segunda-feira, 31 de março de 2014

O TRÁFICO DE SERES HUMANOS - por Júlio Lázaro Torma


Um dos grandes males do mundo globalizado, ou da globalização sem fronteiras é o chamados tráfico de seres humanos, que pode acontecer em um país, estado e a nível global, de diferentes maneiras desde a escravidão de trabalhadores no campo, indústria e a sexual. Em que são submetidos crianças, homens, mulheres e adolescentes.

O tráfico de seres humanos é hoje segundo a ONU, a terceira atividade ilegal mais lucrativa que gera em torno de 32 bilhões de dólares anual, só perdendo para o tráfico de armas e de drogas. Sendo que 90%do TSH são de mulheres e crianças do sexo feminino, além do tráfico de órgãos.

O ser humano na lógica capitalista e da globalização neoliberal é segundo Karl Marx (1818-1883), "mercadoria", pois no " capitalismo tudo é mercadoria", o ser humano tem valor de mercado é visto como produto descartável.

Muitas pessoas traficadas são vítimas da pobreza, miséria, analfabetos, sem perspectiva de vida ou trabalho que caem no " conto" do gato ou do " traficante" e são traficadas para trabalhar nos paraísos de turismo sexual, casas noturnas, nos grandes centros urbanos ou em outros países como Portugal, Espanha, Israel, E. U.A, Japão e China.
Além de trabalhadores retrucados no sul para fazendas do Centro-Oeste,do Nordeste para a região amazônica ou indústrias do Sul ( Rio- São Paulo), onde são vítimas do trabalho escravo, sem direitos trabalhistas e vivendo em péssimas condições de moradias sem direito a uma alimentação digna.
No Brasil há diversas rotas de tráfico para a prostituição, de pedofilia, como de brancas de olhos azuis e verdes do sul para o sudeste ou nordeste, de nordestinas para os garimpos ou madeireiras da amazônia ou para o exterior, geralmente das regiões pobres (nordeste, amazônia e centro oeste), segundo dados oficiais sobre o tráfico sexual de mulheres, crianças e adolescentes até 2012, havia 214 rotas, sendo 110 relacionadas ao tráfico interno e 131, ao tráfico internacional.

O Brasil é um dos maiores exportadores de mulheres, principalmente de afrodescendentes, mulatas, chamadas de " produto nacional", " artigo exportação", entre 13 a 23 anos, ou brancas de origem européia do sul. Tal crescimento do tráfico é segundo um dono de bordel, em entrevista á revista Macleans, afirma:
"Vender mulher dá mais grana que vender arma ou droga.Porque droga e arma você só vende uma vez.Mulher você vai revendendo. Até ela morrer de AIDs, ficar louca ou se matar".

Ou com fala a gerente de uma agência de acompanhantes:"eu sou empresária, a mulher vale mais do que o homem neste negócio".

Podemos ver que a mulher é a principal vítima e perde a sua condição de ser humano e cidadã, onde se torna objeto de mercado e os bordeis empresas de fachada para lavar o dinheiro sujo do tráfico que beneficia as transnacionais do sexo e os grupos oligárquicos dos países e cidades pobres.
O TSH é a maior fonte de lucro das máfias, " triades chinesas, Yakuza (Japonesa), redes tailandesas, máfia russa, redes nigerianas, grupos da Ucrânia, Geórgia, Polônia e Albânia", sendo que no Brasil e América Latina agem as triades chinesas e a Yakuza que traficam mulheres para a Europa Ocidental e Japão.

Além de beneficiar campanhas eleitorais de partidos políticos liberais conservadores nos grotões do país e que faz com que a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da prostituição infantil, tráfico humano, esteja parada no Congresso Nacional, pois é sabido que muitos políticos estão envolvidos no tráfico e podem perder o seu poder e ser revelado as suas ligações com as máfias transnacionais da " escravidão moderna".

Assim como o tráfico de armamentos e drogas é exigido combate rigoroso das autoridades, o TSH é uma grave violação do ser humano e exige da sociedade formas rígidas para a sua erradicação e de uma vida digna para as suas vítimas.