quinta-feira, 27 de março de 2014

Mais municípios do Amazonas com problemas nas escolas e delegacias


O funcionamento do anexo da Escola Estadual Jamil Seffair, em Manacapuru, há anos, num espaço totalmente inadequado, no prédio de uma igreja evangélica, foi uma das denúncias feita pelo deputado José Ricardo hoje (26), na sessão ordinária da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE). O parlamentar encaminhará relatório da situação encontrada na unidade de ensino, e solicitará o aluguel de um prédio apropriado, ou então, a ampliação da escola.

José Ricardo esteve também nas Escolas Estaduais, Cecília Carneiro e Isaías Vasconcelos, em Iranduba, e, o descaso na área da educação se repetiu. Na Cecília Carneiro, a reforma estava programada para exatamente o meio deste ano, o que demonstra a falta de planejamento básico, já que começar as obras nesse período prejudicaria todo o ano letivo dos alunos. No caso, da Isaías Vasconcelos, a reforma terminou em novembro de 2013, porém, na visita feita pelo deputado foram verificados vários problemas, como instalações elétricas danificadas, bibliotecas com livros no chão, computadores paradas aguardando manutenção. “Observando as dependências dessa escola, ficamos nos perguntando: que reforma foi essa realizada pelo governo?”, questionou.

No Centro de Ensino Tempo Integral (Ceti), também em Iranduba, os estudantes estão sendo liberados às 12h, por falta de professores e ausência de programações pedagógicas pertinentes ao plano de ensino de um sistema tempo integral. “Essa é a realidade das escolas do Amazonas. E, olha que estamos falando de escolas de municípios próximos de Manaus”, afirmou.

O parlamentar aproveitou ainda, para verificar o estado da delegacia de Iranduba, e o que ele encontrou foram celas projetadas para comportar oito detentos com exatamente 38 pessoas abarrotadas.

Os relatórios das visitas feitas pelo deputado José Ricardo serão encaminhados às respectivas Secretarias do Estado, para dar conhecimento aos gestores estaduais da situação tanto das escolas quanto da delegacia visitadas, e requerer providências. 

Fonte: Assessoria de Comunicação