quarta-feira, 28 de maio de 2014

A bola chutada fora pelo Ronaldo Fenômeno.


Poxa, Ronaldo, todo esse auê, todo esse banzé, para ao final declarar seu apoio e disposição de trabalhar pelo candidato do PSDB ao Palácio do Planalto este ano, senador Aécio Neves (PSDB-MG)?

Mas, para isto você não precisa vir com complexo de culpa, nem arrumar pretextos. Apoie se você acredita nos projetos, propostas, alternativas do seu candidato Aécio Neves, se você conseguir enxergá-las porque, por enquanto, tudo isso, segundo seu próprio candidato, ainda está sendo elaborado. E principalmente você não precisa invocar o pretexto de que tem “vergonha” do Brasil na organização da Copa do Mundo que está por alguns dias só para se iniciar aqui.

Ronaldo, como vocês acompanham, em entrevista a Agência Reuters, culpou os governos pelo que considera uma demora na execução de obras, especialmente na área de infraestrutura. “De repente chega aqui é essa burocracia toda, uma confusão, um disse me disse, os atrasos. É uma pena. Eu me sinto envergonhado, porque é o meu país, o país que eu amo, e a gente não podia estar passando essa imagem para fora”, afirmou o Fenômeno.

Ronaldo está desde o começo no COL e deve ter feito cobranças

Como você integra – e desde o início – o Comitê Organizador Local, que acompanha e organiza o Mundial, nossa torcida é para que você tenha cobrado, e muito, o andamento, a aceleração e a conclusão dessas obras que agora, a 16 dias da Copa, diz que te causam “vergonha” por não estarem concluídas. Tempo para a cobrança, houve, né?

E aí, você podia ter se saído dessa história sem a resposta – boa, na nossa avaliação – da presidenta Dilma Rousseff. “A Copa do Mundo se aproxima. Tenho certeza que nosso país fará a Copa das Copas. Tenho certeza da nossa capacidade, do que fizemos. Tenho orgulho das nossas realizações. Não temos do que nos envergonhar e não temos o complexo de vira-latas, tão bem caracterizado por Nelson Rodrigues se referindo aos eternos pessimistas de sempre”, ouviu você da presidenta.

E, também, sem estas do ministro do Esporte, Aldo Rebelo. “Foi a Copa, com o esforço dos governos, que permitiu que muitas obras de infraestrutura, mobilidade urbana, aeroportos, fossem adiantadas. Que permitiu que milhares de empresários viessem ao Brasil para gerar negócios, tributos e empregos para o País. Que permitiu que milhares de brasileiros recebessem formação profissional”, disse o ministro.

“Chute contra o próprio gol”

“A frase dita pelo Ronaldo – completou Aldo Rebelo – tomada de forma isolada, é um chute contra o próprio gol, já que ele foi parte do grande esforço para construir a Copa do Mundo. Esse grande evento não será motivo de constrangimento para o país que construiu a 7ª economia do mundo e é o maior vencedor de todos os Mundiais. Estou seguro de que não só o Ronaldo, mas todos os brasileiros e turistas estrangeiros que vierem nos visitar terão orgulho, e não vergonha.”

Você esteve aí no COL durante todo o tempo de organização do Mundial. Ganhou um tremendo espaço na mídia – e você merece, nem precisava estar no COL – promoveu a sua empresa de negócios na intermediação de interesses de esportistas, e agora, a 16 dias do início do Mundial, dá esse “chute contra o próprio gol”, como diz o ministro Aldo Rebelo… Para no dia seguinte apoiar a candidatura Aécio. Nada disso era necessário.

Dá uma lida nos jornais de hoje. Veja que até cronistas políticos empedernidos contra o governo, estão reconhecendo que nas Copas tem sido sempre assim. Há protestos, broncas, medo de que nem tudo fique pronto, nem a contento, mas as três últimas (na África do Sul, na aleamanha e no Japão/Coreia), pelo menos provam que, ao fim e ao cabo, sai tudo bem e o Brasil e os brasileiros terão tudo para se orgulhar da Copa que promoveram.

E o teu apoio terminou recebido com medo pelo teu candidato Aécio. “Ele não fala sozinho. Os brasileiros estão mesmo cansados de tanta incompetência. Quaisquer pessoas públicas que se manifestam em relação ao nosso nome ou em qualquer nome da oposição são imediatamente patrulhadas pela base do governo”, disse o senador sobre tua adesão à candidatura dele. Que patrulha nada, vão em frente juntos.