sábado, 14 de dezembro de 2013

MPT solicita interdição imediata de obra da Arena da Amazônia

O pedido de interdição de obra urgente e imediata foi protocolizado às 17h deste sábado

O Ministério Público do Trabalho (MPT) anunciou, na tarde deste sábado (14), que irá interditar em caráter urgente e imediato as obras da Arena da Amazônia. A decisão foi tomada após a morte de um operário enquanto ele trabalhava no teto da construção na madrugada de hoje.

Segundo informações do MPT, os procuradores do trabalho Maria Nely Bezerra de Oliveira, Renan Bernardi Kali e Jorsinei Dourado do Nascimento são os responsáveis pela medida, protocolada sob o número 0001270-41.2013.5.11.0012.

O documento requer a interdição imediata de todos os setores da obra da Arena da Amazônia que envolvem atividades em altura.

O MPT informou, por meio de assessoria de imprensa, que a decisão será suspensa apenas quando a empresa responsável pela construção, Construtora Andrade Gutierrez S/A, apresentar laudo que detalhe o atendimento aos requisitos básicos previstos pelas Normas Regulamentadoras nº 35 e 18 do MTE.

A decisão determina ainda que os salários dos funcionários não pode ser diminuído por conta da interdição como prevê o artigo 161 da CLT.

Caso a empresa descumpra a decisão, ela deverá pagar multa diária de R$ 100 mil.O Ministério Público do Trabalho aguarda decisão da Justiça do Trabalho.

Morte nas obras da Arena da Amazônia

Vítima de acidente de trabalho a um dia de completar 24 anos, o operário que trabalhava na Arena da Amazônia, Marcleudo de Melo Ferreira morava sozinho em Manaus e o corpo dele será encaminhado para Limoeiro do Norte, no Ceará, município localizado no extremo leste daquele Estado.

Na manhã deste sábado (14), representantes da empresa Andrade Gutierrez estavam no Instituto Médico Legal (IML) para tratar da liberação do corpo e ficaram irritados com perguntas da reportagem sobre uso de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) pelos operários da Arena. Uma representante da empresa sugeriu que a imprensa se retirasse do local.

Em nota, a Construtora Andrade Gutierrez afirmou que vai fazer uma investigação interna para apurar as causas do acidente que causou a morte do operário Marcleudo de Melo Ferreira, 23 anos.