segunda-feira, 15 de abril de 2013

Amazônia resiste - Egon Dionisio Heck*



Triste e infeliz a pátria que não sabe acolher seus filhos, acariciar sua rica natureza e biodiversidade, se deleitar em suas águas abundantes, ainda limpas em grande parte, conviver harmonicamente com os animais, se deliciar com suas frutas saborosas, com seu ar puro. A Amazônia dos amazônidas continua seriamente ameaçada, violentamente agredida, absurdamente negada a seus povos.

A lógica da motosserra, das grandes madeireiras internacionais, das companhias mineradoras, das mega-hidrelétricas, que destoem e avançam sem dó nem piedade. A civilização do boi e da soja se alastram como ervas daninhas, tombando as florestas devorando corações e mentes. A mentira do progresso impera e ilude.

Fiquei muito feliz ao voltar a Manaus e Presidente Figueiredo e sentir um enfrentamento com os grandes interesses saqueadores das riquezas da região, na “articulação de convivência com a Amazônia”, na Coordenação dos Povos Indígenas da Amazônia Brasileira – Coiab, no Comitê da Verdade do Amazonas.

Abril Indígena, tempo de fazer avançar a luta pelos direitos dos povos primeiros dessa bela terra, das populações tradicionais, e de todos os aliados dos ricos sistemas de vida da Amazônia, ainda na paixão, mas de pé e resistente.

Waimiri atroari — Uma das situações emblemáticas de violência e genocídio é sem dúvida a dos kiña, waimiri atroari. Por esta razão o massacre de mais de 2 mil indígenas deste povo foi o primeiro documento densamente documentado, entregue à Comissão Nacional da Verdade. Isso já em outubro do ano passado, pelo comitê estadual. Infelizmente ainda não tiveram nenhuma resposta sobre os encaminhamentos e providências, especialmente no que diz respeito ao contato com os waimiri atroari, para que eles pensam, com sua memória de luta e resistência dar mais densidade e consistência comprovada do massacre que sofreram por ocasião de seu território com a construção da BR-174, Manaus-Caracaraí-Boa Vista, de 1967 a 1977.

Já esgotados os prazos prometidos à coordenação da Comissão Nacional da Verdade, pelo indigenista da Eletrobras e coordenador do Programa Waimiri-Atroari, o grupo entendeu que é o momento de cobrar respostas efetivas, particularmente com relação à visita à terra indígena e um efetivo diálogo posicionamentos incisivos a favor dos direitos deste povo, particularmente com relação à liberdade à participação no movimento indígena e aliados, conforme defende Egydio Schwade. Manoel Moura, índio tucano, classificou a situação da política indigenista empresarial com relação a esse povo de “prisão de ouro”.

Também foram tomados alguns encaminhamentos com relação ao debate sobre a questão dos militares na Amazônia e a política indigenista dos governos militares. Esses temas que tem sido uma espécie de tabu, precisam ser aprofundados para que não se repitam determinadas violências, autoritarismos, prepotência com relação aos povos e populações tradicionais da região. O Comitê da Verdade do Amazonas está sendo um importante instrumental neste sentido.

* Egon Dionisio Heck é Assessor do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), no Mato Grosso do Sul