quarta-feira, 4 de junho de 2014

O medo que os conservadores, DEM à frente, têm de participação popular


Há um certo desespero da nossa velha, arcaica e conservadora mídia tradicional em relação ao decreto 8243 assinado na semana passada pela presidenta Dilma Rousseff e que institui nove conselhos de participação popular, novas instâncias a que o governo pode recorrer para ouvir a população sempre que tiver de tomar decisões que afetem mais diretamente a vida dos brasileiros?

O Estadão chegou até a falar na criação da “lei do mais forte” e há articulistas, daqueles mais rançosos que a gente pede licença para nem citar o nome, que acusam a presidenta da República de ter extinguido a democracia por decreto. Calma, pessoal, o decreto 8243 apenas garante maior participação popular nas decisões do governo, uma prática que vem sendo adotada em todas as administração do PT desde a 1ª, do presidente Lula, iniciada em 2003.

Agora, vocês viram na oposição quem lidera a reação ao decreto? Nosso também velho e conhecido DEM , o DEMOCRATAS, hoje, mas que já se chamou PFL, Frente Liberal, PDS, ARENA (estes dois últimos nomes, quando sustentava a ditadura militar), UDN (o partido golpista que vivia rondando os quartéis) e por ai vai…

O DEM até ameaça entrar na Justiça contra o decreto, na tentativa de anulá-lo. É porque o DEM tem horror à participação popular. Ele não se dá bem com isso de jeito nenhum. A história o prova. Mingua a cada eleição. A cada pleito a gente fica até com medo de, abertas as urnas, o DEM não sobreviver e nós termos um partido a menos a quem criticar na oposição.