quarta-feira, 23 de abril de 2014

Dilma: indústria naval dinâmica renasceu no país


A presidenta Dilma Rousseff voltou a abordar a questão da indústria naval – e mais uma vez mostrou como a realidade é diferente daquela pregada por setores da mídia e da oposição – principalmente nesta campanha contra a Petrobras.

Ela lembrou como foi importante a retomada da indústria naval para o país, que é responsável por mais de 80 mil empregos. Ela relatou a visita a um estaleiro em Ipojuca (PE), quando foi entregue o navio “Dragão do Mar”.

Dilma contou como foi emocionante ver que trabalhadores que viviam subempregados no corte da cana e em trabalhos domésticos agora estão melhor capacitados e remunerados, com todos os seus direitos protegidos.

”Os derrotistas que pensavam assim cometeram um grande equívoco, pois, hoje, o estaleiro está lá e a produção de navios se desenvolve a todo vapor (…) Esta é uma comprovação cabal de que o Brasil, hoje, tem uma indústria naval forte, pujante, que emprega quase 80 mil trabalhadores”, afirmou.

“Com o esforço de nossos trabalhadores, a iniciativa de nossos empresários e o apoio de todos aqueles que acreditam no Brasil, conseguimos reconstruir a indústria naval brasileira e vamos transformá-la em uma das maiores do planeta”, acrescentou.

“E estimamos que, em 2017, serão cerca de 100 mil empregos diretos na indústria naval. Sabem quantos trabalhadores tinha a indústria naval antes de 2003? Pouco mais de sete mil, dez vezes menos do que agora. Nossa indústria naval estava desaparecendo. Os poucos estaleiros que restavam faziam apenas pequenos consertos em plataformas e navios.”

“De lá para cá, a situação mudou. E a mudança teve muito a ver com uma decisão política. Quando assumiu a presidência da República, Lula fez uma escolha que mudou a história. Decidiu que o que pudesse ser produzido no Brasil, deveria ser produzido no Brasil. Como consequência, a Petrobras, a maior empresa brasileira e também a maior investidora, passou a priorizar o produto nacional, a fazer encomendas de navios e plataformas em estaleiros nacionais, criar empregos aqui e não lá fora. Graças à política de compras da Petrobras, iniciada no governo Lula e fortalecida no meu governo, renasceu uma indústria naval dinâmica e competitiva. Resolvemos fazer isso por acreditar na capacidade do trabalhador brasileiro e dos empresários brasileiros”, afirmou Dilma.