quinta-feira, 11 de agosto de 2016

José Ricardo cobra aprovação do Passe Livre estudantil e enaltece a importância das ações das entidades estudantis.


Neste Dia do Estudante, 11 de agosto, o deputado estadual José Ricardo (PT) ressaltou a necessidade de políticas públicas para permanência da criança, adolescente e jovem na escola e a importância das entidades que lutam pela garantia e ampliação dos direitos dos estudantes, como a melhoria na educação, o direito de ir e vir por meio da defesa do passe livre e a construção de áreas de desporto, lazer e cultura, além de canais de capacitação profissional. “Parabéns a todas e todos os estudantes pelo seu dia! E parabéns também aos que dedicam parte do seu tempo para defender melhores condições no ensino, o direito ao passe livre e o direito a locais onde possam interagir com os outros, desenvolver suas habilidades esportivas, artísticas e profissionais. Nosso mandato tem apoiado a luta desses jovens e tem mantido um diálogo com eles para defender suas demandas”, afirmou.

José Ricardo salientou que tramita na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Nº 17/2015, de sua autoria, que instituí o Passe Livre estudantil para Região Metropolitana de Manaus (RMM). “Manaus cresce de forma desordenada, e por isso, há bairros que não têm escolas e os alunos são obrigados a se matricularem em unidades distantes. E nem sempre os pais tem dinheiro para arcar com as passagens de ônibus para os filhos todos os dias. É um valor que, no final do mês, tem um impacto grande no orçamento familiar”, expôs ele, que enfatizou que o acesso à educação é um direito básico, mas que em muitos casos depende de outro direito, que é ao transporte público.

Para ele, a implementação de política pública que possibilite a criança, o adolescente e o jovem permanecer na escola é um investimento na formação de cidadãos e na capacitação de futuros profissionais. “Destinar recurso para que o estudante continue sendo instruído na sala de aula também é uma forma de evitar que nossas crianças e jovens fiquem sujeitos a marginalidade, às drogas”, acentuou.

Fonte: Assessoria de Comunicação