terça-feira, 11 de março de 2014

Vereador aciona TCE para fazer auditoria nas empresas de transporte público da cidade


Por ocasião das afirmações do Superintendente Municipal do Transporte Urbano (SMTU) Pedro Carvalho, durante a reunião da Comissão de Transporte, Viação e Obras Públicas da Câmara Municipal de Manaus (CTVOP/CMM), realizada no último dia 28, para tratar dos primeiros resultados do uso da faixa exclusiva para os ônibus na Avenida Constantino Nery, de que 5 empresas que compõe o sistema de transporte público estão falidas, o vereador Waldemir José (PT) anunciou que entrará com representação junto ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) para fazer uma auditoria nas contas dessas concessionárias e que fará indicação ao prefeito para que seja instalada a comissão paritária para discutir o preço justo da tarifa de ônibus.

De acordo com Pedro Carvalho, as empresas falidas que herdaram o débito das anteriores detêm mais da metade da frota total de Manaus, situação preocupante para o SMTU. “A Global, por exemplo, tem um grave problema. Temo que ela, repentinamente, deixe de rodar, isso causará um caos à população”, disse Carvalho.

Para Waldemir José, essa situação é absurda e inaceitável, uma vez que a Prefeitura é conhecedora do assunto e nada faz, portanto a intervenção TCE é importante para esclarecer essas afirmações. “Uma declaração como essa feita pelo próprio gestor não pode passar despercebida e sem nenhuma investigação. São graves essas denúncias, portanto, necessitam de esclarecimentos. Estamos com uma ‘bomba relógio’ nas mãos que pode estourar a qualquer momento prejudicando especialmente a população usuária do transporte publico”, afirmou o parlamentar. 

Além disso, ele relembrou que durante a leitura da Mensagem Governamental do Executivo à CMM do ano passado, o prefeito Arthur Neto falou que a acataria a proposta de criação da Comissão Paritária, de autoria do parlamentar petista, formada por membros do Executivo, do Legislativo, da sociedade civil organizada, Ministério Público, estudantes e empresários para analisar o valor da tarifa de ônibus praticado em Manaus e propor preço o justo, o que não ocorreu até o momento. 

“Em janeiro do ano passado sugeri ao prefeito a criação de uma comissão para discutir o valor da tarifa. Foi acatada publicamente por ele, mas ate hoje não foi efetivada. Será que vai ser mais uma promessa?”, concluiu.

Fonte: Assessoria de Comunicação