terça-feira, 3 de dezembro de 2013

A perda do combativo Marcelo Déda


O PT, Sergipe e o Brasil amanheceram enlutados com a morte na madrugada de hoje do governador de Sergipe, Marcelo Déda (PT). O governador morreu aos 53 anos, por volta das 4h45 desta 2ª feira, em São Paulo, onde esteve internado no Hospital Sírio-Libanês nos últimos seis meses (desde 27 de maio), em tratamento contra um câncer no sistema gastrointestinal, descoberto no ano passado. Em 2009, ele havia se submetido a cirurgias depois de os médicos diagnosticarem um nódulo no pâncreas.

Marcelo Déda será velado Palácio-Museu Olímpio Campos, antiga sede do governo de Sergipe que ele comandou nos últimos sete anos. Seu substituto, o governador Jackson Barreto, decretou luto oficial de sete dias no Estado e a presidenta Dilma Rousseff, em nota oficial divulgada pelo Palácio do Planalto, lamenta a perda do “grande amigo”.

Entusiasta de sua militância e trabalho no PT – partido que ajudou a fundar em 1979 -, Déda, um político bem-humorado e sempre de bem com a vida, era também o que se pode chamar de bom de voto: chegou a todos os cargos públicos que ocupou pelo voto direto, tendo sido deputado estadual, federal, duas vezes prefeito de Aracaju (elegendo-se em 2000 e 2004) e duas vezes governador do Estado (2006 e 2010).