terça-feira, 16 de agosto de 2016

Ex-presidente da Fifa João Havelange morre aos 100 anos, no Rio.

João Havelange (Crédito: José Cruz/Agência Brasil)

O dirigente fazia tratamento contra uma pneumonia no Hospital Samaritano, em Botafogo, Zona Sul da cidade. João Havelange completou 100 anos no dia 8 de maio.

Jean-Marie Faustin Goedefroid Havelange nasceu no Rio de Janeiro, em 8 de maio de 1916. Desde cedo mostrou inclinação para a política e os esportes. Praticou natação e polo aquático profissionalmente, obtendo uma medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 1955. Como dirigente, Havelange destacou-se por ser o sétimo presidente da FIFA, de 1974 a 1998, precedido no cargo por Sir Stanley Rous e sucedido por Joseph Blatter. De 1963 a 2011, foi membro do Comitê Olímpico Internacional. Em 1998, foi eleito Presidente de Honra da FIFA. Torcedor do Fluminense, sempre teve ligação estreita com o clube. Nas Laranjeiras foi escoteiro e atleta nas categorias, infantil, juvenil e adulto, destacando-se em vários esportes, inclusive no futebol, pois em 1931 foi campeão carioca juvenil. Ainda nesta década, graduou-se em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense e competiu como nadador nas Olimpíadas de Berlim, em 1936. Brilhou como jogador de polo aquático em Helsinque, em 1952, além de comandar a delegação brasileira em Melbourne, em 1956. Posteriormente, foi dirigente de esporte, inicialmente na Federação Paulista de Natação, já que residia em São Paulo na época, em 1948. Quando retornou ao Rio de Janeiro em 1952, se torna Presidente da Federação Metropolitana de Natação e vice-presidente da Confederação Brasileira de Desportos (CBD). A essa época já havia se formado advogado e além de acionista, ocupava o cargo de Diretor Executivo da Viação Cometa, tradicional empresa de transporte rodoviário de passageiros que opera nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná. Em 1956 chegou ao comando da CBD, que posteriormente passaria a se chamar CBF.

Entre 1956 e 1974, quando presidiu a CBD, que congregava, à época, 24 esportes, e não somente o futebol, Havelange experimentou um momento ímpar em sua trajetória como dirigente. Consagrou-se Tricampeão Mundial de Futebol com a conquista das Copas do Mundo de 1958, na Suécia de 1962, no Chile, e de 1970, no México.

Havelange foi eleito para o Comitê Olímpico Internacional em 1963 e, com mais de 40 anos de mandato ininterrupto, foi decano desse órgão. Foi um dos dois únicos brasileiros que foram membros do COI, juntamente com o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, que garante ter aprendido muito durante os anos de convivência.

Pesquisa realizada pelo COI, em 1999, aponta Havelange como um dos três maiores "Dirigentes do Século", junto com o Barão Pierre de Coubertin, fundador do COI e idealizador dos Jogos Olímpicos da Era Moderna, e o ех-Presidente do COI, Juan Antonio Samaranch. Apesar da conquista, a carreira de Havelange como dirigente também foi marcada por escândalos. Em 2011, renunciou ao cargo no Comitê Olímpico Internacional após ver seu nome envolvido em denúncias sobre quebra do código de ética da entidade. Dois anos mais tarde, em 2013, aos 96 anos de idade, foi a vez e renunciar à presidência de honra da FIFA para escapar de qualquer punição por seu envolvimento em denúncias sobre corrupção. 

O ex-presidente de honra da FIFA morreu aos 100 anos, no Hospital Samaritano, em Botafogo, Zona Sul do Rio. De acordo com a unidade de saúde, ele fazia tratamento contra uma pneumonia desde julho. No final do ano passado, João Havelange foi internado no mesmo hospital também em decorrência de problemas pulmonares. A assessoria de imprensa do hospital aguarda a liberação da família para passar detalhes sobre a morte.