aos direitos humanos em suas dependências durante a ditadura.

“Há uma resistência por parte desses depoentes em colaborar com a comissão e nós temos absoluta clareza de que eles, de certa maneira, estão sendo estimulados pelo fato de que até hoje as Forças Armadas se recusam a reconhecer que houve tortura e graves violações aos direitos humanos, na qual tiveram papel protagonista”.

O colegiado tenta durante esta semana convocar novamente oito militares que já se recursaram a prestar esclarecimentos sobre eventuais episódios de tortura cometidos por agentes do Estado. Três deles – o coronel Sebastião Rodrigues de Moura, conhecido por Major Curió, o coronel Leo Frederico Cinelli e o sargento Ênio Mandetta – alegaram problemas de saúde, por isso a comissão está negociando colher os depoimentos em casa.

Estavam marcadas para esta segunda-feira (8) as oitivas de cinco testemunhas, mas apenas o general de brigada Ricardo Agnese Fayad compareceu. Ele, porém, permaneceu em silêncio e não respondeu a nenhum dos questionamentos feitos pela comissão.

Folhas de alteração

O coordenador da CNV, Pedro Dallari, disse que a comissão conseguiu obter junto aos comandos do Exército, da Aeronáutica e da Marinha as folhas de alteração de 115 militares – documentos que mostram o histórico da vida funcional dos oficiais, desde diárias pagas pela corporação até o registro de viagens.

O documento vai ajudar a cruzar informações colhidas em depoimentos com os registros oficiais dos comandos militares. Entre os 115 oficiais, estão o tenente-coronel Paulo Malhães – que foi encontrado morto após prestar informações à comissão – e o coronel Wilson Machado – acusado de participação no atentado do Riocentro, em 1981.

Há um ano a comissão tentava ter acesso às folhas de alteração. “É muito importante porque registra passo a passo toda a trajetória funcional de um militar”, explicou Dallari. “Havia sistematicamente uma resistência ao fornecimento, recorremos então ao ministro da Defesa, que nos forneceu”.