quinta-feira, 15 de agosto de 2013

José Ricardo denuncia problemas em serviços públicos no Município de Boca do Acre e cobra providências do Estado.


Em visita ao Município de Boca do Acre (a 1.038 quilômetros de Manaus), o deputado José Ricardo Wendling (PT) fiscalizou os serviços públicos estaduais, como hospital, posto policial, universidade, obras estaduais e orla da cidade. “Os serviços públicos não funcionam adequadamente, prejudicando a população. A cidade precisa de um olhar mais prioritário do Governo do Estado”, afirmou ele, que irá encaminhar relatório dessas visitas aos órgãos competentes, como Secretarias de Estado da Saúde (Susam), da Segurança Pública (SSP) e de Infraestrutura (Seinfra), bem como para a Universidade do Estado do Amazonas (UEA).

Na área policial, ele relatou o abandono: quase nenhum policial para atender toda a cidade, bem como 43 presos amontoados em duas pequenas celas, numa estrutura precária e inadequada. “São dois, três andares de rede para abrigar tantos presos. Além disso, os moradores reclamam que o juiz e o promotor quase não param na localidade”.

Já na unidade da UEA, a estrutura é antiga, necessitando de reforma urgente. “A Universidade também fica muito afastada da cidade e não há transporte para a locomoção dos estudantes”, ressaltou.

A obra na orla da cidade também tem impasse: os serviços estão atrasados devido a contestações quanto aos baixos valores pagos nas indenizações tanto de comerciantes quanto de moradores. “Verifiquei rapidamente essa situação e me surpreendi com valores irrisórios sendo pagos pelo patrimônio da população”, declarou ele, completando que outras obras estaduais na cidade, com recursos federais e estaduais, estão sendo executadas sem qualidade.

E no hospital, a situação não é diferente: o prédio está precisando de reforma urgente, principalmente, para rever a estrutura da obra, já que foi feita abaixo do nível da rua e quando chove, alaga boa parte das salas. “Isso sem falar nos problemas de esgoto, na falta de manutenção do gerador de energia e na má qualidade da água, uma vez que existe alto teor de metal e de ferro”, exemplificou, finalizando que a cidade está abandonada, no quesito qualidade dos serviços públicos estaduais.

Fonte: Assessoria de Comunicação