sexta-feira, 24 de maio de 2013

EMPRESA DO RIO FOI FOCO DE BOATOS DO BOLSA FAMÍLIA


Polícia Federal descobriu indícios de que uma central de telemarketing com sede no Rio de Janeiro foi usada para difundir o boato sobre a extinção do Bolsa Família; mensagem de voz distribuída anuncia o fim do programa, segundo dados do inquérito aberto no início da semana; ainda não se sabe, contudo, se há um grupo político por trás das mensagens, que podem ter sido a origem da corrida de milhares a agências da Caixa Econômica.

A Polícia Federal descobriu indícios de que uma central de telemarketing com sede no Rio de Janeiro foi usada para difundir o boato sobre a extinção do Bolsa Família. Uma mensagem de voz distribuída pela central anuncia o fim do programa, segundo dados do inquérito aberto no início da semana a partir de determinação do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

A falsa informação levou milhares de pessoas a agências da Caixa Econômica Federal, em busca do benefício. Nestas semana, Cardozo já havia dito que a disseminação do boato parecia ser "orquestrada". "Isso chama a atenção porque tivemos a eclosão [dos boatos] em vários pontos diferentes do território nacional e com uma velocidade espantosa. Não podemos afastar a hipótese de ter havido orquestração desses boatos sabe-se lá por que razão", comentou, acrescentando que haverá rigor nas punições.

A polícia tentará agora descobrir quem contratou os serviços de telemarketing e se, de fato, existe algum grupo com interesse político-eleitoral por trás da tentativa de se assustar os beneficiários do programa. A partir da próxima semana, a polícia deve ouvir as 200 primeiras pessoas a fazer saques após o início da disseminação dos boatos sobre o fim dos programas.