sexta-feira, 30 de maio de 2014

Brasil caminha a passos largos no combate à extrema pobreza.


Erradicar a extrema pobreza no Brasil não é e nunca foi uma utopia. Pelo contrário. Para governo preocupado com o social esta é uma meta viável e exequível. E é neste caminho que estamos indo, a passos largos, como mostra o 5º Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), divulgado pelo Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA).

O estudo cobre os últimos 22 anos – entre 1990 e 2012 – e mostra claramente que a extrema pobreza, finalmente, despencou no nosso país: passou de 25,5% (1990) para 3,5% (2012). Uma vitória, sem precedentes na história do Brasil, que mostra muito mais que os índices do PIB – importantes, ninguém nega - que estamos sim sr. seguindo a direção certa e no sentido de erradicar a extrema pobreza em nosso país.

Segundo o IPEA, no ano passado, a taxa de extrema pobreza equivalia a 1/7 daquela no começo da década de 90. Evidente que muito disso se deve a programas como o Bolsa Família, Cadastro Único e Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), da agricultura familiar, Plano Brasil Sem Miséria e tantos outros que intensificaram a queda durante os governos Lula e Dilma.

Índice de crianças na miséria caiu de 21,3% para 6,0%

Só para vocês terem uma ideia dos números, o índice de crianças brasileiras na miséria em 1990 era de 21,3%; hoje é de 6,0%. Naquela época, existiam 8,0% de idosos sob extrema pobreza; agora, eles representam 0,7%. Vale destacar ainda que 13,4% de homens e mulheres eram miseráveis no começo da década de 90. Hoje, o índice é de 3,5% de homens e 3,6% de mulheres.

O levantamento também trata da questão das desigualdades raciais que, lamentavelmente, ainda persistem no Brasil. Em 1990, 8% dos extremamente pobres eram brancos e 20,1% eram negros. Em 2012, o número caiu para 2,1% entre os brancos e 4,8% entre os negros.

O IPEA destaca ainda a importância da formalização do trabalho e do aumento do salário mínimo no combate à extrema pobreza. Segundo o Instituto, a formalização que oscilou em torno dos 46% entre 1992 e 2005, a partir daí veio aumentando e em 2012 chegou a quase 58%.

Melhoramos no Coeficiente Gini, que mensura desigualdades

Todas essas transformações levaram à diminuição do nosso Coeficiente de Gini. Como vocês sabem, pelo índice mundialmente utilizado para mensurar a redução de desigualdades, quanto mais próximo de um, maior é a desigualdade. Em 1990, o índice equivalia a 0,612. Em 2012, 0,526.