quarta-feira, 12 de março de 2014

Professores da Ufam param atividades na próxima semana

Em 2012, os professores da Universidade Federal do Amazonas ficaram quase 100 dias parados, na maior greve da história da Ufam

Os professores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) suspendem as atividades na próxima quarta-feira (19), Dia de Paralisação Nacional dos Docentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Ifes).

Segundo o presidente da Associação dos Docentes da Universidade Federal do Amazonas (Adua), José Belizario, a suspensão das atividades representa a retomada da agenda de lutas da categoria, iniciada com a protocolização da pauta dos docentes das Ifes no Ministério da Educação (MEC), dia 26 de fevereiro. A categoria também solicita uma audiência com o órgão. “Parar é uma forma de sensibilizar o governo federal, na perspectiva de atender às reivindicações dos docentes”, afirmou Belizario.

A valorização salarial, levando em conta o alto custo de vida no Amazonas, configura um dos principais eixos de luta dos professores da Ufam, que, segundo a Adua, apresenta remuneração inferior a de servidores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e da Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

De acordo com Belizario, essa desvalorização apresenta escala ainda mais desigual no caso dos servidores lotados fora da sede, privados de serviços básicos e de uma Gratificação Especial de Localidade (GEL), destinada à garantia da isonomia. “Neste contexto, há uma gritante diferença no custo de vida entre as regiões do Brasil e as cidades do interior e a capital, que são agravadas com o isolamento imposto pelas distâncias geográficas”, disse ele.

Sintomática na Ufam, a precarização das condições de trabalho, segundo Belizario, também põe a infraestrutura e os equipamentos adequados para o desenvolvimento das atividades no rol de reivindicações dos docentes da universidade federal. Conforme o docente, a categoria sofre com a sobrecarga de trabalho no âmbito do ensino e a fragilização das atividades de pesquisa e extensão, gerando muitas vezes o adoecimento do trabalhador.

Os professores da Ufam também pretendem trazer para o centro da discussão a importância da autonomia universitária, tão debatida nos últimos meses e igualmente ameaçada pela retirada de direitos trabalhistas como férias remuneradas durante afastamento para capacitação; privatização do Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV) através da adesão à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh); relutância da administração superior em apresentar no Conselho Universitário (Consuni) o Relatório da Estatuinte, iniciada em 2011 e concluída dois anos mais tarde, graças à pressão do movimento docente na Ufam.

Programação

No Dia Nacional de Paralisação, 19 de março, os professores da Ufam ficarão concentrados, a partir das 7h, no Bosque da Resistência, na entrada do Campus Universitário da instituição, com intuito de sensibilizar a comunidade acadêmica para a necessidade de luta conjunta por melhorias para a universidade pública.

Sintesam recorre ao MPF contra empresa

A Coordenação Executiva do Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Superior do Estado do Amazonas (Sintesam) vai ingressar com ação civil pública no Ministério Público Federal (MPF) para o cancelamento do contrato de adesão firmado entre a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e a Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), em novembro de 2013, para administrar o Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV). A ação, segundo a categoria, é motivada por vários aspectos, sobretudo a quebra de autonomia universitária e por ferir o estatuto do servidor público.

Atualmente a universidade mantém mais de 200 servidores no HUGV em funções técnicas e administrativas. O Sintesam posicionou-se contrário ao mecanismo de desvio de função, considerado exploração do trabalhador, uma vez que não oferece garantias de benefícios ao servidor. Mas, os coordenadores ressaltaram a necessidade de diálogo com trabalhadores envolvidos antes da efetivação da determinação pela Ebserh.

Fonte: http://www.d24am.com/noticias/amazonas/professores-da-ufam-param-atividades-na-proxima-semana/107881