sábado, 31 de agosto de 2013

José Ricardo apoia manifestação dos professores


O deputado José Ricardo Wendling (PT) apoia a manifestação realizada pelos professores das redes estadual e municipal de ensino, na manhã desta sexta-feira (20), que estiveram em frente à sede da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e, em seguida, na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam). Eles lutam pela revisão do Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PPCS) e por melhores condições de trabalho, que incluem o cumprimento da Hora de Trabalho Pedagógica (HTP), plano de saúde, auxílio-alimentação e vale-transporte, além de questionar a falta de democracia para a escolha de gestores de escolas e cobrar a formação continuada dos educadores.

Essa manifestação faz parte da programação do Dia Nacional de Mobilização e Paralisação, realizada hoje (30) em todo o País, e organizada pela Conferência Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE). Mas, em Manaus, a organização do movimento foi puxada pelo “Movimento Vem pra rua pela educação”.

José Ricardo participou desde cedo das manifestações, primeiro em frente à Semed, juntamente com o vereador Bibiano Garcia (PT), e em Audiência Pública na Aleam, que foi precedida por tumulto, já que os manifestantes fecharam a área interna da Assembleia, solicitando acesso imediato ao plenário. “Apoiamos a luta dos profissionais da educação. Uma categoria que merece toda a atenção da Prefeitura e do Estado, mas que ainda sofre com seus direitos desrespeitados e com suas carreiras desvalorizadas”.

Representação MPE - HTP 

No início da tarde desta sexta, José Ricardo e o vereador Waldemir José (PT) ingressarão com representação no Ministério Público do Estado (MPE) contra a Prefeitura de Manaus, que não está cumprimento com a HTP, previsto na Lei nº 11.738/08 e que garante 33% da carga horária destinada ao planejamento das aulas. “Os professores reivindicam o cumprimento da lei na íntegra, e não somente parcial, para todos os níveis e modalidades de ensino. Esse tempo é fundamental para o educador se planejar e para ministrar uma aula com qualidade. Mas o poder público insiste em descumprir a lei”, considerou o deputado.

Fonte: Assessoria de Comunicação