domingo, 26 de maio de 2013

Entidades sindicais no Amazonas estão nas mãos de partidos políticos



Apenas um sindicato não possui dirigente com filiação partidária.

Os principais sindicatos classistas do Amazonas são presididos por integrantes de partidos políticos, de acordo com dados disponíveis no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Os dados revelam que sete partidos políticos presidem 15 principais entidades sindicais do Estado.

Partido que tem como membro o ex-prefeito Amazonino Mendes, o PDT, tem entre seus filiados quatro presidentes de entidades sindicais. Em Manaus, o PDT tem representantes na presidência do Sindicato dos Funcionários da Polícia Civil do Estado do Amazonas (Sinpol), Sindicato dos Bancários do Amazonas (SEEB-AM), Sindicato dos Farmacêuticos no Estado do Amazonas (Sinfar-Am) e Sindicato dos Contabilistas no Estado do Amazonas (Sindcontab-Am).

Para o secretário-geral do PDT no Amazonas, Dermilson Chagas, a existência de líderes sindicais filiados a partidos políticos é positivo para as entidades classistas. “Todos mundo tem uma ideologia e isto reflete também nos sindicatos. Mas são coisas distintas, não há interferência partidária dentro dos sindicatos, isto é bem claro e plausível”, afirmou Chagas.

Com sua origem no meio sindical, o PT possui entre seus filiados três presidentes de sindicatos em Manaus: Sindicato dos Metalúrgicos (Sindmetal), Sindicato dos Servidores Públicos no Amazonas (Sindsep) e Sindicato dos Petroleiros do Amazonas (Sindipetro-Am).

Outro partido com forte tradição sindical, o PCdoB possui dois de seus membros na presidência do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam) e Sindicato dos Vigilantes do Amazonas (Sindevam).

O presidente do Sinteam, Marcus Libório, afirma que as duas atividades não se confundem. “Uma coisa é a política sindical e outra é a partidária. Um dirigente de um sindicato ser membro de um partido não interfere em nada na política sindical. Todos os presidentes dos grandes sindicatos são filiados a partidos políticos, isto não acontece somente com os sindicatos, mas também em outras associações. Acontece que o líder sindical não pode levar o partido para dentro do sindicato. Se isto acontece, aí atrapalha sim”, opinou Libório.

Exceção

Praticamente uma exceção à regra, o presidente do Sindicato dos Vendedores Ambulantes de Manaus, Raimundo Inácio Ferreira, não é filiado a nenhum partido, mas acredita que a prática não atrapalha a atuação sindical. “O problema só acontece quando a pessoa entra em um partido para sair candidato a cargos eletivos como vereador, por exemplo, e usa o sindicato para atingir este objetivo”, salientou Ferreira.

Crítico da relação entre partidos políticos e sindicatos, o antropólogo Ademir Ramos não vê com bons olhos a relação entre estas instituições. “Isto não é natural. Isto acontece com sindicatos, instituições estudantis e outras, com pessoas que usam estas instituições para serem ‘puxadinhos’ dos partidos políticos.

Representatividade - 188 sindicatos atuam no Amazonas, de acordo com o Cadastro Nacional de Entidades Sindicais do Ministério do Trabalho e do Emprego;
  • 129 entidades sindicais representam trabalhadores e 59, são o de empregadores;
  • 65 entidades de classe do Amazonas representam empregados da iniciativa privada, outros sete são de profissionais liberais;
  • 16 sindicatos do Estado são formados por servidores públicos municipal, estadual ou federal.