segunda-feira, 24 de março de 2014

Eduardo Campos, a renovação da política brasileira! - por Frederico Passos*


E começou a campanha eleitoral. E começou a todo vapor. E sabe quem deu a largada? O Eduardo Campos, do Partido Socialista. O quê?! Você não conhece o Dudu? Ele é o candidato que carrega um partido fantasma (a Rede) em seu partido. É aquele candidato que era um dileto amigo de seu conterrâneo, o ex-presidente Lula. É aquele que teve a mãe, Ana Arraes, indicada para o TCU, com apoio de Lula e de toda a base governista no Congresso. Sim, caros leitores, coube a ele, ao novo Judas da política nacional, iniciar a campanha eleitoral. 

Só que ele começou com uma fala torta, desprovida de qualquer sentido político e eleitoral. Principalmente eleitoral. Disse Dudu, no último final de semana, que “não dá mais para ter quatro anos da Dilma que o Brasil não aguenta mais. O Brasil não aguenta e o povo brasileiro sabe disso. É no Brasil inteiro” (grifo meu). Sinceramente, deu vontade de rir. Acredito que seus assessores não tenham dito a ele que as intenções de voto na presidenta Dilma são favoráveis a ela. E que tanto no Datafolha quanto na pesquisa do Ibope, divulgadas, Dilma levaria a eleição no primeiro turno. E no Nordeste, região do Dudu, segundo o Datafolha, Dilma tem 59% das intenções de voto contra 17% de Eduardo Campos. Por isso, pergunto: como, então, o Brasil não aguenta mais a Dilma? Por acaso o Dudu estava fazendo seu discurso na Sibéria?

Mas o que achei interessante foi a repercussão do discurso inflamado do Dudu nas primeiras páginas dos grandes jornais (O Globo, Folha, Estadão, Jornal do Brasil etc.). Afinal, sua candidatura precisa de um empurrãozinho, precisa criar musculatura, precisa de oxigênio; do contrário, Aécio não vai para o segundo turno. Este sim, o verdadeiro candidato dos poderosos.

O grande problema do Dudu é, com certeza, a sua vice, Marina Silva. E por quê? Porque Marina tem o dobro de votos do Dudu nas duas pesquisas divulgadas. Talvez Eduardo Campos seja o único candidato a presidente da história do universo a ter uma vice com mais intenções de voto do que ele. Para os socialistas, Marina não parece uma candidata a vice, e sim um encosto! Vocês já tinham visto isso, caros leitores e únicos amigos?

Outro problema do Dudu é o seu discurso querendo mostrar que ele representa o novo. Que a política precisa da renovação de seus quadros e blá, blá, blá. Que blefe! Recentemente, Jorge e Paulo Bornhausen, ambos considerados ícones do liberalismo econômico, que já transitaram pelo PFL e pelo DEM, filiaram-se ao PSB. Quanta novidade! Outra figura ilustre que se filiou ao PSB foi o ex-senador Heráclito Fortes. Ele já foi até da extinta Arena. Quanta renovação, Batman! – diria um assustado Robin. Sinceramente, já vi comunista virar socialista, com foi o caso do deputado Marcelo Ramos, mas neoliberal virar socialista... Isso nunca! 

Outra curiosidade na campanha do Dudu. Em Goiás, sua candidatura receberá o apoio do não menos ilustre Ronaldo Caiado. O ruralista mais socialista que conheço! Com tanta renovação em seus quadros, acredito que o PSB entrará para a história como o partido que foi sem nunca ter sido.

Só sinto pela Marina, que terá de ficar com esses neossocialistas do PSB nos palanques. Logo ela que também prega renovação na política brasileira. É o mais do menos.