terça-feira, 14 de outubro de 2014

José Ricardo fala da importância da prorrogação da ZFM por mais 60 anos para o Amazonas, concretizada pelo Governo do PT

 

O deputado José Ricardo Wendling (PT) falou quinta-feira (9) da importância da prorrogação da Zona Franca de Manaus (ZFM) para o Estado do Amazonas concretizada pelo Governo do Partido dos Trabalhadores (PT), com o presidente Lula e a presidenta Dilma. “Lula prorrogou a Zona Franca por dez anos (até 2023) e Dilma por 50 anos (até 2073), por meio de articulações políticas no Congresso Nacional. Juntando as duas importantes ações, o Governo do PT prorrogou a ZFM por mais 60 anos, merecendo registro permanente”.

Ele ressaltou que o Polo Industrial de Manaus (PIM) teve um salto positivo na geração de empregos diretos, passando de cerca de 60 mil em 2003 para 108 mil em 2010 e 125 mil até o final de 2013. Isso sem falar no seu faturamento: que evoluiu de R$ 54 bilhões em 2003 para R$ 83 bilhões em 2013. “Números crescentes e importantes para a nossa economia”, considerou.

Para o deputado, essa trajetória ascendente da ZFM reflete diretamente na arrecadação pública do Estado, por meio do principal imposto que é o ICMS (Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação). Em 2009, o Governo Estadual arrecadou R$ 4,2 bilhões em ICMS e em 2013, R$ 7,4 bilhões. “Um crescimento significativo, que representa mais recursos para a educação, saúde, segurança em todos os municípios amazonenses, já que 25% do ICMS arrecadado é repartido entre essas cidades”, explicou ele, enfatizando que este ano essa arrecadação deve ultrapassar a marca do ano passado, alavancado, principalmente, pelos setores industrial e comercial.

“A prorrogação da ZFM favoreceu todo esse crescimento econômico, uma vez que as empresas, grandes e pequenas, fizeram mais investimentos, mais ampliação e modernização, além da implantação de novas empresas”, esclareceu José Ricardo, ressaltando outro importante fator da prorrogação da ZFM: a ampliação dos recursos destinados à Universidade do Estado do Amazonas (UEA), que passaram de R$ 139 milhões em 2009 para R$ 225 milhões em 2013. “A Universidade é mantida com os recursos do PIM. Imagina o prejuízo se não houvesse essa prorrogação”.

E finalizou: “Temos que sonhar e concretizar novas alternativas econômicas para o Estado. Precisamos ter uma nova matriz econômica”.

Fonte: Assessoria de Comunicação