quarta-feira, 2 de abril de 2014

Professores da rede pública falam em greve em audiência pública na ALE, caso reivindicações da categoria não sejam atendidas


Durante a audiência pública para discutir os pleitos dos professores da rede pública, realizada hoje (2) à tarde, a categoria disse que entrará em greve, caso, o Governo do Estado não atenda suas reivindicações por reajuste salarial de 20%, plano de saúde, auxílios alimentação e transporte, e direito a Hora de Trabalho Pedagógico (HTP). A reunião foi proposta pelos deputados, José Ricardo e Luiz Castro (PPS).

Em apoio às reivindicações dos professores, o deputado José Ricardo protocolou pela manhã, na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE), duas indicações ao Governo do Estado em favor dos pleitos desta categoria. Uma solicita a efetivação de política de valorização destes profissionais, como plano de saúde, auxílios alimentação e transporte, reajuste salarial de 20%, e a outra, propõe a realização de concurso público para Educação e o pagamento de Horas de Trabalho Pedagógico (HTP). 

O parlamentar destacou que essas reivindicações, desde o início de seu mandato como deputado, são apresentados à Casa, porém, ano após ano a bancada governista derruba todas as propostas. “Lembro aos deputados que quando votam contra essas propostas, estão votando não contra o José Ricardo ou outro deputado, mas contra a educação e os professores. Porque melhoria na qualidade da educação, passa pela valorização do professor”, frisou.


Ele mencionou ainda que, o resulta do relatório do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa), da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômicos (OCDE), que mostra o Amazonas como o antepenúltimo no ranking internacional de proficiência em Matemática dos alunos da rede pública de ensino, confirma o descaso com a área da educação. A média geral do Estado é de 356 pontos, ficando acima apenas de Alagoas (342) e do Maranhão (343,2).

O representante da Associação Movimento de Luta dos Professores de Manaus (Asprom), Lambert Melo, afirmou que os professores estão lutando por direitos trabalhistas básicos. “É um absurdo que uma categoria tão importante não tenha plano de saúde, auxílio alimentação, auxílio transporte”, disse ele, requerendo também a homologação imediata da lei que limita a quantidade de alunos por sala de aula, de autoria do deputado José Ricardo. Entre as entidades presentes na audiência estão a Asprom, ‘Vem pra pela educação’, Movimento dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Movte). 

No próximo dia 11, será realizada a Assembleia Geral da categoria, às 16h, na sede da Federação dos Trabalhadores no Comércio do Estado do Amazonas (Fetracom), na Rua Ramos Ferreira, no Bairro da Aparecida.

A audiência pública com professores terminou com a promessa de que a Mesa Diretora da ALE encaminhará oficialmente todas as reivindicações da categoria ao governador do Estado, ao prefeito de Manaus e às respectivas Secretarias.

Fonte: Assessoria de Comunicação