quarta-feira, 21 de maio de 2014

Emendas de reajuste salarial para os professores apresentadas por Waldemir são rejeitas na Câmara.


Durante a votação do Projeto de Lei de autoria do Executivo Municipal que prevê as mudanças no Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) dos professores da rede municipal de ensino, realizada na manhã desta quarta-feira (21), no plenário da Câmara Municipal de Manaus (CMM), o vereador Waldemir José (PT), juntamente com a vereadora Rosi Matos, também do PT, apresentou três emendas ao projeto, mas foram rejeitadas pela base aliada do prefeito, que justificou que a iniciativa fere a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Nas propostas defendidas pelo vereador, a primeira, previa um reajuste salarial de 20% para os profissionais de educação; a segunda determinava que os professores de 20h passariam a ganhar R$300 de auxílio alimentação e os de 40h e carga dobrada receberiam R$600; já a terceira emenda, regulamentava a implantação das Horas de Trabalhos Pedagógicos (HTP) dos professores. 

De acordo com o Waldemir José, apesar do aumento de 10% no salário dos professores, as emendas apresentadas representavam uma maior valorização desses profissionais que lutam há anos por melhores condições de trabalho e por uma educação de qualidade para cidade.

O parlamentar afirmou, ao defender suas propostas, que a Câmara ao rejeitar essas emendas, deixou, mais uma vez, de cumprir seu papel de defensora dos interesses da sociedade. “Essa Casa tinha condições de conseguir um aumento salarial maior para os professores, mas se submeteu às decisões do prefeito”, disse Waldemir ao comparar a Casa Legislativa como um anexo da Prefeitura.

“Acredito que a implantação do HPT, o reajuste de 20% no salário dos profissionais de educação e o aumento no valor do auxílio alimentação, se aprovados, seriam a concretização de um direito, tão duramente buscado pelos professores”, pontuou Waldemir.

Fonte: Assessoria de Comunicação