quarta-feira, 7 de agosto de 2013

CPI do transporte tem resistência na Câmara Municipal de Manaus


Durante a Sessão Plenária desta quarta-feira (7), o líder do Partido dos Trabalhadores (PT), vereador Waldemir José, lembrou que a Comissão de Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a tarifa do transporte público da cidade está estagnada na Câmara Municipal de Manaus (CMM). Por esse motivo, a bancada petista se reunirá, ainda esta semana, para criar uma agenda positiva em busca de apoio para instalação dessa CPI. 

“Já que a Câmara está parada, vamos buscar outras parcerias para que manifestem seus apoios à realização da CPI. É necessário que se tenha maior transparência nas planilhas de custos do sistema de transporte e, consequentemente, seja praticada, aqui em Manaus, uma tarifa justa para população”, argumentou o parlamentar. 

Waldemir José lembrou, ainda, que o requerimento de pedido de CPI já tem 7 assinaturas, o que representa 50% das assinaturas obrigatórias para a implantação das investigações, mas o Legislativo não avançou nesse debate. “O problema do transporte da cidade não pode cair no esquecimento. Precisamos analisar com urgência essas planilhas e dar uma resposta para à população”, disse o petista. 

Assinaram o pedido de CPI os vereadores petistas Rosi Matos e Professor Bibiano; Gilmar Nascimento (PDT), Isaac Tayah (PSD), Massami Miki (PSL) e Marcel Alexandre (PMDB), além da assinatura do próprio autor, vereador Waldemir José. 

A bancada petista deverá buscar apoio da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), do Conselho Regional de Economia (Corecon), dos Movimentos Estudantis, da Cáritas Arquidiocesana, de associações de moradores, dentre outros. 

OBJETO DA CPI

De acordo com a proposta de CPI, há vários motivos consistentes para que se faça uma investigação nas planilhas das empresas de ônibus: falta de prestação de contas das empresas de ônibus; falta de transparência sobre a planilha de custo; dados do sistema e despesas com pessoal, além da falta de comprovação de que as empresas estão recolhendo as obrigações tributárias e trabalhistas são apenas alguns motivos que devem ser levados em conta pelo parlamento municipal para realização de uma CPI.

Fonte: Assessoria de Comunicação