domingo, 26 de maio de 2013

Internet continua limitada no Amazonas

Mesmo com o crescimento no número de computadores nas casas, o serviço de internet ainda deixa a desejar.

O avanço no número de casas com microcomputadores ligados à internet no Amazonas está longe de ser sinônimo de qualidade no acesso ao serviço no Estado, sobretudo em Manaus.

Mesmo com o aumento de domicílios conectados à rede mundial de informações, a população tem sofrido com a interrupção do sinal, baixa velocidade da conexão e falta de cobertura.

Pesquisa divulgada, na semana passada, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelou que até 2011, 37,3% dos domicílios do Amazonas estavam conectados à internet contra apenas 10,5% da população on-line em 2005, uma diferença de 26,8 pontos percentuais.

O avanço possibilitou ao Estado ocupar o décimo oitavo lugar entre as capitais brasileiras com maior acessibilidade à internet, cinco posições acima do registrado em 2005.

O disseminador de informações do IBGE no Amazonas, Adjalma Nogueira, responsável pela divulgação da pesquisa, avalia o crescimento. "O levantamento demonstra que a disponibilidade do serviço de internet cresceu em todos os níveis e já atinge pessoas de diferentes classes sociais, diferente do que acontecia há cinco anos atrás", afirma.

Por outro lado, na análise de Nogueira a qualidade não acompanha o crescimento. Para ele, o custo continua alto e o acesso deficiente. "Os principais problemas são a qualidade da conexão e a falta de cobertura em vários pontos da cidade e uma velocidade de conexão deficitária. Há uma crescente demanda por parte do usuário mas os serviços estão aquém do crescimento", opina.

Conforme a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (Secti-AM), desde 2010, estudos visando soluções para a qualidade da internet tem sido realizados com base em análises que indicavam o alto custo e a baixa capacidade da internet no Amazonas.

Segundo a chefe do Departamento de Apoio à Pesquisa (DAP) da Secti-AM, Luzia Raquel Queiroz Rodrigues, a secretaria iniciou um levantamento da infraestrutura de fibra ótica existente no Estado.

"A partir daí, articulamos parcerias com as detentoras das fibras para levar a internet de qualidade à capital e aos municípios pelos quais passam essas fibras", justifica sem detalhar investimentos.

Segundo pesquisa do IBGE, em 2011, havia 281 mil domicílios com computador no Amazonas, dos quais, 208 mil estavam conectados a internet.