terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Doce Natal - Por Júlio Lázaro Torma*


"Maria deu a luz o seu filho primogênito. Ela o enfaixou, e o colocou na manjedoura" (Lc. 2,7).

Celebramos alegremente e jubilosamente o Natal, a Festa do Nascimento de Jesus. Nos alegramos com toda a criação, nesta linda noite, noite das noites, Festa das Festas em que o Senhor se manifestou para nós e para toda a criação.

Pois no meio das trevas escuras, na qual estávamos envoltos, pelo pecado e na qual o "povo que andava nas trevas viu uma grande luz"(Is 9,1), na qual "Graças á ternura e misericórdia de nosso Deus, que nos vai trazer do alto a visita do Sol nascente" (Lc. 1,78).

Na qual Deus na sua infinita grandeza, bondade e amor se fez um ser humano como nós no ventre de Maria na fraqueza, fragilidade de um recém nascido, nos mostrou a sua ternura e amor para com a criação e com a humanidade que "habitava uma região tenebrosa resplandeceu uma grande luz" (Is 9,1).

Neste Natal, lembramos o Doce Cordeiro nascido da Doce Cordeira, o Deus que se faz humano, ao tornar um de nós para nos tornarmos eternos também. Ele nasce não num Palácio de César, dos sumos sacerdotes ou de alguma família rica de Roma ou de Jerusalém.

Mas nasce na periferia da periferia, longe dos poderes estabelecidos e onde passou vivendo a sua vida terrena.

Ele nasce pobre e rejeitado pelos seus, aqueles que deveriam acolhe-lo, não o recebem e as portas se fecham para ele.

Nasce na periferia, numa gruta entre os pastores, gente pobre,desprezada e excluída pelos ricos. Os pobres foram os primeiros acolher a mensagem libertadora trazida por aquele que nasce pobre como um deles.Os pobres acolhem alegremente,pois é para eles que nasceu o Salvador, o Messias e o Senhor, aquele que irá trazer a libertação definitiva. É o Messias que traz o Espírito Santo que convoca a relação de justiça e amor fraterno (Is 11,1-9).

É o Senhor, porque vence todas as forças do mal e nos conduz a uma vida nova.

Contemplamos a simplicidade do Senhor,"lembramos o menino que nasceu em Belém, os apertos que passou, como foi posto num presépio,e ver com os próprios olhos como ficou em cima da palha o boi e o burro" (São Francisco de Assis).

Hoje aquele doce menino, que se "fez o Pão da Vida descido do céu" (Jo. 6,41) e que assumiu as nossas dores, não é mais lembrado, a nossa sociedade centrada na economia da morte, na idolatria do mercado, consumismo, materialismo o fez um natal comercial.

Onde vemos papais noéis, lojas decoradas, lindas vitrines, ruas e prédios decorados, shoppings centers lotados, onde se compra presentes e mais presentes.

Os lojistas falam; "compram", "compram e paguem no ano que vem" e "esperamos o natal para vendermos e queimar o nosso estoque", o "natal aquece as vendas e a economia das cidades".

Enquanto isso sonegam e fraudam o salário dos trabalhadores/as das vossas lojas, para manter o vosso lucro. Fazem banquetes lindos, onde esbanjam e estragam o alimento, fazendo com que o Natal se converta em festa do Amor em festa da dor, da discórdia, depressão, traições e descontentamento.

Falam em Paz , Amor e Solidariedade, que ajudam os necessitados na época do Natal, mas durante o ano os expulsais da frente de vossas lojas, restaurantes, calçadão,residências e das vossas cidades, para não veres o corpo nu de Cristo que está naquele que sofre e que vós negais o pão,roupa que tirastes deles o alimento e a dignidade.

Hoje quantos Jesus não terão um Natal, e um lugar para reclinar a cabeça?, alguém para consolar e enxugar as suas lágrimas e os alimentar.Te banqueteias, te embriagas e deixas estragar, desperdiças o alimento que cai de tua mesa.

Onde esqueces o que tu esbanjas não é teu, não te pertence, mas é daquele que exploras e que passa fome e miséria, ao teu lado e que não queres olhar.

A tua ganância, soberba e sede de riqueza está destruindo com a terra e ela, já não suporta e clama aos céus " e geme com dores de parto" (Rm 8,22), ao Senhor.

Queres celebrar o Natal, o doce Natal, festa das festas, festa daquele que se fez pobre entre nós?, como celebrais o Natal se te fecha no teu egoismo, lucro, desamor,individualismo, festejas mas não sabes o por que da festa, ai cai em depressão e no vazio, onde te falta algo para te satisfazer.

O SENHOR bate a tua porta e pede para entrar e tu lhe negas, te fecha no teu desamor e no egoísmo.

Só celebramos o Natal, o doce Natal, quando nos abrimos ao Senhor que nasce na forma de um menino e nos mostra a sua ternura, carinho e amor para conosco, quando repartimos o pão com o nosso irmão e acolhemos aquele que sofre.

Ele é o Emanuel, o Deus conosco que todos os dias nasce em nossas vidas, ele que é verdadeiramente o Doce Natal, não tenha medo dele que sorri para você e te estende a mão, porque "ele é manso e humilde de coração, na qual se refugiará as nossas almas" (Mt 11,29).

Feliz Natal a todos, que o Deus Menino nasça em cada coração e nos mostre a sua ternura e o seu amor. Feliz Natal, Feliz Páscoa do Senhor.
Hag sameah ( A tua festa seja feliz e te traga alegria)
Boas meditações
Boas festas e um abraço
__________________
* Membro do Colegiado Nacional da Pastoral Operária