sábado, 25 de maio de 2013

O Planeta Terra suporta o ritmo do consumismo atual?

O ser humano não é dono, mas sim inquilino da Terra. A humanidade depende da disponibilidade de terra, água e ar no planeta. Ultrapassar os limites existentes significa caminhar para o suicídio. Assim, após 200 anos de desenvolvimento econômico, propiciado pela Revolução Industrial, a população mundial ganhou com a redução das taxas de mortalidade e o crescimento da esperança de vida.

O consumo médio da humanidade disparou. Entre 1800 e 2010 a população mundial cresceu, aproximadamente, sete vezes (de 1 bilhão para 7 bilhões de habitantes) e a economia (PIB) aumentou cerca de 50 vezes.

Terra possui aproximadamente 13,4 bilhões de hectares globais (gha) de terra e água biologicamente produtivas, para uma população mundial de 7 bilhões de habitantes. Isso significa que para sustentar essa população seriam necessários 18,1 bilhões de gha. Ou seja, já ultrapassamos a capacidade de regeneração do planeta.

Se a população mundial adotasse o consumo médio do continente africano, poderia atingir 9,6 bilhões de habitantes. Se o consumo médio mundial fosse igual à média asiática, a população mundial poderia ser de 7,4 bilhões de habitantes. Com base no consumo da Europa, não poderia passar de 2,9 bilhões de habitantes.

Qual é a perspectiva para as próximas décadas? De acordo com dados da Divisão de População da ONU, em 2050 a população mundial deve atingir 8 bilhões de pessoas, na projeção baixa, 9 bilhões, na projeção média, e 10 bilhões, na projeção alta. Nas previsões do FMI, a economia mundial deve crescer acima de 3,5% ao ano de 2010 a 2050. Isso significa que o PIB mundial vai dobrar a cada vinte anos ou se multiplicar por quatro até 2050. Portanto, o mais provável é que a Terra tenha mais 2 bilhões de habitantes nos próximos quarenta anos e uma economia quatro vezes maior. O planeta suporta?

Não há, evidentemente, como manter esse crescimento nos padrões de produção e consumo atuais. Para que a humanidade possa sobreviver e permitir a sobrevivência das demais espécies, será preciso promover uma revolução na matriz energética, incentivar a eficiência do uso de energia, reciclar e reaproveitar o lixo. Enfim, reduzir os desperdícios em todas as suas formas.

Nesse contexto, proteger a biodiversidade; desestimular a cultura do consumismo; avançar com a aquicultura. Incentivar o vegetarianismo é um modo de diminuir o consumo de carnes e os impactos da agropecuária.

Portanto, hoje, por conta do atual ritmo de consumo, a demanda por recursos naturais excede em 50% a capacidade de reposição da Terra. Se a escalada dessa demanda continuar no ritmo atual, em 2030, com uma população estimada em 8,3 bilhões de pessoas, serão necessárias duas Terras para satisfazê-la.