quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Terminal Rodoviário de Manaus apresenta péssimas condições

Estrutura precária da rodoviária não agrada a população manauara e nem turistas que utilizam o local

Um salão escuro, sem climatização, e algumas cadeiras desconfortáveis. Essa é a primeira cena que se tem ao entrar no Terminal Rodoviário Engenheiro Huascar Angelim, localizado na Avenida Mário Ypiranga Monteiro, Flores, zona centro-sul de Manaus. A estrutura precária não agrada a população manauara e nem turistas que utilizam o local.

Dentro da rodoviária, o calor incomoda quem aguarda para seguir viagem. O salão de espera dos passageiros tem apenas duas portas e é coberto com estrutura de ferro e sem sistema de ventilação adequado. No mesmo salão fica um posto policial que, durante a presença da reportagem, estava vazio.

Mensalmente, a dona de casa Iramir Carlos Brito, 42, vem a Manaus para fazer compras, sempre com viagens que duram apenas um dia. “Chego de manhã e volto no fim da tarde para esperar o ônibus sair. A parte mais difícil é ter que ficar nessa cadeira dura em um calor infernal porque não tenho para onde ir. Esperava um local mais decente na primeira vez que vim”, contou.

Uma taxa é cobrada na entrada dos banheiros. No entanto, eles não oferecem condições de uso. A taxa de R$ 2 para tomar banho paga pela autônoma Ângela Maria da Silva, 34, de Roraima, não é digna de ser cobrada, segundo ela. “Paguei para tomar banho em um lugar sem porta, onde a limpeza é mínima”, reclamou, acrescentando que os vasos sanitários não possuem tampas e assentos.

Outro problema evidente do terminal é a ausência de uma praça de alimentação adequada. Todos os usuários ouvidos pela reportagem reclamaram da falta de opções adequadas para a alimentação. “A gente percebe pelo ambiente que não tem higiene alguma aqui”, afirmou o comerciante Ronaldo de Jesus Fomes, 32.

Do lado de fora, no estacionamento, flanelinhas agem livremente. Na mesma área há bares que funcionam durante o dia e a noite. A maioria das cabines de venda de passagens está abandonada. No segundo andar também não há nada funcionando.

A Superintendência Municipal de Transportes de Manaus (SMTU) informou que existe um projeto para reforma do prédio do terminal previsto para ser executado no primeiro semestre do próximo ano e que um prédio provisório está sendo estudado para receber temporariamente a rodoviária.

O chefe de Fiscalização de Produtos do Departamento de Vigilância Sanitária (Dvisa), Fernando Branco, afirmou que verificará se inspeções no local são de competência do órgão e, em caso afirmativo, informou que realizará blitz na rodoviária.