segunda-feira, 5 de agosto de 2013

UEA vai oferecer nove novos cursos e mais vagas para o interior e capital a partir de 2014

A Universidade do Estado do Amazonas (UEA) vai oferecer nove cursos novos e mais de cinco mil vagas para o interior e capital a partir de 2014, por meio do Vestibular e Sistema de Ingresso Seriado (SIS). Também a partir do próximo ano, o Governo do Estado espera por em prática novas regras para o sistema de cotas em cursos da área da saúde. Conforme Projeto de Lei a ser encaminhado à Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), os alunos de Medicina, Odontologia e Enfermagem, que ingressarem na UEA pelo sistema de cotas, terão que prestar, depois de formados, um ano de serviço nos seus municípios de origem.

As novidades foram apresentadas em entrevista coletiva, nesta segunda-feira (5), na reitoria da universidade, pelo vice-governador do Estado, José Melo, e pelo reitor da instituição, Cleinaldo de Almeida Costa.

Os novos cursos que serão oferecidos pela universidade a partir do ano que vem são de Arqueologia, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Educação Física, Tecnologia em Agrimensura, Tecnologia em Agroecologia, Tecnologia em Construção Naval, Tecnologia em Logística e Tecnologia em Petróleo e Gás.

De acordo com o vice-governador, a oferta de novos cursos, que ainda não são oferecidos no Estado, é uma maneira de preparar o Amazonas para as exigências do mercado. “A UEA precisa sair um pouquinho daqueles cursos que outras instituições já oferecem e despender seus recursos para formar alunos de acordo com os novos horizontes, como no caso de Petróleo e Gás, por exemplo”.

No total serão oferecidas 5.809 vagas. A maior parte, 3.585, é para o interior do Estado. As outras 1.940 vagas serão destinadas aos cursos da capital. O aumento no número de vagas foi de 52% em relação ao ano passado. Para o ingresso seriado no interior serão 1.153 e para a capital, 635.

José Melo também confirmou os investimentos anunciados pelo governador Omar Aziz, com a construção de 17 novos núcleos da UEA no interior do Estado. Atualmente o Amazonas tem nove núcleos. Segundo ele, em até três anos os 61 municípios do interior do Amazonas devem estar equipados com núcleos em sedes próprias. O investimento nas novas construções deve ficar em tono de R$ 60 milhões.

As cidades que vão ganhar novos núcleos são Fonte Boa, São Paulo de Olivença, Jutaí, Boa Vista do Ramos, Ipixuna, Careiro, Tapauá, Autazes, Nova Olinda do Norte, Barcelos, Apuí, Urucará, Borba, São Sebastião do Uatumã, Santo Antônio do Içá, Beruri e Itapiranga. Segundo José Melo, a política adotada pelo governador Omar Aziz é de interiorizar o máximo possível a universidade.

“A decisão do governo é de interiorizar cada vez mais a UEA. A universidade tem que sair um pouco de Manaus e começar a ir para o interior. Essa é uma decisão política tomada pelo governador Omar”, disse.

A aplicação das provas do SIS acontece dia 15 de novembro. Já as provas de conhecimentos gerais e específicos do vestibular UEA estão marcadas para os dias 16 e 17 de novembro, respectivamente. Todas as provas (Vestibular e SIS) terão início às 13h, horário local.

Nova regra de cotas – Até a próxima semana, o Governo do Estado vai encaminhar à ALE-AM o Projeto de Lei que institui que, a partir de 2014, os alunos que ingressarem nos cursos da área de saúde por meio do sistema de cota da UEA para o interior do Estado, terão que prestar serviço durante um ano nos municípios de origem, depois de formados. No período em que prestarem serviço, os graduados receberão salários compatíveis e poderão obter especialização em Saúde, Família e Comunidade.

Os alunos que não fizerem parte do sistema de cotas também poderão optar pelo trabalho no interior do Estado, tendo também o direito de obter o título de especialização. O deputado Sidney Leite, presidente da Comissão de Educação da ALE-AM, que esteve presente na entrevista coletiva na UEA, informou que a comissão vai analisar o projeto para que seja apreciado em plenário o mais breve possível.

Segundo o reitor da UEA, Cleinaldo Costa, a previsão é de que, a partir de 2019, os profissionais de Saúde formados na instituição já estejam atuando no interior. “Esses profissionais, ao final do período, vão receber um certificado de especialização na área de saúde, família e comunidade. Essa especialização será oferecida e acompanhada pela UEA, Secretaria de Estado de Saúde e outros órgãos em cada município”, reforçou.